O Goodwill Gerado pelo Passivo

  • Eliseu Martins
  • Ariovaldo dos Santos
Palavras-chave: Goodwill, Goodwill Passivo, Valor Econômico do PL, Unidade Consumidora de Caixa, Taxas de Juros Generosas

Resumo

Objetivo: O objetivo deste estudo está relacionado à figura do Goodwill originado do Passivo de uma empresa, ou seja, não é a do Goodwill normalmente constituído pelos Ativos Intangíveis capazes de produzir uma rentabilidade anormal e que fazem com que o valor da entidade como um todo, em funcionamento, seja maior do que a soma algébrica dos valores justos de seus elementos patrimoniais. Trata-se de uma visão que se pode entender como novidade para muitos, ou seja, a do Goodwill originado do Passivo e, não, dos Ativos de uma empresa. Existem empresas que sequer conseguem remunerar o risco que seus Ativos carregam, mas podem apresentar Goodwill devido à forma com que suas atividades são financiadas. Método: Como ensaio, são apresentados conceitos básicos e de formulação, normalmente utilizados em avaliações de empresas. Na sequência, são apresentadas simulações que demonstram, de forma objetiva, o verdadeiro sentido técnico da formulação. Resultados: Sabendo-se que determinadas agências estatais de desenvolvimento e o próprio BNDES acabam financiando determinadas atividades com taxas de juros generosas, este estudo apresenta ainda um caso real de existência de Goodwill originado do Passivo de uma empresa brasileira. Contribuições: Este trabalho tem como uma de suas principais contribuições a exposição de um tema que é praticamente desconhecido no mundo acadêmico, totalmente desconsiderado pelas normas e legislações contábeis, mas presente no mundo dos analistas e investidores mais bem preparados, e o faz pela não disseminação desse conceito, com apresentação e redação acessíveis a todos os níveis de leitores.

Referências

Cheng, M. C. & Tzeng, Z. C. (2011). The effect of leverage on firm value and how the firm financial quality influence on this effect. World Journal of Management, 3(2), 30–53.

Choi, J. J. (1988). Debt financing and the cost of capital in the neoclassical investment model. The American Economist, 32(1), 19–23.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2010). Pronunciamento Técnico CPC 01 (R1) – Redução ao Valor Recuperável de Ativos. Recuperado de http://www.cpc.org.br/Arquivos/Documentos/27_CPC_01_R1_revisão08.pdf

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2010). Pronunciamento Técnico CPC 04 (R1) – Ativo Intangível. Recuperado de http://www.cpc.org.br/Arquivos/Documentos/187_CPC_04_R1_rev%2008.pdf

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2011). Pronunciamento Técnico CPC 15 (R1) – Combinação de Negócios. Recuperado de http://www.cpc.org.br/Arquivos/Documentos/235_CPC15R1_rev_06.pdf

Edwards, E. & Bell, P. (1961). The theory and measurement of business income. California: University of California Press.

Kane, A., Marcus, A. J. & McDonald, R. L. (1985). Debt policy and the rate of return premium to leverage. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 20(4), 479–499.

Leão, L. G. & Vasconcelos, R. A. (2010). Depósitos estáveis em cooperativas de crédito: um Ativo intangível na forma de Goodwill não adquirido. Gestão Contemporânea, 6(6), 227– 254.

Martins, E. & Martins, V. A. (2015). Contabilidade e finanças: a temerária utilização do WACC. Revista Universo Contábil, 11(1), 25-46.

Martins, V. A. (2002). Contribuição à avaliação do Goodwill: depósitos estáveis, um Ativo intangível. (Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo).

Martins, V. A. (2005). Interações entre estrutura de capital, valor da empresa e valor dos Ativos (Tese de doutorado, Universidade de São Paulo).

Martins, V. A., Carvalho, L. N. & Assaf Neto, A. (2008). Anatomia do valor de empresas. RAC–Revista de Administração Contemporânea, 12(4), 1071-1105.

Modigliani, F. & Miller, M. H. (1958). The cost of capital, corporation finance and the theory of investment. American Economic Review, 48(3), 261-297.

Publicado
07-12-2017
Como Citar
Martins, E., & Santos, A. (2017). O Goodwill Gerado pelo Passivo. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 11. https://doi.org/10.17524/repec.v11i0.1718