Relação do ciclo de vida organizacional com o planejamento: um estudo com empresas prestadoras de serviços contábeis do estado de Santa Catarina

  • Dinorá Baldo de Faveri Professora da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)
  • Paulo Roberto da Cunha Professor da Universidade Regional de Blumenau (PPGCC/FURB) e da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC.
  • Vanderlei dos Santos Professor da Universidade Regional de Blumenau (FURB)
  • Deivison Anselmo Leandro Administrador na empresa Servitech Serviços Técnicos Representações Ltda.
Palavras-chave: Ciclo de Vida Organizacional, Controle Orçamentário, Prestadoras de Serviços Contábeis, Orçamento, Planejamento Estratégico

Resumo

O estudo objetiva identificar a relação dos diferentes estágios do ciclo de vida organizacional com o processo de planejamento das empresas prestadoras de serviços contábeis do Estado de Santa Catarina. Pesquisa descritiva com abordagem quantitativa foi realizada por meio de pesquisa de levantamento em uma amostra por acessibilidade em 116 empresas. Para tanto, utilizou-se do modelo de Miller e Friesen (1984) para identificar os estágios de ciclo de vida e do instrumento de Frezatti, Relvas, Nascimento, Junqueira e Souza (2010) para mensurar o nível de utilização dos artefatos do planejamento. O planejamento foi analisado em suas três modalidades: Planejamento Estratégico, Orçamento e Controle Orçamentário. Para a análise dos dados, utilizou-se da análise discriminante e de correlações. Os resultados do estudo mostraram que as empresas prestadoras de serviços contábeis estão classificadas em distintos estágios de ciclo de vida organizacional, com predominância no nascimento e no rejuvenescimento. Apenas a metade das empresas analisadas utiliza-se do orçamento, mesmo sendo dirigidas por pessoas da área e que conhecem da importância deste instrumento. Observou-se ainda que existe uma correlação negativa entre os estágios de nascimento e declínio e a utilização dos artefatos de planejamento e uma correlação positiva entre os estágios de crescimento, maturidade e rejuvenescimento, convergindo com os resultados de Miller e Friesen (1984).

Biografia do Autor

Dinorá Baldo de Faveri, Professora da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)
Doutoranda em Economia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Paulo Roberto da Cunha, Professor da Universidade Regional de Blumenau (PPGCC/FURB) e da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC.
Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau (FURB)
Vanderlei dos Santos, Professor da Universidade Regional de Blumenau (FURB)
Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau (FURB)
Deivison Anselmo Leandro, Administrador na empresa Servitech Serviços Técnicos Representações Ltda.
Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Referências

Abatecola, G. (2013). Survival or failure within the organisational life cycle. What lessons for managers? Journal of General Management, 38(4), pp. 23-38.

Adizes, I. (1996). Os ciclos de vida das organizações: como e porque as empresas crescem e morrem e o que fazer a respeito. São Paulo: Pioneira.

Anthony, R. N., & Govindarajan, V. (2006). Sistemas de controle gerencial. Tradução Adalberto Ferreira Neves. São Paulo: Atlas.

Atkinson, A. A., Banker, R. D., Kaplan, R. S., & Young, S. M. (2008). Contabilidade gerencial. Tradução A. O. M. D. C. Castro, Revisão técnica R. Fama. (2ª ed.) São Paulo: Atlas.

Baker, D. D., & Cullen, J. B. (1993). Administrative reorganization and configurational context: The contingent effects of age, size, and change in size. Academy of Management Journal, 36(6), pp. 1251-1277.

Barros, L. P. S. (2008). Estudo comparativo na área de contabilidade gerencial entre Brasil, México e Espanha.. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Programa de Pós Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Beuren, I. M., & Pereira, A. M. (2013). Análise de artigos que relacionam ciclo de vida organizacional com controles de gestão. Revista de Administração e Inovação, 10(2), pp.123-143.

Bornia, A. C., & Lunkes, R. J. (2007). Uma contribuição à melhoria do processo orçamentário. Contabilidade Vista & Revista, 18(4), pp. 37-59.

Catelli, A. (2001). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica - GECON. (2ª ed.) São Paulo: Atlas.

Cervo, A. L., & Bervian, P. A. (1996). Metodologia científica. (4ª ed.) São Paulo: Makron.

Conselho Regional de Contabilidade. (2011). Profissionais Ativos nos Conselhos Regionais de Contabilidade. Recuperado em 01 dezembro, 2011, de http://www3.cfc.org.br/spw/crcs/ConselhoRegionalAtivo.aspx.

Correia, R. B., Gomes, S. M. S., Bruni, A. L., & Albuquerque, K. S. L. S. (2011). Um estudo empírico sobre ciclo de vida e estágios organizacionais. Anais Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 11, São Paulo, SP, Brasil.

Cunha, P. R., Klann, R. C., & Lavarda, C. E. F (2013). Ciclo de vida organizacional e controle gerencial: uma análise dos artigos em periódicos internacionais de contabilidade. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 3(3), pp. 170-186.

Downs, A. (1967) The Life-Cycle of Bureaus. In Downs, A. Inside Bureaucracy, Little, Brown & Co., San Francisco, pp. 296-309.

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. L. D., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Freitas, A. A. F., Costa, F. J., & Barroso, H. C. M. P. (2002). Ciclo de vida organizacional: um estudo no setor de supermercados. Anais EnANPAD, 26, Salvador, BA, Brasil.

Frezatti, F., Relvas, T. R. S., do Nascimento, A. R., Junqueira, E. R., & Souza B. D. (2010). Perfil de planejamento e ciclo de vida organizacional nas empresas brasileiras. Revista de Administração, 45(4), pp. 383-399.

Frezatti, F. (2007). Orçamento empresarial – planejamento e controle empresarial. (5ª ed.) São Paulo: Atlas.

Frezatti, F., Guerreiro, R., Aguiar, A. B. D., & Gouvêa, M. A. (2007). Análise do relacionamento entre a contabilidade gerencial e o processo de planejamento das organizações brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 11(SPE2), pp. 33-54.

Greiner, L. E. (1972). Evolution and revolution as organizations grow. Harward Business Review, 50(4), pp. 37-46.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4ª ed.) São Paulo: Atlas.

Hair Jr, J. F., Babin, B., Money, A. & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hair Jr., J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. (6ª ed.) São Paulo: Bookman.

Katz, D., Kahn, R. L. (1978). The Social Psychology of Organization, Wiley, New York.

Kaufmann, L. (1990). Passaporte para o ano 2000: como desenvolver e explorar a capacidade empreendedora para crescer com sucesso até o ano 2000. São Paulo: McGraw-Hill.

Horngrem, C. T., Sundem, G. L., & Stratton, W. O. (2004). Contabilidade Gerencial. Traduzido para o português por E. Pereira. São Paulo: Prentice Hall.

Kimberly, J. R., & Miles, R. H. (1980). The organizational life cycle: issues in the creation, transformation, and decline of organizations. San Francisco, California: Jossey – Bass Publishers.

Kimberly, J. R. (1987). The life cycle analogy and the study of organizations: introduction. In: The organizational life cycle: issues in the creation, transformation and decline of organizations. San Francisco: Jossey-Bass.

Klann, R. C., Klann, P. A., Postai, K. R., & Ribeiro, M. J. (2012). Relação entre o ciclo de vida organizacional e o planejamento em empresas metalúrgicas do Município de Brusque-SC. Revista de Contabilidade e Organizações, 6(16), pp.119-142.

Lau, C. M. (1999). The effect of emphasis on tight budget targets and cost control on production and marketing managers' propensity to create slack. The British Accounting Review, 31(4), pp. 415-437.

Lester, D. L., Parnell, J. A., & Carraher, S. (2003). Organizational life cycle: A five-stage empirical scale. International Journal of Organizational Analysis, 11(4), pp. 339-354.

Lippitt, G. L., Schmidt, W. H. (1967). Crises in a Developing. Harvard Business Rev. Mar. PP. 102-112.

Lyden, F. J. (1975). Using Parson’s Functional Analysis in the Study of Public Organization. Admin. Sci. Quart. 20, PP. 59-70.

Lunkes, R. J. (2008). Manual de orçamento. (2ª ed.) São Paulo: Atlas.

Machado-Da-Silva, C., Vieira, M., & Dellagnelo, E. (1992). Controle organizacional: uma abordagem a partir do conceito de ciclo de vida. Anais EnANPAD, 16, Rio Grande do Sul, RS, Brasil, ANPAD, 5, pp.126-138.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2005). Técnicas de pesquisa. (6ª ed.) São Paulo: Atlas.

Mário, P. D. C. (2011). Análise discriminante. In: L. J. Corrar, E. Paulo, & J. M.Dias Filho, (Coord). Análise multivariada para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. São Paulo: Atlas, Cap 4, pp. 232-275.

Marques, A. C. F. (1994). Deterioração organizacional: Como detectar e resolver problemas de deterioração e obsolescência organizacional. São Paulo: Makron Books

Marques, L. (2011). Relação entre o Ciclo de Vida organizacional e o perfil de planejamento em empresas metal mecânicas do Alto e Médio Vale do Itajaí.. Trabalho de Conclusão de Curso em Ciências Contábeis, Universidade do Estado de Santa Catarina, Ibirama.

Mattos, M. A. (2008). Investigação das práticas de contabilidade gerencial: um estudo nas empresas prestadoras de serviços contábeis. 104 f. Dissertação (Mestrado em Contabilidade), Programa de Pós-Graduação em Contabilidade, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná.

Miller, D., & Friesen, P. H. (1984). A longitudinal study of the corporate life cycle. Management Science, 30(10), pp.1161-1183.

Moores, K., & Yuen, S. (2001). Management accounting systems and organizational configuration: a life-cycle perspective. Accounting, Organizations and Society, 26(4), pp.351-389.

Oliveira, D. P. R. D. (2010). Planejamento estratégico: conceitos, metodologia, práticas. 27ª ed. São Paulo: Altas.

Quinn, R. E., & Cameron, K. (1983). Organizational life cycles and shifting criteria of effectiveness: Some preliminar evidence. Management Science, 29(1), pp. 33-51.

Ramos, A. G. (1981). A Nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Fundação Getúlio Vargas.

Scott, B. R. (1971). IStages of Corporate Development. Part 1, Case no. 9-371-294, Intercollegiate Case Clearing House, Harvard Business School, Boston.

Stevenson, W. J., & Farias, A. A. (1981). Estatística aplicada à administração. São Paulo: Harper & Row do Brasil.

Teixeira, G. B., Voese, S. B., & Teixeira, S. A. (2014). A utilização de artefatos gerenciais por empresas de serviços contábeis em resposta à sua gestão de competências. Anais Congresso ANPCONT, 8, Rio de Janeiro-RJ, Brasil

Publicado
16-11-2014
Como Citar
Faveri, D. B. de, Cunha, P. R. da, Santos, V. dos, & Leandro, D. A. (2014). Relação do ciclo de vida organizacional com o planejamento: um estudo com empresas prestadoras de serviços contábeis do estado de Santa Catarina. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 8(4). https://doi.org/10.17524/repec.v8i4.1103
Seção
Artigos