Influência de Fatores Contingenciais no Desempenho Acadêmico de Discentes do Curso de Ciências Contábeis

Hugo Dias Amaro, Ilse Maria Beuren

Resumo


Objetivo: Este estudo objetiva averiguar a influência de fatores contingenciais no desempenho acadêmico de discentes do curso de Ciências Contábeis de uma Instituição Federal de Educação Superior (Ifes).

Método: Esta pesquisa descritiva de abordagem quantitativa do problema foi realizada por meio de um levantamento junto aos discentes de uma Ifes do sul do Brasil, com uma amostra de 295 respondentes.

Resultados: Os resultados do teste KrusKal-Wallis apontam que dos fatores contingenciais externos pesquisados, nível de instrução do pai, horas de estudo semanal extraclasse e experiência profissional mostraram-se influenciadores do desempenho acadêmico. Em relação ao ambiente institucional da Ifes pesquisada, as variáveis latentes ambiente interno, sistema técnico e estratégia do Projeto Pedagógico do curso indicaram influenciar positivamente o desempenho acadêmico. Já as variáveis latentes estrutura e estratégia do corpo docente não apresentaram relação estatisticamente significativa. Esses resultados provocaram inquietações e são um alento para testar a validade dos construtos em outros ambientes institucionais.

Conclusões: Conclui-se que, dos fatores externos, as variáveis nível de instrução do pai, horas de estudo semanal extra classe e experiência profissional influenciaram o desempenho acadêmico, enquanto que do ambiente institucional, os construtos ambiente interno, sistema técnico e estratégia do Projeto Pedagógico do Curso mostraram-se influenciadores do desempenho acadêmico dos discentes da Ifes investigada.

Palavras-chave


Desempenho acadêmico; Fatores contingenciais externos; Fatores contingenciais internos; Instituição Federal de Educação Superior

Texto completo:

PORTUGUÊS ENGLISH (English)

Referências


Andrade, J.X., & Corrar, L.J. (2008). Condicionantes do desempenho dos estudantes de contabilidade: evidências empíricas de natureza acadêmica, demográfica e econômica. Revista de Contabilidade da UFBA, 1(1), pp. 62-74.

Andriola, W.B. (2009). Fatores institucionais associados aos resultados do Exame Nacional de Desempenho Estudantil (ENADE): Estudo dos Cursos de Graduação da Universidade Federal do Ceará. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio em Educación, 7(1), pp. 22-49.

Araújo, E.A.T., Camargos, M.A., & Camargos, M.C.S. (2013). Desempenho Acadêmico de Discentes do Curso de Ciências Contábeis: Uma análise dos seus fatores determinantes em uma IES Privada. Contabilidade Vista & Revista, 24(1), pp. 60-83.

Bates, T. (2003). Managing technological change. San Francisco: Jossey-Bass.

Boezerooij, P. (2006). E-learning strategies of higer education institutions: an exploraty study into the influence of environmental contingencies on strategic choices of higher education institutions with respect to integrating e-learning in their education delivery and support processes. Czech Republik: Cheps/University of Twente.

Boezerooij, P., Van Der Wende, M., & Huisman, J. (2007). The need for e‐learning strategies: higher education institutions and their responses to a changing environment. Tertiary Education and Management, 13(4), pp. 13-330. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/13583880701535471.

Burns, T. & Stalker, G.M. (1961). The Management of Innovation. London: Tavistock.

Caiado, J., & Madeira, P. (2002). Determinants of the academic performance in undergraduate courses of the accounting. Munich Personel Repec Archive, n. 2199. posted 12.

Chenhall, R.H. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, 28(2), pp. 127-168.

Chenhall, R.H. (2007). Theorizing contingencies in management control systems research. In: Chapman, C. S., Hopwood, A. G., & Shields, M. D. (eds.). Handbook of Management Accounting Research. Oxford, UK: Elsevier. pp 163-205.

Chin, W.W. (1995). Partial least squares is to LISREL as principal components analysis is to common factor analysis. Technology Studies, 2(2), pp. 315-319.

Chin, W.W., & Newsted, P.R. (1999). Structural equation modeling analysis with small samples using partial least squares. Statistical strategies for small sample research, 1(1), pp. 307-341.

Cooper, D.R., & Schindler, P.S. (2011). Métodos de pesquisa em administração. 10 ed. Porto Alegre: Bookman.

Cunha, J.V.A., Cornachione Jr., E.B., De Luca, M.M.M., & Ott, E. (2010, julho) Modéstia de alunos de graduação em Ciências Contábeis sobre o desempenho acadêmico: uma análise pela ótica da teoria da autoeficácia. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 10.

Donaldson, L. (1999). Teoria da contingência estrutural. In: Clegg, S. R., Hard Hardy, C., & Nord, W. R. Handbook de estudos organizacionais: modelos e análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas. pp 105-133.

Donaldson, L. (2001). The contingency theory of organizations. Californial: Sage.

Eckel, P.D., Couturier, L., & Luu, D.T. (2005). Peering around the bend: The leadership challenges of privatization, accountability, and market-based state policy. Washington, DC: American Council on Education.

Fagundes, J.A., Soler, C.C., Feliu, V.R., & Lavarda C.E.F. (2008). Proposta de pesquisa em contabilidade: considerações sobre a Teoria da Contingência. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 13(2), pp. 2-13.

Ferreira, I., Cabral, J., & Saraiva, P. (2010). An integrated framework based on the ECSI approach to link mould customers' satisfaction and product design. Total Quality Management, 21(12), pp. 1383-1401. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/14783363.2010.530791.

Fornell, C., & Larcker, D.F. (1981). Evaluating Structural Equations Models with unobserved variables and measurement error. Journal of Marketing Research, 18(1), pp. 6-21. DOI: https://doi.org/10.2307/3151312.

Freitas, A.A.M. (2004). Acesso ao ensino superior: estudo de caso sobre características de alunos do ensino superior privado. Revista Inter Ação, 29(2), pp. 267-282. DOI: https://doi.org/10.5216/ia.v29i2.1416.

Freitas, A.L.P., & Arica, G.M. (2008). A auto avaliação de IES: um modelo para a avaliação das disciplinas curriculares segundo a percepção do corpo discente. Revista Iberoamericana de Educación, 44(7), pp. 1-15.

Frezatti, F., & Leite Filho, G.A. (2003, setembro). Análise do relacionamento entre o perfil de alunos do curso de Contabilidade e o desempenho satisfatório em uma disciplina. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração, Atibaia, SP, Brasil, 27.

Gil, A.C. (2011). Didática do Ensino Superior. São Paulo: Atlas.

Guerra, A.R. (2007). Arranjos entre fatores situacionais e sistema de contabilidade gerencial sob a ótica da teoria da contingência. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Hair, J.F., Anderson, R.E., Tatham, R.L., & Black, W.C. (2005). Análise multivariada de dados. 5ª ed. São Paulo: Bookman.

Hammond, N. (2003). Learning technology in higher education in the UK: trends, drivers and strategies. In: Van Der Wende, M., & Van Der Ven, M. (eds). The use of ICT in Higher Education: amirror of Europe. Utrecht: Lemma Publishers. pp 109-122.

Lawrence, P., & Lorsch, J. (1967). Differentiation and integration in complex organizations. Administrative Science Quarterly, 12(1), pp. 1-30.

Miranda, G. J. (2011). Relações entre as qualificações do professor e o desempenho discente nos cursos de graduação em Contabilidade no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Morgan, G. (1996). Imagem da organização. São Paulo: Atlas.

Morosini, M.C. (2000). Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais.

Murillo, F.J. (2003). Investigaciones sobre eficácia escolar en iberoamérica. Revista Electrónica Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 1(1), pp. 1-14.

Paiva, M.O.A., & Lourenço, A.A. (2011). Rendimento acadêmico: Influência do autoconceito e do ambiente de sala de aula. Psicologia. Teoria e Pesquisa, 27(4), pp. 393-402.

Pfeffer, J. (2003). The external control of organizations: a resource dependence perspective. California: Stanford University Press.

Rizzatti, G. (2002). Categorias de análise de clima organizacional em universidades federais brasileiras. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Siegel, S., & Castellan Jr, N.J. (2006). Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Silva, A.C.R. (2008). Ensino da contabilidade: alguns aspectos sugestivos e críticos da graduação após resultado do exame nacional de desempenho dos estudantes (Enade) 2006. Revista Universo Contábil, 4(3), pp. 82-94.

Singh, G., O'donoghue, J., & Worton, H. (2005). A study into the effects of elearning on higher education. Journal of University Teaching & Learning Practice, 2(1), Article 3.

Stoll, L., & Fink, D. (1999). Escola eficaz: nuestras escuelas: reunir la eficácia y la mejora. Barcelona: Editora Octaedro.

Tenenhaus, M., Chatelin, Y.M., & Lauro, C. (2005). PLS path modeling. Computational Statistics & Data Analysis, 48(1), pp. 159-205. DOI: https://doi.org/10.1016/j.csda.2004.03.005.

Vianna, H.M. (2000). Avaliação educacional. São Paulo: IBRASA.

Weathersbee, J.C. (2008). Impact of technology integration in public schools on academic performance of Texas School Children. Master´s Degree Thesis, Texas State University, USA, 2008.

Wetzels, M., Odekerken-Schroder, G., & Van Oppen, C. (2009). Using PLS path modeling for assessing hierarchical construct models: guidelines and empirical illustration. MIS Quarterly, 33(1), pp. 177-195.

Woodward, J. (1965). Industrial organization: theory and practice. London: Oxford University Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.17524/repec.v12i1.1581

Creative Commons License
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.


ISSN 1981-8610

DOI 10.17524/repec

Indexação da REPeC: Indexadores e Diretórios


Endereço postal

Academia Brasileira de Ciências Contábeis (ABRACICON)

SAS Quadra 5, Bloco J, Edifício do CFC

CEP 70.070-920 - Brasília/DF - Brasil