Estilos de Aprendizagem e Desempenho de Estagiários em Contabilidade

  • Lucas Merotti Barbosa Unicesumar, Universidade Estadual de Maringá
  • Kelly Cristina Mucio Marques
Palavras-chave: estágios, estilos de aprendizado, teoria da aprendizagem experiencial, contabilidade

Resumo

Objetivo: O objetivo deste estudo foi descobrir os impactos de estilos de aprendizado no desempenho de estudantes que fizeram estágios obrigatórios e não obrigatórios em Contabilidade.

Método: Os estilos de aprendizagem de 247 alunos foram medidos usando o Inventário de Estilo de Aprendizagem de Kolb, enquanto os alunos auto-avaliaram seu desempenho.

Resultados: Com o uso das estatísticas de qui-quadrado e escore médio, os resultados indicam que o desempenho não difere entre os tipos de estágio e que o estilo de aprendizagem dos alunos não afeta o desempenho do estágio.

Contribuições: Estes resultados são contrários às expectativas e indicam que os alunos que se encaixam em qualquer estilo de aprendizagem podem usar com sucesso o componente curricular de estágio supervisionado. Ao contrário de outras disciplinas em que os estilos de aprendizagem e sua relação com o desempenho foram investigados, o estágio tem suas próprias características que parecem não exercer influência sobre como os alunos aprendem, considerando os estilos de aprendizagem de Kolb. Verificou-se que os estágios são um  valioso método de emprego para os estudantes de contabilidade.

Referências

Cardoso, J. L., Souza, M. D. & Almeida, L. B. (2006). Perfil do contador na atualidade: um estudo exploratório. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 3(3), pp.275-284.

Conselho Federal de Contabilidade (2016). Mulheres já representam 42% dos profissionais da contabilidade. Retrieved March 3rd, 2017, from

<http://cfc.org.br/noticias/participacao-das-mulheres-avanca-na-contabilidade/>

DiMuro, P. & Terry, M. (2007). A matter of style: Applying Kolb's learning style model to college mathematics teaching practices. Journal of College Reading and Learning, 38(1), pp. 53-60.

Geiger, Marshall A. (1992). Learning Styles of Introductory Accounting Students: An Extension to Course Performance and Satisfaction. The Accounting Educators' Journal. 4(1), pp. 22-39.

Gibson, D. C. (2001). Communication faculty internships. Public Relations Review, 27(1), pp. 103-117.

Goodman, L. (1982). Internship programs: what CPA firms should know. Journal of Accountancy, 154(4), pp.112–114.

Grumet, L. (2001). Bridging the education gap. The CPA Journal, 71(8), p.9.

English, D. M., & Koeppen, D. R. (1993). The relationship of accounting internships and subsequent academic performance. Issues in Accounting Education, 8(2), pp.292-299.

Felder, R. M. (1996). Matters of style. ASEE Prism, 6(4), pp.18-23.

Fundação Brasileira de Contabilidade. (2009). Proposta nacional de conteúdo para o curso de graduação em ciências contábeis, 2. ed. ver. e atual, Brasília

Hanson, J. (1984). Internships and the individual: Suggestions for implementing (or improving) an internship program. Communication education, 33(1), pp. 53-61.

Hauck, A. J., Allen, S. Y. & Rondinelli, F. (2000). Impact of structured internship programmes on students’ performance in construction management curricula. Journal of Construction Education, 5(3), pp. 272-287

Herron, T. L. & Morozzo, M. M. (2008). The Value of Faculty Internships in Auditing. Current Issues in Auditing, 2(2), pp. A1-A9.

Jones, G. & A. Abraham. (2007). Education Implications of the Changing Role of Accountants: Perceptions of Practitioners, Academics and Students. University of Wollongong, Research Online, Faculty of Commerce – Papers (Archive).

Kavanagh, M. H. & L. Drennan. (2008). What Skills and Attributes Does an Accounting Graduate Need? Evidence From Student Perceptions and Employer Expectations. Accounting & Finance, 2(48), pp. 279-300.

Kolb, D.A. (1984). Experiential Learning: Experience as the Source of Learning and Development. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall.

Kolb, D. A. (1993). Learning-style inventory: Self-scoring inventory and interpretation booklet: Revised scoring. TRG, Hay/McBer.

Kolb, A. & Kolb, D. (2005a). Learning styles and learning spaces: enhancing experiential learning in higher education. Acad. Manag. Learn. Educ, 4(2), pp. 193–212.

Kolb, A. & Kolb, D. A. (2005b). The Kolb Learning Style Inventory – version 3.1 2005 Technical Specifications.

Kolb, A. & Kolb, D. A. (2008). Experiential learning theory: A dynamic, holistic approach to management learning. Education and Development Department of Organizational Behavior. Case. Western Reserve University Working Paper.

Kothari, C. R. (2004). Research methodology: Methods and techniques. New Age International.

Leite Filho, G. A., Batista, I. V. C., Paulo Junior, J., Siqueira, R. L. (2008). Estilos de aprendizagem x desempenho acadêmico - uma aplicação do teste de Kolb em acadêmicos no curso de Ciências Contábeis. Anais do Congresso Usp de Iniciação Científica em Contabilidade. São Paulo, SP, Brasil, 5

Machado, V. S. A. & Nova, S. F. C. C.. (2008). Análise comparativa entre os conhecimentos desenvolvidos no curso de graduação em contabilidade e o perfil do contador exigido pelo mercado de trabalho: uma pesquisa de campo sobre educação contábil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 2(1), 1-23.

Maelah, R., Muhammaddun Mohamed, Z., Ramli, R. & Aman, A. (2014). Internship for accounting undergraduates: comparative insights from stakeholders. Education + Training, 56(6), pp.482 – 502.

Manolis, C., Burns, D. J., Assudani, R. & Chinta, R. (2013). Assessing experiential learning styles: A methodological reconstruction and validation of the Kolb Learning Style Inventory. Learning and Individual Differences, 23, pp. 44-52.

Marin, T. I. S, Lima, S. J. de & Nova, S. P. de C. C. (2014). Formação do contador - o que o mercado quer, é o que ele tem? Um estudo sobre o perfil profissional dos alunos de ciências contábeis. Revista Contabilidade Vista & Revista, 25(2), pp. 59-83.

Martins, G. D. A. (1997). Abordagens metodológicas em pesquisas na área de administração. Revista de Administração, 32(3), pp. 5-12.

Maslen, G. (1996). Australians share sandwich with Europe. Times Higher Education Supplement, 26(3).

McCarthy, M. (2010). Experiential learning theory: From theory to practice. Journal of Business & Economics Research, 8(5), pp.131–139.

McKee, T.E., Mock, T. J. & Ruud, T. F. (1992). A comparison of Norwegian and United States accounting students’ learning style preferences. Accounting Education, 1(4), pp. 321-341.

Mihail, Dimitrios M. (2006). Internships at Greek universities: an exploratory study. Journal of Workplace Learning, 18(1), pp. 28 – 41.

Nevett, T., (1985). Work experience. The essential ingredient in British programs. Journal of Marketing Education, 7(1), pp. 13–18.

Nogueira, D. R. & Espejo, M. M. D. S. B. (2010). O impacto do estilo de aprendizagem no desempenho acadêmico: um estudo empírico com alunos das disciplinas de contabilidade geral e gerencial na educação à distância. Anais do Congresso Anpcont, Natal (RN), 4.

O’Leary, C. & Stewart, J. (2013). The interaction of learning styles and teaching methodologies in accounting ethical instruction. Journal of business ethics, 113(2), pp. 225-241.

Oliveira, L. M. T. & Arruda, J. A. (2004). O perfil do profissional contábil de Unaí-MG. Revista de Administração e Contabilidade, Faculdade de Unaí/MG. (2), pp. 43-47.

Pasewark, W. R., Stawser, J.R. & Wilerson, J.E.. (1989). An Empirical Examination of the Effect of Previous Internship Experience On Interviewing Success. Journal of Accounting Education, 7(1), pp. 25-39.

Reis, L. G. dos, Paton, C. & Nogueira, D. R. (2012). Estilos de aprendizagem: uma análise dos alunos do curso de ciências contábeis pelo método Kolb. Revista Enfoque: Reflexão Contábil, 31(1), pp. 53-66.

Santos, D. F. dos, Sobral, F. de S., Correa, M. D., Antonovz, T. & Santos, R. F. dos. (2011), Perfil do profissional contábil: estudo comparativo entre as exigências do mercado de trabalho e a formação oferecida pelas instituições de ensino superior de Curitiba. Revista Contemporânea de Contabilidade, 8(16), pp. 137-152.

Siegel, G. & Sorensen, J. (1994). What Corporate America Wants in Entry Level Accountants? Institute of Management Accountants, Montvale, N.J.

Siegel, G. & Sorensen, J. (1999). Counting more, counting less: transformation in the management accounting profession. Retrieved on the 8th of October, 2015 from: .

Stokes, M. E., Davis, C. S. & Koch., G. G. (2000). Categorical Data Analysis using the SAS System. Second edition cary. [S.l.]: NC: SAS Institute Inc.

Stout, D.E. & Ruble, T.L. (1991). A reexamination of accounting student learning styles. Journal of Accounting Education, 9(2), pp. 341‐54l.

Sutherland, T. & Wolcott, S. (2002). Exploring the implications of student characteristics. American Accounting Association CPE Workshop.

Thiel, G.R. & Hartley, N.T., (1997). Cooperative education: a natural synergy between business and academia. S.A.M. Advanced Management Journal, 62(3), pp. 19–24.

Torres, F. B. da S., Silva, A. P. F. da & Falk, J. A. (2011). Competências Profissionais Demandadas aos Contadores: adequação das atividades desenvolvidas através do estágio. ConTexto, 11(20), pp. 31-44.

Valente, N. T. Z., Abib, D. B. & Kusnik, L. F. (2007). Análise dos Estilos de Aprendizagem dos Alunos e Professores do Curso de Graduação em Ciências Contábeis de uma Universidade Pública do Estado do Paraná com a Aplicação do Inventário de David Kolb. Contabilidade Vista & Revista, 18(1), pp. 51-74.

Publicado
06-12-2018
Como Citar
Barbosa, L. M., & Marques, K. C. M. (2018). Estilos de Aprendizagem e Desempenho de Estagiários em Contabilidade. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 12(4). https://doi.org/10.17524/repec.v12i4.1854
Seção
Artigos