A Taxa de Administração Sinaliza o Desempenho dos Fundos de Investimento em Ações no Brasil?

  • Sabrina Espinele da Silva Universidade Federal de Minas Gerais
  • Carolina Magda Roma Universidade Federal de Minas Gerais
  • Robert Aldo Iquiapaza Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Fundos de investimento, taxa de administração, desempenho.

Resumo

Objetivo: Analisar qual a relação entre a taxa de administração e o desempenho ajustado ao risco antes das taxas dos fundos de investimento em ações ativos classificados como Ibovespa e investigar se a diferença nas taxas refletem diferenças no valor que os fundos criam para o investidor. Método: Para tanto, empregou-se uma regressão em painel utilizando-se um modelo pooled, tendo o desempenho ajustado ao risco dos fundos como variável dependente e a taxa de administração como variável explicativa. Posteriormente, incluíram-se outras variáveis de controle na regressão. O desempenho dos fundos foi medido utilizando-se os modelos de Carhart (1997) e Fama e French (1993, 2015). Resultados: Os resultados apontaram uma relação negativa entre taxa de administração e o desempenho. Isto indica que os fundos na amostra que cobram altas taxas são os que em geral geram pior desempenho para o investidor. Assim, as diferenças nas taxas também refletem diferenças no valor que os fundos criam para o investidor. Ademais, o patrimônio líquido do fundo possui uma relação positiva com o seu desempenho, enquanto a idade possui uma relação negativa e o selo Anbima não apresentou significância estatística. Contribuições: Essa pesquisa estende os resultados da literatura da seguinte forma: mostra que existe uma relação negativa entre taxa de administração e o desempenho, mesmo quando se controla para variáveis, como tamanho, idade e qualidade em termos de governança corporativa. Além disso, essa relação existe independente do modelo utilizado para a mensuração do desempenho do fundo; além disso, apresenta também evidências mais atuais e para um mercado emergente. Adicionalmente, traz evidencias de que não existem relações entre as melhores práticas de governança corporativa e o alcance de um bom desempenho.

Biografia do Autor

Sabrina Espinele da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais
Mestranda em Administração pelo Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração- CEPEAD/UFMG.
Carolina Magda Roma, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutora em Administração/Finanças pelo CEPEAD/UFMG.
Robert Aldo Iquiapaza, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutor em Administração/Finanças pelo CEPEAD/UFMG. Professor Adjunto do Departamento de Ciências Administrativas, Faculdade de Ciências Econômicas, FACE-UFMG.

Referências

Alda, M., Andreu, L. & Sarto, J. L. (2017). Learning about individual managers’ performance in UK pension funds: The importance of specialization. The North American Journal of Economics and Finance, 42, pp. 654-667. doi: https://doi.org/10.1016/j.najef.2017.09.006

Anbima (2016). Fundos de Investimentos. Relatórios, boletim, mar. 2016. Recuperado em 17 de março, 2016 de http://portal.anbima.com.br/informacoes-tecnicas/boletins/fundos-de-investimento/Documents/BoletimFI_201603.pdf .

Anbima (2017). Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais. Fundos de Investimento – Consolidado Histórico de Fundos de Investimento, janeiro de 2017. Recuperado em 14 de janeiro, 2017 de http://www.anbima.com.br/pt_br/assuntos/fundos-de-investimento.htm

Anbima, & Fgv (2016). Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais; Fundação Getúlio Vargas. Indústria de Fundos de Investimento. Anuário 2016. Recuperado em 07 de abril, 2017 de http://cef.fgv.br/sites/cef.fgv.br/files/Anuario_FGV%202016_internet.pdf

Carhart, M. M. (1997). On persistence in mutual fund performance. The Journal of Finance, 52(1), pp. 57-82. doi: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1997.tb03808.x

Carneiro, R. L. A.(2014). A Influência da Certificação dos Administradores de Carteira Brasileiros no Desempenho de Fundos de Investimento. Dissertação de Mestrado em Administração - Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração- FACE-UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil..

Castro, B. R. & Minardi, A. M. A. F. (2009). Comparação do desempenho dos fundos de ações ativos e passivos. Revista Brasileira de Finanças, 7(2), pp. 143–161.

Chen, J., Hong, H., Huang, M. & Kubik, J. D. (2004). Does fund size erode mutual fund performance? The role of liquidity and organization. The American Economic Review, 94(5), pp. 1276-1302. doi: https://doi.org/10.1257/0002828043052277

CVM (2014). Comissão de Valores Mobiliários. Texto Integral da Instrução CVM n.º 555, de 17 de dezembro de 2014, com as Alterações Introduzidas pelas Instruções CVM n.º 563/1, 564/15 E 572/15. Dispõe sobre a constituição, a administração, o funcionamento e a divulgação de informações dos fundos de investimento. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

CVM (2014). Fundos de investimento. Comissão de Valores Mobiliários (Cadernos CVM, 3). Rio de Janeiro: Comissão de Valores Mobiliários, 40.

Dalmácio, F. Z., Nossa, V. & Zanquetto Filho, H. (2007). Avaliação da relação entre a performance e a taxa de administração dos fundos de ações ativos brasileiros. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 1(3), pp. 1-20.

Dalmácio, F. Z., Nossa, V., Louzada, L. C. & Santanna, D. P. (2010). A Relação entre a Performance (Risco x Retorno) e a Taxa de Performance, Cobrada ou Não pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Ações Ativos Brasileiros: uma Abordagem à Luz da Teoria de Agência. Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 5.

Dellva, W. L. & Olson, G. T. (1998). The relationship between mutual fund fees and expenses and their effects on performance. Financial Review, 33(1), pp. 85-104. doi: https://doi.org/10.1111/j.1540-6288.1998.tb01609.x

Fama, E. F. & French, K. R. (2015). A five-factor asset pricing model. Journal of Financial Economics, 116(1), pp. 1-22. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jfineco.2014.10.010

Fama, E. F. & French, K. R.(1996). The CAPM is wanted, dead or alive. The Journal of Finance, 51(5), pp. 1947-1958. doi: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1996.tb05233.x

Fama, E. F. & French, K. R. (1993). Common risk factors in the returns on stocks and bonds. Journal of Financial Economics, 33(1), pp 3-56. doi: https://doi.org/10.1016/0304-405X(93)90023-5

Favero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. D. & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Gil-Bazo, J. & Ruiz-Verdú, P. (2009). The relation between price and performance in the mutual fund industry. The Journal of Finance, 64(5), pp. 2153-2183. doi: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.2009.01497.x

Gil-Bazo, J. & Ruiz-Verdu, P. (2008). When cheaper is better: Fee determination in the market for equity mutual funds. Journal of Economic Behavior & Organization, 67(3-4), pp. 871-885. Doi: https://doi.org/10.1016/j.jebo.2007.04.003

Grinblatt, M., & Titman, S. (1989). Mutual Fund Performance: An Analysis of Quarterly Portfolio Holdings. The Journal of Business, 62(3), pp. 393-416.

Golec, J. H. (1996). The effects of mutual fund managers' characteristics on their portfolio performance, risk and fees. Financial Services Review, 5(2), pp. 133-147. doi: https://doi.org/10.1016/S1057-0810(96)90006-2

Haque, T. & Ahmed, A. D. (2015). The Relationship between Australian Mutual Fund Fees and Risk‐Adjusted Performance in Differing Economic Conditions. Australian Economic Papers, 54(1), pp. 1-21. doi: https://doi.org/10.1111/1467-8454.12036

Jensen, M. C. (1968). The performance of mutual funds in the period 1945–1964. The Journal of Finance, 23(2), pp. 389-416. doi: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1968.tb00815.x

Mansor, F., Bhatti, M. I. & Ariff, M. (2015). New evidence on the impact of fees on mutual fund performance of two types of funds. Journal of International Financial Markets, Institutions and Money, 35, pp. 102-115. doi: https://doi.org/10.1016/j.intfin.2014.12.009

Markowitz, H. (1952). Portfolio selection. The Journal of Finance, 7(1), pp. 77-91. doi: http://dx.doi.org/10.1111/j.1540-6261.1952.tb01525.x

Milani, B. & Ceretta, P. S. (2013). Efeito tamanho nos fundos de investimento brasileiros. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, 6(1). doi: https://doi.org/10.5902/198346593607

Milan, P. L. A. B. & Eid Junior, W. (2014). Elevada rotatividade de carteiras e o desempenho dos fundos de investimento em ações. Revista Brasileira de Finanças, 12(4).

Nerasti, J. N. & Lucinda, C. R. (2016). Persistência de Desempenho em Fundos de Ações no Brasil. Revista Brasileira de Finanças, 14(2).

Paz, R. L., Iquiapaza, R. A. & Bressan, A. A. (2017). Influence of investors’ monitoring on equity mutual funds performance. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(2), p.79.

Pollet, J. M. & Wilson, M. (2008). How does size affect mutual fund behavior?. The Journal of Finance, 63(6), pp. 2941-2969. doi: https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.2008.01417.x

Rochman, R. R. & Ribeiro, M. P. (2003, setembro). A Relação entre a Estrutura, Conduta e Desempenho da Indústria de Fundos de Investimento: um estudo de painel. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Atibaia, SP, Brasil, 27.

Roll, R. (1977) A critique of the asset pricing theory's tests Part I: On past and potential testability of the theory. Journal of Financial Economics, 4(2), pp. 129-176. doi: https://doi.org/10.1016/0304-405X(77)90009-5

Ross, S. A. (1976). The arbitrage theory of capital asset pricing. Journal of Economic Theory, 13(3), pp. 341-360. doi: http://dx.doi.org/10.1016/0022-0531(76)90046-6

Sharpe, W. F. (1966). Mutual fund performance. The Journal of Business, 39(1), pp. 119-138.

Vidal, M., Vidal-García, J., Lean, H. H. & Uddin, G. S. (2015). The relation between fees and return predictability in the mutual fund industry. Economic Modelling, 47, pp. 260-270. doi: https://doi.org/10.1016/j.econmod.2015.02.036

Publicado
2018-07-26
Como Citar
Silva, S., Roma, C., & Iquiapaza, R. (2018). A Taxa de Administração Sinaliza o Desempenho dos Fundos de Investimento em Ações no Brasil?. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 12(3). https://doi.org/10.17524/repec.v12i3.1717
Seção
Artigos