Vantagens da Implantação das IPSAS na Contabilidade Pública Brasileira: Análise da percepção dos membros do GTCON

  • Josedilton Alves Diniz Professor da Universidade Federal da Paraíba e Auditor/TCEPB
  • Suzany Ferreira Silvestre da Silva Contadora da Universidade Federal da Paraíba
  • Leandro da Costa Santos
  • Vinícius Gomes Martins Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa Multiinstitucional e Inter-Regional de Pós-
Palavras-chave: IPSAS, GTCON, Contabilidade Pública, Percepção

Resumo

O estudo teve como objetivo avaliar a percepção dos membros do Grupo Técnico de Padronização de Procedimentos Contábeis – GTCON quanto às vantagens da implantação das normas internacionais de contabilidade aplicadas ao setor público no Brasil. Para isso, fez-se uso de questionário elaborado sob cinco abordagens teóricas. O universo da pesquisa correspondeu aos participantes do GTCON. A amostra resultou de 108 respondentes, totalizando 27% da população. Testou-se a confiabilidade do instrumento por meio de modelo definido por Cronbach (1951). Como cada dimensão teórica abordada é composta por múltiplas variáveis, realizou-se a redução da dimensionalidade destas por meio da Análise dos Componentes Principais – ACP. Fez-se ainda uso de regressão linear múltipla, a partir dos componentes principais de cada construto teórico. A percepção das normas, a interpretação das normas, o custo-benefício da implantação e a responsabilidade educativa foram submetidas à análise como variáveis independentes, as vantagens da implementação das IPSAS foram submetidas como a variável dependente. Os principais resultados evidenciaram que os atores da pesquisa concordaram que a implantação das IPSAS é alvo capaz de ser alcançado. Quanto à análise custo-benefício da implantação, na visão do GTCON, a aplicação das IPSAS trará resultados superiores aos investimentos despendidos. Observou-se também que entrevistados não concordaram que o treinamento e a aplicação das IPSAS deva ser assegurado através de esforços pessoais, mas sim pelo governo, ou seja, quanto mais o setor público se responsabilizar pela capacitação das normas, maiores serão as vantagens obtidas. Finalmente, o componente interpretação das normas, na visão do GTCON, não está ainda bem definido como e quem efetivamente vai ser responsável pela interpretação: os órgãos internacionais ou as instituições locais envolvidas no processo.

Biografia do Autor

Josedilton Alves Diniz, Professor da Universidade Federal da Paraíba e Auditor/TCEPB
Doutor em Controladoria e Contabilidade pela USP
Suzany Ferreira Silvestre da Silva, Contadora da Universidade Federal da Paraíba
Bacharel em Ciências Contábeis pela UFPB
Leandro da Costa Santos
Graduando em Ciências Contábeis pela UFPB
Vinícius Gomes Martins, Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa Multiinstitucional e Inter-Regional de Pós-
Graduação em Ciências Contábeis - UnB/UFPB/UFRN

Referências

Agostino, M., Drago, D., & Silipo, D. B. (2011). The value relevance of IFRS in the European banking industry. Review of quantitative finance and accounting, 36(3), pp. 437-457. DOI: 10.1007/s11156-010-0184-1

Alexander, D., & Jermakowicz, E. (2006). A true and fair view of the principles/rules debate. Abacus, 42(2), pp. 132-164. DOI: 10.1111/j.1467-6281.2006.00195.x

Antipova, T., & Bourmistrov, A. (2013). Is Russian public sector accounting in the process of modernization? An analysis of accounting reforms in Russia. Financial Accountability & Management, 29(4), pp. 442-478. DOI: 10.1111/faam.12021

Benito, B., Brusca, I., & Montesinos, V. (2007). The harmonization of government financial information systems: the role of the IPSASs. International Review of Administrative Sciences, 73(2), pp. 293-317. DOI: 10.1177/0020852307078424

Beuren, I. M. (Org.). (2012) Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Bozkurt, O., Islamoğlu, M., & Öz, Y. (2013). Perceptions of professionals interested in accounting and auditing about acceptance and adaptation of global financial reporting standards. Journal of Economics, Finance & Administrative Science, 18(34).

Brasil. Portaria da Secretaria do Tesouro Nacional n° 109 (2011, fevereiro 21).

Brasil. Portaria da Secretaria do Tesouro Nacional n° 510 (2014, agosto 28).

Brasil. Lei Complementar nº 101 (2000, maio 04).

Brasil. Portaria do Conselho Federal de Contabilidade nº 37 (2004, março 11).

Brusca, I., & Condor, V. (2002). Towards the harmonisation of local accounting systems in the international context. Financial Accountability & Management, 18(2), pp. 129-162. DOI: 10.1111/1468-0408.00148

Chan, J. L. (2008). International public sector accounting standards: conceptual and institutional issues. The Harmonization of Government, 21, pp. 1-15.

Christiaens, J., Reyniers, B., & Rollé, C. (2010). Impact of IPSAS on reforming governmental financial information systems: a comparative study. International Review of Administrative Sciences, 76(3), pp. 537-554. DOI: 10.1177/0020852310372449

Cronbach, L. J. (1951). Coefficient alpha and the internal structure of tests. psychometrika, 16(3), pp. 297-334. DOI:10.1007/BF02310555

Fragoso, A. R., Macêdo, J. M. A., de Gusmão Lopes, J. E., Ribeiro Filho, J. F., & Pederneiras, M. M. M. (2012). Normas Brasileiras e Internacionais de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público e o Desafio da Convergência: uma Análise Comparativa–IPSAS e NBCTSP. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 6(4), pp. 434-447. DOI: http://dx.doi.org/10.17524/repec.v6i4.260

Guthrie, J. (Ed.). (2005). International public financial management reform: progress, contradictions, and challenges. IAP.

Haller, A., & keppler, J. (2002). Financial accounting developments in the European Union: past events and future prospects. The European Accounting Review,1(11), pp. 153-190. DOI: abs/10.1080/09638180220124770

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M. F. (1999). Teoria da contabilidade; tradução de Antonio Zoratto Sanvicente. São Paulo: Atlas.

Joshi, P. L., Bremser, W. G., & Al-Ajmi, J. (2008). Perceptions of accounting professionals in the adoption and implementation of a single set of global accounting standards: Evidence from Bahrain. Advances in Accounting,24(1), pp. 41-48. DOI:10.1016/j.adiac.2008.05.007

Kohama, H. (2009). Contabilidade pública: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Lattin, J., Carroll, J. D., & Green, P. E. (2011). Análise de dados multivariados. São Paulo: Cengage Learning.

Lemes, S., & Carvalho, L. N. (2010). Contabilidade internacional para graduação. São Paulo: Atlas.

Leontitsis, A., & Pagge, J. (2007). A simulation approach on Cronbach's alpha statistical significance. Mathematics and Computers in Simulation,73(5), pp. 336-340. DOI:10.1016/j.matcom.2006.08.001

Mapurunga, P. V. R.; Meneses, F. de; Peter, M. da G. A. (2011) O Processo de Convergência das Normas Internacionais de Contabilidade: Uma Realidade nos Setores Privado e Público Brasileiros. Revista Controle, 1(11).

Martins, E., Martins, V. A., & Martins, E. A. (2007). Normatização contábil: ensaio sobre sua evolução e o papel do CPC. Revista de Informação Contábil, 1(1), pp. 7-30.

Niyama, J. K. (2005). Contabilidade internacional. São Paulo: Atlas.

Olson, O., Guthrie, J., & Humphrey, C. (1998). Global warning: Debating international developments in new public financial management. Cappelen Akademisk Folag.

Oulasvirta, L. (2013). The reluctance of a developed country to choose International Public Sector Accounting Standards of the IFAC. A critical case study. Critical Perspectives on Accounting, 25(3), pp. 272-285. DOI:10.1016/J.CPA.2012.12.001

Padoveze, C. L. (2000). Sistemas de informações contábeis: fundamentos e análise. São Paulo: Atlas.

Padrones, K. G. de S. A., Colares, A. C. V., & Santos, W. J. L. dos. (2014, novembro). Análise do grau de implantação das IPSAS nas entidades públicas brasileiras e suas principais limitações no processo. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Natal, RN, Brasil, 21

Paludo, A. (2012). Administração pública: teoria e questões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Pina, V., & Torres, L. (2003). Reshaping public sector accounting: an international comparative view. Canadian Journal of Administrative Sciences/Revue Canadienne des Sciences de l'Administration, 20(4), pp. 334-350.

PWC. (2013) PricewaterhouseCoopers. Towards a new era in government accounting and reporting.

Rosa, L. S. C. L. M. (2014) Da interpretação e da norma penal. Conteúdo Jurídico, Brasília, DF, Brasil.

Toudas, K., Poutos, E., & Balios, D. (2013). Concept, Regulations and Institutional Issues of IPSAS: a critical review. European Journal of Business and Social Sciences, 2(1), pp. 43-54.

Varandas, R. N. (2013). A presença das IPSAS na construção das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicada ao Setor Público: uma abordagem infométrica. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Wooldridge, J. M. (2010). Econometric analysis of cross section and panel data. MIT press.

Publicado
30-09-2015
Como Citar
Diniz, J. A., Silvestre da Silva, S. F., Santos, L. da C., & Martins, V. G. (2015). Vantagens da Implantação das IPSAS na Contabilidade Pública Brasileira: Análise da percepção dos membros do GTCON. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 9(3). https://doi.org/10.17524/repec.v9i3.1226
Seção
Artigos