A influência das avaliações de fornecedores na rescisão de contratos de serviços de exploração e produção de petróleo e gás no Brasil

  • Cleison Antonio Pinto Administrador Pleno na Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras
  • Danilo Soares Monte-Mor Professor na Fucape Business School
  • Jedson Pereira Pinto PhD Student University of North Carolina at Chapel Hill
Palavras-chave: Avaliação de Desempenho de Fornecedores, Rescisão de Contratos de Serviços, Exploração e Produção de Petróleo e Gás

Resumo

A literatura de avaliação de desempenho de fornecedores aponta que a prévia identificação de contratos considerados insatisfatórios pode se revelar crucial para a manutenção de uma empresa, especialmente em setores com alto risco operacional, ambiental e com investimentos significativos, como é o caso do setor de exploração de petróleo e gás. Embora considerada importante, a rescisão contratual tem sido pouco estudada no segmento de petróleo brasileiro, em decorrência do baixo número de firmas que atuam no setor e da restrição de acessos às informações dessas empresas. O presente artigo tem como objetivo diminuir essa lacuna ao analisar quais critérios de avaliação de serviços mais influenciam as rescisões contratuais no setor brasileiro de exploração e produção de petróleo e gás. Para tanto, foram analisadas, via regressões logit, as avaliações dos contratos de serviços encerrados no período de 1/1/2006 a 31/12/2014 por uma unidade de negócio que atua na exploração e produção de petróleo e gás localizada no Brasil. No banco de dados resultante, constaram-se 273 contratos que contemplam todas as especialidades de serviços da atividade, com um total de 19.613 avaliações. Os resultados indicam que os critérios Prazo e Logística são os que apresentam maior influência nas rescisões contratuais das atividades do setor. Além disso, ao segregar-se as análises por especialidades, verificou-se que diferentes especialidades possuem demandas distintas e, por conseguinte, diferentes modelos contratuais. Tais resultados corroboram empiricamente as discussões teóricas presentes na literatura acerca da importância do cumprimento das obrigações contratuais, especialmente com relação aos prazos negociados.

Biografia do Autor

Cleison Antonio Pinto, Administrador Pleno na Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras
Mestre em Administração pela Fucape Business School
Danilo Soares Monte-Mor, Professor na Fucape Business School
Doutor em Administração e Ciências Contábeis pela FUCAPE Business School
Jedson Pereira Pinto, PhD Student University of North Carolina at Chapel Hill
Mestre em Ciências Contábeis pela FUCAPE Business School

Referências

Atkinson, R. (1999). Project management: cost, time and quality, two best guesses and a phenomenon, its time to accept other success criteria. International Journal of Project Management, 17(6), pp. 337-342. doi: 10.1016/S0263-7863(98)00069-6

Azevedo, P. F. (2000). Nova Economia Institucional: referencial geral e aplicações para a agricultura – Agricultura em São Paulo. São Paulo: IEA, v. 47, n. 1, pp. 33-52.

Baily, P. J. H., Farmer, D., Jones, D. & Jessop, D. (2000). Compras: princípios e administração (8ª ed.). São Paulo: Atlas.

Barney, J. B. (1991). Firm resource and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), pp. 99-120. doi: 10.1177/014920639101700108

Basel Committee on Banking Supervision. International Convergence of Capital Measurement and Capital Standards. (2005). Bank for International Settlements. November. p. 140. Recuperado em 27 junho, 2015, de http://www.bis.org/publ/bcbs118.pdf.

Benetti, K., Girardi D., Rodriguez C. & Cortes A. (2008). Modelo de avaliação de desempenho logístico de um centro de distribuição do setor supermercadista. Anais do Seminário de Administração – Empreendedorismo em Organizações, São Paulo-SP, Brasil, 11.

Bowersox, D., Closs, D. (2001). Logística empresarial. São Paulo: Atlas.

Brasil. (1998a). Decreto nº 2.455, de 24 de Janeiro de 1998. Implanta a Agência Nacional do Petróleo - ANP, autarquia sob regime especial, aprova sua Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e Funções de Confiança e dá outras providências. Recuperado em 05 março, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D2455.htm.

Brasil. (1998b). Decreto nº 2.745, de 24 de Agosto de 1998. Aprova o Regulamento do Procedimento Licitatório Simplificado da Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRÁS previsto no art. 67 da Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Recuperado em 05 março, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D2745.htm.

Chopra, S. Meindl, P. (2013). Supply Chain Management: strategy, planning, and operation (5ª ed). U.S.A.: Pearson Prentice Hall, 528.

Chow, G., Heaver, T. D. & Henriksson, L. E. (1994). Logistics performance: definition and measurement. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, Bradford, 24(1), pp. 17-28. doi: 10.1108/09600039410055981

Coase, R. H. (1937). The nature of the firm. Economica, 4(16), pp. 386-405. doi: 10.1111/j.1468-0335.1937.tb00002.x

Coriolano, A., Reis, E. & Delgado, R. (2013). A indústria do petróleo e os modelos de contrato para exploração e produção no Brasil. Revista Eletrônica de Petróleo e Gás, 2(1).

De Wit, A. (1988). Measurement of Project Success. Journal of Project Management, 6(3). doi : 10.1016/0263-7863(88)90043-9

Di Pietro, M. H. (2008). Direito administrativo (21ª ed.). São Paulo: Atlas.

Eriksson, E. (2008). Procurement effects on coopetition in client-contractor relationships. Journal of Construction Engineering and Management, 134(2), pp. 103-111. doi: 10.1061/(ASCE)0733-9364(2008)134:2(103)

Fine, C. H. (2000). Clockspeed‐based strategies for supply chain design1. Production and Operations Management, 9(3), pp. 213-221.

Gasparini, D. (2007). Direito administrativo (12ª ed.). São Paulo: Saraiva.

Gomes, A. C. (2014). Influência dos custos de transação na contratação através da relação de parceria: caso de fornecimento de serviços em uma empresa de construção civil. Dissertação de mestrado, FUCAPE, Vitória, ES, Brasil.

Greenwood, D, J. & Yates, D. J. (2006) The determinants successful partnering: a transaction cost perspective. Journal of Construction Procurement, 12(1), pp. 4-22.

Hart, O. (1999). Foundations of incomplete contracts. Review of economic studies, 66(1), pp. 115-138. doi: 10.1.1.190.2074

Hart, O. & Moore, J. (1990). Property rights and the nature of the firms. Journal of Political Economy, 98(6), pp. 1119-1158. doi:10.1086/261729

Jensen, M. & Meckling, W. (1976). Theory of the Firm: Managerial Behavior, Agency Costs and Ownership Structure. Journal of Financial Economics, 3(4), pp. 305-360. http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.94043

Kaiser, M. & Pulsipher, A. (2004). Fiscal system analysis: Concessionary and contractual systems used in offshore petroleum arrangements. U.S. Department of the Interior, Minerals Management Service, Gulf of Mexico OCS Region, New Orleans, La. OCS Study MMS 2004-016. 78 pp.

Klein, B. (1992). Contracts and incentives: The role of contract terms in assuring performance in contract economics. Oxford.

Kumar, C. & Wolf, C. (1992). Assessing Project Quality. Transactions of the American Associations of Cost Engineers, 2.

Lacity, M. C.; Hirschheim, R. (1993). Information System Outsourcing: myths, metaphors and realities. New Jersey: Prentice-Hall.

Lacombe, B. & Albuquerque, L. G. (2008). Avaliação e Mensuração de resultados em gestão de pessoas: um estudo com as maiores empresas instaladas no Brasil. Revista de Administração, 43(1), pp. 5-16. doi: 10.1590/S0080-21072008000100001

Mcivor, R. (2005). The outsourcing process: strategies for evaluation and management (1ª ed). Cambridge: Cambridge University Press, 338 p.

Nepomuceno, F., Suslick, S. B. (2000). Alocação de recursos financeiros em projetos de risco na exploração de petróleo. Revista de Administração de Empresas, 40(1), pp. 63-75. doi: 10.1590/S0034-75902000000100008

Pereira, C. M. da S. (2003). Instituições de direito civil (1ª Edição Eletrônica). Rio de Janeiro.

PETROBRAS. Plano de Negócios e Gestão 2014-2018. Recuperado em 31 agosto, 2014, de http://www.petrobras.com.br/pt/quem-somos/estrategia/plano-de-negocios-e-gestao/.

Shenhar, A. J., Dvir, D., Levy, O., & Maltz, A. C. (2001). Project Success: A Multidimensional Strategic Concept. Long Range Planning, 34: pp. 699-725. doi: 10.1016/S0024-6301(01)00097-8

Slack, N., Chambers, S. & Johnston, R. (2002). Administração da produção (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Stueland, V. J. (2004). Supplier evaluation: best practices and creating or improving your own evaluation. ISM's 89th Annual International Supply Management Conference Proceedings.

Suslick, S. B. (2002). Conhecer as incertezas: O desafio da indústria do petróleo. São Paulo. Recuperado em 07 setembro, 2014, de http://www.comciencia.br/reportagens/petroleo/pet20.shtml.

Tirole, J. (2007). Bounded Rationality and Incomplete Contract. University of Toulouse, Working Paper.

Van De Ven, A. H. (1976). On the nature, formation and maintenance of relations among organizations. The Academy of Management Review, 1(4), pp. 24-36. doi: 10.2307/257722

Willcoks, L. & Feeny, D. (1998). Core IS Capabilities for Exploiting Information Technology. Sloan Management Review, 39(3), pp. 9-21.

Williamson, O. E. (1985). The Economic Institutions of Capitalism: Firms, Markets, Relational Contracting. New York: Free Press. http://dx.doi.org/10.1007/978-3-8349-9320-5_6

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos (2ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Publicado
31-03-2016
Como Citar
Pinto, C., Monte-Mor, D., & Pinto, J. (2016). A influência das avaliações de fornecedores na rescisão de contratos de serviços de exploração e produção de petróleo e gás no Brasil. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 10(1). https://doi.org/10.17524/repec.v10i1.1336
Seção
Artigos