Fatores determinantes para adoção de planos de opções de ações em companhias abertas brasileiras

  • Geovanne Dias de Moura Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis e Administração da Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
  • Edilson Sidnei Padilha Professor do Curso de Ciências Contábeis/Administração - Coordenador do Curso de Ciências Contábeis - Coordenador de Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis – no Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE
  • Tarcísio Pedro da Silva Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau – FURB

Resumo

O objetivo do estudo foi identificar os fatores determinantes para adoção de planos de opções de ações em companhias abertas brasileiras. Para tal, realizou-se pesquisa descritiva, conduzida por meio de análise documental e abordagem quantitativa, com emprego de regressão logística. A amostra foi composta por 158 companhias, com dados referentes ao período de 2009 a 2012. Os resultados evidenciaram um crescimento na quantidade de empresas que possuíam planos de opções de ações no período. Dentre os fatores tamanho da empresa, restrição de liquidez, concentração acionária, problema de horizonte, participação acionária do CEO, dualidade do cargo de CEO e presidente do conselho de administração, descritos na literatura como influenciadores para a utilização de planos de opções de ações, três se confirmaram na amostra analisada. Os fatores “liquidez corrente” no período de 2010 a 2012, “problema de horizonte” no período de 2009 a 2012 e “participação acionária” no ano de 2012. Estes achados fornecem mais evidências de relações positivas no cenário brasileiro.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau – FURB
##submission.authorWithAffiliation##
Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau – FURB
##submission.authorWithAffiliation##
Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau – FURB

Referências

Arrow, K. J. (1985). The economics of agency. In J. Pratt, R. Zeckhauser (Eds.). Principals and agents: the structure of business. Boston: Harvard Business School Press.
Banghoj, J., Gabrielsen, G., Petersen, C., & Plenborg, T. (2010). Determinants of executive compensation in privately held firms. Accounting & Finance, 50(3), pp. 481-510. doi: 10.1111/j.1467-629X.2009.00335.x .
Bergen, M., Dutta, S., & Walker, O. (1992). Agency Relationships in Marketing: A Review of the Implications and Applications of Agency and Related Theories. Journal of Marketing, 56(3), pp. 1-24. doi:1. Retrieved from http://www.jstor.org/stable/1252293 doi:1
Bryan, S., Hwang, L., & Lilien, S. (2000). CEO Stock‐Based Compensation: An Empirical Analysis of Incentive‐Intensity, Relative Mix, and Economic Determinants. The Journal of Business, 73(4), pp. 661-693.
Cesari, A., & Ozkan, N. (2015). Executive incentives and payout policy: Empirical evidence from Europe. Journal of Banking & Finance, 55, pp. 70-91. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jbankfin.2014.12.011
Chen, Y. R., & Lee, B. S. (2010). A dynamic analysis of executive stock options: Determinants and consequences. Journal of Corporate Finance, 16(1), pp. 88-103.
Chourou, L., Abaoub, E., & Saadi, S. (2008). The economic determinants of CEO stock option compensation. Journal of Multinational Financial Management, 18(1), pp. 61-77.
Dias, J. M., Filho; Corrar, L. J. (2009). Regressão Logística. In: Corrar, L. J., Paulo, E., & Dias, J. M., Filho (Org). Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas.
Dias, W. O. (2010). Remuneração variável nas empresas brasileiras: estudo de determinantes da utilização de stock options. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.
Dias, W. O., Cunha, J. V. A., & Mário, P. C. (2009). Plano de incentivo em opções de ações e a harmonização contábil: estudo do nível de disclosure das empresas brasileiras após o CPC 10. Pensar Contábil, 11(46), pp. 29-38.
Ding, D. K., & Sun, Q. (2001). Causes and effects of employee stock option plans: Evidence from Singapore. Pacific-Basin Finance Journal, 9(5), pp. 563-599. DOI: 10.1016/S0927-538X(01)00027-0
Eisenhardt, K. M. (1989). Agency theory: An assessment and review. Academy of management review, 14(1), pp. 57-74. DOI: 10.5465/AMR.1989.4279003
Fama, E. F., & Jensen, M. C. (1983). Separation of ownership and control. The Journal of Law & Economics, 26(2), pp. 301-325.
Galdi, F. C., & Carvalho, L. N. (2006) Remuneração em opções de ações: o SFAS 123 revisado. Revista Contabilidade e Finanças, Edição Comemorativa, pp. 23-35. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772006000400003
Hair Júnior., J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. T., & Black, W. C. (2009). Análise Multivariada de Dados. 8ª ed. Porto Alegre: Bookman.
Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, 3(4), pp. 305-360.
Kato, H. K., Lemmon, M., Luo, M., & Schallheim, J. (2005). An empirical examination of the costs and benefits of executive stock options: Evidence from Japan. Journal of Financial Economics, 78(2), pp. 435-461. DOI: doi:10.1016/j.jfineco.2004.09.001
Larini, A. M., Schafer, J. D., Rosa, P. A., & Ferreira, L. F. (2015). Remuneração variável baseada no pagamento de ações: Um estudo de evidenciação das informações requeridas pelo CPC 10 (R1) aplicado em empresas brasileiras. Race: revista de administração, contabilidade e economia, 14(2), pp. 737-768. DOI: DOI: 10.18593/race.v14i2.5896
Miranda, K. F., Tomé, W. C., & Gallon, A. V. (2011). Evidenciação da remuneração variável nas melhores empresas para se trabalhar listadas na BM&FBOVESPA: um estudo à luz dos CPCs 10 e 33. Pensar Contábil, 13(51), pp. 35-47.
Morck, R., Shleifer, A., & Vishny, R. W. (1988). Management ownership and market valuation: An empirical analysis. Journal of financial economics, 20(1), pp. 293-315.
Nagaoka, S. (2005). Determinants of the introduction of stock options by Japanese firms: Analysis from the incentive and selection perspectives. The Journal of Business, 78(6), pp. 2289-2316.
Niyama, J. K., Campos, E. S., Gonçalves, R. L., & da Silva Campos, G. P. (2012). Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação de Operações de Remunerações em Opções de Ações de Companhias Abertas Listadas nos Segmentos Especiais de Governança Corporativa pela BM&FBOVESPA. Contabilidade Vista & Revista, 23(3), pp. 49-72.
Nunes, A. D. A. (2008). Concessão de opções de ações a funcionários: um problema contábil. Pensar Contábil, 10(40), pp. 109-129.
Perobelli, F. F. C., Lopes, B. S., & Silveira, A. D. M. (2012). Planos de Opções de Compra de Ações e o Valor das Companhias Brasileiras. Revista Brasileira de Finanças, 10(1), p. 105-147.
Podrug, N., Filipovic, D., & Milic, S. (2010). Critical overview of agency theory. Annals of DAAAM & Proceedings, pp 1227-1229.
Qin, B. (2012). The influence of firm and executive characteristics on performance-vested stock option grants. International Business Review, 21(5), pp. 906-928. DOI: 10.1016/j.ibusrev.2011.10.004
Ross, S. A. (1973). The economic theory of agency: The principal's problem. The American Economic Review, 63(2), pp. 134-139.
Siffert, N., Filho. (1996). A teoria dos contratos econômicos e a firma. São Paulo: IE/USP/Departamento de Economia.
Smith, K. J., & Wallace, W. A. (1997). Instructional Case: Chrysler’s Historical. Issues in Accounting Education, 12(2), pp. 457-495.
Tannuri, G., Farias, S., Vicente, E. F. R., Van Bellen, H. M., & Alberton, L. (2012). Uma Avaliação dos Efeitos dos Sistemas de Incentivos no Desempenho Econômico das Empresas Listadas no IBRX-50 da BM&FBOVESPA. Revista Contabilidade e Controladoria, 5(1), pp. 8-27. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rcc.v5i1.27292
Tipuric, D. (2008). Agency Theory and Corporate Governance. Sinergija nakladništvo doo.
Tiscini, R., & Raoli, E. (2013). Stock option plan practices in family firms: The idiosyncratic private benefits approach. Journal of Family Business Strategy, 4(2), pp. 93-105. doi:10.1016/j.jfbs.2013.03.001
Tzioumis, K. (2008). Why do firms adopt CEO stock options? Evidence from the United States. Journal of Economic Behavior & Organization, 68(1), pp. 100-111. Doi: 10.1016/j.jebo.2007.06.008.
Uchida, K. (2006). Determinants of stock option use by Japanese companies. Review of Financial Economics, 15(3), pp. 251-269. http://doi.org/10.5651/jaas.20.27
Wood, T., Jr. & Picarelli, V., Filho (2004). Remuneração estratégica: a nova vantagem competitiva (3ª ed.). São Paulo: Atlas.
Yermack, D. (1995). Do corporations award CEO stock options effectively?. Journal of financial economics, 39(2), pp. 237-269. doi:10.1016/0304-405X(95)00829-4
Publicado
2016-08-02
Como Citar
MOURA, Geovanne Dias de; PADILHA, Edilson Sidnei; SILVA, Tarcísio Pedro da. Fatores determinantes para adoção de planos de opções de ações em companhias abertas brasileiras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), [S.l.], v. 10, n. 3, ago. 2016. ISSN 1981-8610. Disponível em: <http://repec.org.br/index.php/repec/article/view/1361>. Acesso em: 20 set. 2018. doi: https://doi.org/10.17524/repec.v10i3.1361.
Seção
Artigos

Palavras-chave

Fatores determinantes; Adoção de planos de opções de ações; Companhias abertas brasileiras.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##