FATORES CONTINGENCIAIS EXTERNOS E A MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO: UM ESTUDO EM ONGS BRASILEIRAS

  • Alan Santos de Oliveira Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Antônio André Cunha Callado Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE
Palavras-chave: Fatores contingenciais externos, Mensuração de desempenho, Organizações Não Governamentais

Resumo

Objetivo: Analisar as relações entre os fatores contingenciais externos e as práticas gerenciais associadas à mensuração de desempenho no âmbito de Organizações Não Governamentais brasileiras. Método: Foi utilizado uma survey por correspondência com 43 organizações listadas na Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais. As variáveis utilizadas para operacionalizar o estudo, foram subdividas em dois blocos. O primeiro bloco, foi destinado ao fator contingencial Ambiente externo, por meio das variáveis intensidade da concorrência, dinamismo ambiental e incerteza ambiental. O segundo bloco, foi destinando as práticas gerenciais de mensuração de desempenho, por meio das variáveis planejamento de desempenho; indicadores de desempenho; objetivos de desempenho; instrumentos de coleta de dados e recompensas e sanções. Como técnica estatística para análise de resultados, foi utilizado o coeficiente de correlação de Spearman, considerando significantes os testes com níveis de 99% (p= 0,01). Resultados: Os resultados indicaram que os fatores contingenciais externos não influenciaram a maioria das práticas gerenciais de mensuração de desempenho, revelando indícios da ausência de influência nas ações dos gestores e na configuração organizacional das organizações não governamentais brasileiras. Contribuições: Investigação empírica do ambiente externo das organizações não governamentais e sua relação com as práticas de mensuração de desempenho utilizadas por gestores, não se baseando apenas em aspectos ideológicos. Dessa forma, o artigo contribuiu para literatura e prática profissional, com a compreensão das possíveis adaptações gerenciais às circunstâncias contingenciais de organizações do Terceiro Setor.

Biografia do Autor

Alan Santos de Oliveira, Universidade Federal do Ceará (UFC)
Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (PPGCC) da UFPB. Graduado em Ciências Contábeis e Especialista em Controladoria e Auditoria pelo Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ. Atualmente, é Professor Assistente da Universidade Federal do Ceará (UFC). Foi Professor Assistente, Membro do Núcleo Docente Estruturante do Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ) e membro do Colegiado de Curso do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira . Tem experiência em pesquisas na área de contabilidade, com ênfase em Contabilidade para usuários internos.
Antônio André Cunha Callado, Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE
Professor Titular do DADM/UFRPE. Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade de Fortaleza (1990), Mestre em Administração na área de Finanças de Empresas pelo Curso de Mestrado em Administração da Universidade Federal da Paraíba (1994 - Bolsista CNPq), Doutor em Administração na área de Estratégias Empresariais (linha de pesquisa em Finanças) pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal da Paraíba (2001) e Doutor em Administração na área de Gestão Organizacional (linha de pesquisa em Finanças) pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Pernambuco (2009). Pós-Doutorado em Controladoria pela University of Portsmouth (2013 - Bolsista CAPES). Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Controladoria da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Membro do Corpo Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal da Paraíba. Atua em atividades de cooperação acadêmica internacional junto à Portsmouth Business School (University of Portsmouth). Atua como membro do Comitê Externo de Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidad Nacional del Sur (Argentina). Diretor Científico da Associação Brasileira de Custos (2017-2018). Coordenador da Área de Controladoria e Contabilidade Gerencial da ANPCONT (2016-2017). Coordenador de diversas pesquisas financiadas pelo CNPq. Editor Responsável pelo Periódico Eletrônico Custos e @gronegócio on line (ISSN 1808-2882) referenciado na lista QUALIS das áreas de Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo, Desenvolvimento Urbano e Regional (Demografia), Agrárias I, Economia, Engenharias I, Engenharias III, Interdisciplinar, Zootecnia/Recursos Pesqueiros. Pró-Reitor de Planejamento da Universidade Federal Rural de Pernambuco (2000-2004). Líder do Grupo de Pesquisa em Administração da UFRPE cadastrado na Plataforma Lattes do CNPq desde 2004. Desenvolve atividades de ensino e pesquisa sobre Gestão de Custos, Mensuração de Desempenho e Finanças. Avaliador Ad Hoc de diversos periódicos nacionais e internacionais. Avaliador de trabalhos submetidos para diversos eventos acadêmicos.

Referências

Ahmed, Z. A. (2014). Management control issues in Non-Governmental Organisations (NGOs): an evaluation of contingency factors and potential for future research. Int. J. Managerial and Financial Accounting, 6(3), 251-271. doi: https://doi.org/10.1504/IJMFA.2014.065241

Al-Ammary, J.; & Hamad, S. (2012). Information technology for enhancing NGOs’ performance in the kingdom of BAHRAIN. International Journal of Electronic Commerce Studies, 3(1), 111-120.

Associação Brasileira de Organizações não Governamentais – ABONG (2016). Recuperado em 31, maio, 2016 de http://www.abong.org.br/

Ayene, M., Kumar, R., & Asefa, W. F. (2014). Assessment of Financial Management Practices in Local NGOs-A Case of Local NGOs in Addis Ababa. IFSMRC AIJRM, 2(3), 1-31.

Banks, R. L.; & Wheelwright, S. C. (1979). Operations versus strategy ± trading tomorrow for today. Harvard Business Review,112-20.

Beamon, M. B.; & Balcik, B. (2008). Performance measurement in humanitarian relief chains. International Journal of Public Sector Management, 21(1), 4-25. doi: https://doi.org/10.1108/09513550810846087

Beuren, I. M.; & Fiorentin, M. (2014). Influência de Fatores Contingenciais nos Atributos do Sistema de Contabilidade Gerencial: um estudo em empresas têxteis do Estado do Rio Grande do Sul. Revista de Ciências da Administração, 16(138), 196-212. doi: https://doi.org/10.5007/2175-8077.2014v16n38p195

Bourne, M., Mills, J., Wilcox, M., Neely, A., & Platts, K. (2000). Designing, implementing and updating performance measurement System. International Journal of Operations & Production Management, 20(7), 754-771. doi: https://doi.org/10.1108/01443570010330739

Bourne, M. C., Kennerley, M., & Franco-Santos, M. (2005). Managing through measures: a study impact on performance. Journal of Manufacturing Technology Management, 16(4), 373-395. doi: https://doi.org/10.1108/17410380510594480

Brasil. (2014). Lei Federal Nº 9.790, de 23 de março de 1999. Dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, institui e disciplina o Termo de Parceria e dá outras providências.

Brasil. (2014). Lei Federal nº 13.019/2014. Estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros, entre a administração pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público, 2014.

Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, 28(2–3), 127–168. doi: https://doi.org/10.1016/S0361-3682(01)00027-7

Ciucescu, N.; & Feraru, A. (2014). The performance of Non-Governmental Organizations. Studies and Scientific Researches, (20), 116-121. doi: http://dx.doi.org/10.29358/sceco.v0i20.284

Cruz, J. A. W., Stadler, H., Martins, T. S., & Rocha, D. T. (2009). Avaliação de desempenho no terceiro setor: uma abordagem teórica de strategic accounts. Revista Brasileira de Estratégia, 2(1), 11-26. doi: http://dx.doi.org/10.7213/rebrae.v2i1.13412

Ferreira, A.; & Otley, D. (2010). Design and use of management control systems: An analysis of the interaction between design misfit and intensity of use”, Working Paper. MCA.

Ferreira, A.; & Otley, D. (2009). The design and use of performance management systems: An extended framework for analysis, Management Accounting Research, 20(4), 263-282. doi: https://doi.org/10.1016/j.mar.2009.07.003

Flapper, D. S., Fortuin, L., & Stoop, P. (1996). Towards consistent performance management Systems. International Journal of Operations & Production Management, 16(7), 27-37. doi: https://doi.org/10.1108/01443579610119144

Guerra, A. R. (2007). Arranjos entre fatores situacionais e sistema de contabilidade gerencial sob a ótica da teoria da contingência. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-24052007-085106/pt-br.php

Hoque, Z. (2004). A contingency model of the association between strategy, environmental uncertainty and performance measurement: Impact on organizational performance. International Business Review, 13(4), 485–502. doi: 10.1016/j.ibusrev.2004.04.003

Johnson, H. T.; & Kaplan, R. S. (1987). Relevance Lost: The Rise and Fall of Management

Accounting. Harvard Business School Press.

Junqueira, E. R. (2010). Perfil do sistema de controle gerencial sob a perspectiva da teoria da contingência. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-10052010-143511/pt-br.php

Kanter, R. M.; & Summers, V. D. (1987). Doing well while doing good: Dilemmas of performance measurement in non-profit organizations and the need for a multiple constituency approach, 1987. In W. W. Powell, (Ed.) The nonprofit sector: A research handbook (pp.154-166). New Haven: Yale University Press.

Kaplan, R. S. (2001). Strategic performance measurement and management in nonprofit organizations. Nonprofit Management and Leadership, 11(3), 353-701. doi: https://doi.org/10.1002/nml.11308

Kareithi, R. N. M.; & Lund, C. (2012). Review of NGO performance research published in academic journals between 1996 and 2008. South African Journal of Science, 108(11/12), 1-8. doi: http://dx.doi.org/10.4102/sajs.v108i11/12.755

Klein, L.; & Almeida, L. B. (2017). A Influência dos Fatores Contingenciais na Adoção de Práticas de Contabilidade Gerencial Nas Indústrias Paranaenses. Revista Universo Contábil, 13(3), 90-119. doi:10.4270/RUC.2017320

Lavarda, C. E. F., Gorla, M. C., Lavarda, R. A., & Angonese, R. (2016). Influência dos Fatores Contingenciais no Desenvolvimento do Sistema Orçamentário em uma Empresa Brasileira de Manufatura Têxtil. Revista Gestão Org., 14(1), 115-124. doi: http://dx.doi.org/10.21714/1679-18272016v14n1.p115-124

Leite, E. G., Diehl, C. A., & Manvailer, R. H. M. (2015). Práticas de controladoria, desempenho e fatores contingenciais: um estudo em empresas atuantes no Brasil. Revista Universo Contábil, 11(2), 85-107. doi:10.4270/ruc.2015213

Milani Filho, M. A. F. (2009). Eficiência produtiva no terceiro setor: um estudo comparativo de desempenho entre organizações filantrópicas asilares. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-14102009-124436/pt-br.php

Neely, A., Gregory, M., & Platts, K. (1995). Performance measurement system design: a literature review and research agenda. International Journal of Operations & Production Management, 15(4), 80-116. doi: https://doi.org/10.1108/01443579510083622

Poister, T. (2003). Measuring performance in public and nonprofit organizations. New York: Wiley.

Quintairos, P. C. R., Silva, M. A. V. R., Costa, E. S., & Oliveira, E. A. A. Q. O. (2009). Aplicação do Balanced Scorecard a uma organização do terceiro setor. Revista de Desenvolvimento Econômico, 1(2), 164-174. doi: http://dx.doi.org/10.5380/rcc.v1i2.15265

Ramadan, M. A.; & Borgonovi, E. (2015). Performance Measurement and Management in NonGovernmental Organizations. IOSR Journal of Business and Management, 17(2), 70-765. doi: 10.9790/487X-17237076

Serrat, O. H T. (2010). The perils of PM. Knowledge Solutions, Asian Development Bank, May, Manila.

Skinner, W. (1974). The decline, fall and renewal of manufacturing. Industrial Engineering, 32-8.

Soares, E. A. R. (2006). Entidades Beneficentes de Assistência Social Educacionais: uma investigação sobre a Medição de Desempenho Organizacional. Dissertação de Mestrado, Programa Multiinstitucional e Inter-Regional e Pós-Graduação em Ciências Contábeis (UnB, UFPE, UFPB, UFRN), Recife, Brasil. Recuperado de http://repositorio.unb.br/handle/10482/2278

Wadongo, B.; & Abdel-Kader, M. (2014). Contingency theory, performance management and organizational effectiveness in the third sector: A theoretical framework. International Journal of Productivity and Performance Management, 63(6), 680-703. doi: https://doi.org/10.1108/IJPPM-09-2013-0161

Wadongo, B. I. (2014). Performance management and evaluation in non-profit organisations: an embedded mixed methods approach. Thesis of Doctor of Philosophy in Management Accounting, University of Bedfordshire, UK. Recuperado de http://hdl.handle.net/10547/333444

Waweru, N.; & Spraakman, G. (2009). The appropriateness of performance measurement systems in the services sector: Case studies from the micro finance sector in Kenya, AAA 2010 Management Accounting Section (MAS), Meeting Paper.

Publicado
24-06-2019
Como Citar
Oliveira, A. S. de, & Callado, A. A. C. (2019). FATORES CONTINGENCIAIS EXTERNOS E A MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO: UM ESTUDO EM ONGS BRASILEIRAS. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 13(2). https://doi.org/10.17524/repec.v13i2.1928
Seção
Artigos