As Estratégias de Aprendizagem Autorregulada (SRL) no Ensino EAD de Contabilidade

Thiago Bruno de Jesus Silva, Luís Antonio Lay, Nelson Hein, Vania Tanira Biavatti, Vinícius Costa da Silva Zonatto

Resumo


Os objetivos desta investigação foram identificar quais são as estratégias de aprendizagem autorregulada utilizadas por estudantes de Contabilidade do ensino EAD e analisar como essas estratégias poderiam ser explicadas a partir do estágio (semestre) do estudante no curso. A amostra da pesquisa compreendeu discentes do curso de graduação em Ciências Contábeis na modalidade de ensino a distância de três instituições com polo em Salvador/Bahia/Brasil. Para análise dos dados utilizaram-se três procedimentos quantitativos visando alcançar os objetivos específicos, no qual para identificar as estratégias de aprendizagem autorregulada foi utilizada a estatística descritiva e para verificar como essas estratégias poderiam ser explicadas a partir do estágio (semestre) do estudante no curso foi alcançada por meio da Análise Fatorial e o uso de testes paramétricos de comparação de médias (teste t). Os achados permitiram inferir que o perfil dos alunos da modalidade de ensino EAD, considerando a autorregulação da aprendizagem, foi de utilização significativa de estratégias de acordo ao modelo proposto pela Zimmerman e Pons (1986), onde há diferenças significativas nas médias dos discentes entre o estágio inicial e final de curso. O estudo contribui com os apontamentos dos órgãos internacionais de contabilidade sobre a aprendizagem ativa e permanente. A investigação proporciona, também, benefício a literatura sobre a modalidade de ensino a distância e a aprendizagem autorregulada por demonstrar que esta plataforma de ensino pode auxiliar na consecução da independência do aprendizado.

Palavras-chave


Estratégia de Aprendizagem; Educação a distância; Autorregulação; Órgãos Internacionais de Contabilidade; Metacognição

Texto completo:

PORTUGUÊS ENGLISH (English)

Referências


AECC - Accounting Education Change Commission (1990, Fall). Position statement no. one: objectives of education for accountants. Issues In Accounting Education, 5, pp.307-312.

AICPA - American Institute of Certified Public Accountants (2000). The AICPA core competency framework for entry into the accounting profession.

Ames, C. (1992). Achievement goals and the classroom motivational climate.Student perceptions in the classroom, pp. 327-348.

Anohina, A. (2005). Analysis of the terminology used in the field of virtual learning, Educational Technology & Society, 8(3), pp. 91-102.

Arias, A. V., Lozano, A.B., Cabanach, R.G., Pérez, J.C.N. (1999). Las estratégias de aprendizaje: revisión teorica y conceptual. Revista Latinoamericana de Psicologia, 31 (3), pp. 425-461.

Batista, A. B., Cruz, N. V. S., Andrade, C. M., & Bruni, A. L. (2014). Desempenho discente nos Enades 2009 e 2012 do curso de Ciências Contábeis do Nordeste Brasileiro: uma análise comparativa entre o ensino à distância e o ensino presencial. In Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Natal, RN, Brasil, 21.

Becker, L. L. (2011). Self-Regulated Learning in an Introductory Undergraduate Accounting Course. Dissertação de doutorado em Educação em Liderança, 179 f., Universidade Estadual do Leste de Tennessee, EUA.

Becker, L. L. (2013). Self-Regulated Learning Interventions in the Introductory Accounting Course: An Empirical Study. Issues in Accounting Education, 28(3), pp. 435-460. doi: http://sci-hub.cc/10.2308/iace-50444

Bell, P. D. & Akroyd, D. (2006) Can factors related to self-regulated learning predict learning achievement in undergraduate asynchronous Web-based courses. International Journal of Instructional Technology and Distance Learning. 3(10), pp. 5-16.

Bertagnolli, S. D., Silveira, S. R. D., Barcelos, L. A., & Nunes, E. (2007). O Uso de Atividades Semipresenciais em Cursos Presenciais como Forma de Qualificação da Educação Superior: o caso do UniRitter. RENOTE-Revista Novas Tecnologias na Educação, 5(1).

Cattell, R. B. (1966). The scree test for the number of factors. Multivariate behavioral research, 1(2), pp. 245-276. doi: 10.1207/s15327906mbr0102_10

Cho, M. H., & Shen, D. (2013). Self-regulation in online learning. Distance education, 34(3), pp. 290-301. doi: 10.1080/01587919.2013.835770

Corno, L. (1989). Self-regulated learning: A volitional analysis. In Self-regulated learning and academic achievement (pp. 111-141). Springer New York. doi: 10.1007/978-1-4612-3618-4_5

Costa, J. J. M. (2001). Auto-regulação da aprendizagem: para uma caracterização multidimensional do desempenho académico. Dissertação de Doutoramento em Psicologia, especialização em Psicologia da Motivação e da Personalidade, não publicada. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.

Delen, E., Liew, J., & Willson, V. (2014). Effects of interactivity and instructional scaffolding on learning: Self-regulation in online video-based environments. Computers & Education, 78, pp. 312-320. doi: 10.1016/j.compedu.2014.06.018

Flavell, J. H. (1976). Metacognitive aspects of problem solving. In L. B. Resnick (Ed.), The nature of intelligence (pp. 231-235). Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Garner, J. K. (2009). Conceptualizing the relations between executive functions and self-regulated learning. The Journal of Psychology, 143(4), pp. 405-426. doi: 10.3200/JRLP.143.4.405-426

Hack, J. R., & Negri, F. (2010). Escola e tecnologia: a capacitação docente como referencial para a mudança. Ciências & Cognição, 15(1), pp. 89.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman Editora.

Howieson, B., Hancock, P., Segal, N., Kavanagh, M., Tempone, I., & Kent, J. (2014). Who should teach what? Australian perceptions of the roles of universities and practice in the education of professional accountants.Journal of Accounting Education, 32(3), pp. 259-275. doi: 10.1016/j.jaccedu.2014.05.001

Institute Of Management Accountants. (2008) Cost Management Update, IMA, Montvale, NJ.

Jones, M. H., Alexander, J. M., & Estell, D. B. (2010). Homophily among peer groups members’ perceived self-regulated learning. The Journal of Experimental Education, 78(3), pp. 378-394. doi: 10.1080/00220970903548020

Korkmaz, O., & Kaya, S. (2012). Adapting Online Self-Regulated Learning Scale into Turkish. Turkish Online Journal of Distance Education, 13(1), pp. 52-67.

Kumar, V., & Stracke, E. (2007). An analysis of written feedback on a PhD thesis. Teaching in Higher Education, 12(4), pp. 461-470. doi: 10.1080/13562510701415433

Lawanto, O., Santoso, H. B., Goodridge, W., & Lawanto, K. N. (2014). Task Value, Self-Regulated Learning, and Performance in a Web-Intensive Undergraduate Engineering Course: How Are They Related? Journal of Online Learning and Teaching, 10(1), pp. 97.

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF: Ministério da Educação.

Lima Filho, R. N., de Lima, G. A. S. F., & Bruni, A. L. (2015). Self-regulated learning in accounting: diagnosis, dimensions and explanations. Brazilian Business Review, 12(1), pp. 36-54.

Lombaerts, K., De Backer, F., Engels, N., Van Braak, J., & Athanasou, J. (2009). Development of the self-regulated learning teacher belief scale.European Journal of Psychology of Education, 24(1), pp. 79-96. doi: 10.1007/BF03173476

Martin, A. J., & Dowson, M. (2009). Interpersonal relationships, motivation, engagement, and achievement: Yields for theory, current issues, and educational practice. Review of educational research, 79(1), pp. 327-365. doi: 10.3102/0034654308325583

Ministério da Educação e Cultura. (2007) Censo da educação superior - 2007. Brasília: Inep/Deed.

Ministério da Educação e Cultura. (2012) Instrumentos de avaliação de cursos de graduação presencial e a distância. Brasília: MEC.

Menezes, I. G. (2006). Escalas de Intenções Comportamentais de Comprometimento Organizacional (EICCO): concepção, desenvolvimento, validação e padronização. Dissertação de Mestrado em Psicologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Moore, M. G. (1993). Is teaching like flying? A total systems view of distance education. American Journal of Distance Education, 7(1), pp. 1-10.

Moos, D. C., & Ringdal, A. (2012). Self-regulated learning in the classroom: A literature review on the teacher’s role. Education Research International.

Niemi, H., Harju, V., Vivitsou, M., Viitanen, K., Multisilta, J., & Kuokkanen, A. (2014). Digital Storytelling for 21 st-Century Skills in Virtual Learning Environments. Creative Education, 2014. doi: 10.4236/ce.2014.59078

Nunes, I. B. (2009). A história da EAD no mundo. Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, pp. 2-8.

Patterson, J. T., & Lee, T. D. (2010). Self-regulated frequency of augmented information in skill learning. Canadian Journal of Experimental Psychology/Revue canadienne de psychologie expérimentale, 64(1), pp. 33. doi: 10.1037/a0016269

Pavesi, M. A. (2015). Análise da aprendizagem autorregulada de alunos de cursos a distância em função das áreas de conhecimento, faixa etária e sexo. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Estadual de Londrina, Centro de Educação, Comunicação e Artes, Programa de Pós-Graduação em Educação, Londrina, PR, Brasil.

Penterich, E. (2009). Competências organizacionais para a oferta da educação a distância no ensino superior: um estudo descritivo-exploratório de IES brasileiras credenciadas pelo MEC. Dissertação de doutorado,Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Polydoro, S. A. J., & Azzi, R. G. (2009). Autorregulação da aprendizagem na perspectiva da teoria sociocognitiva: introduzindo modelos de investigação e intervenção. Psicologia da Educação, (29), pp. 75-94.

Puzziferro, M. (2008). Online technologies self-efficacy and self-regulated learning as predictors of final grade and satisfaction in college-level online courses. The Amer. Jrnl. of Distance Education, 22(2), pp. 72-89. doi: 10.1080/08923640802039024

Rosário, P. (1999). Variáveis cognitivo-motivacionais na aprendizagem: As abordagens ao estudo em alunos do Ensino Secundário. Tese de doutorado, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Rosário, P. (2001). Diferenças processuais na aprendizagem: avaliação alternativa das estratégias de auto–regulação da aprendizagem. Psicologia, Educação e Cultura, 5(1), 87-102.

Schleifer, L. L., & Dull, R. B. (2009). Metacognition and performance in the accounting classroom. Issues in Accounting Education, 24(3), pp. 339-367. doi: 10.2308/iace.2009.24.3.339

Shimada, A. T., Chiusoli, C. L., & Messetti, A. V. L. (2010). Análise fatorial: avaliação de estabelecimentos alimentícios. Anais Seminários em Administração, São Paulo, SP, 13. doi: 10.1006/mare.2002.0183

Silva, P. C. D., Shitsuka, R., & Morais, G. (2013). Estratégias de Ensino/Aprendizagem em Ambientes Virtuais: Estudo Comparativo do Ensino de Língua Estrangeira no Sistema EaD e Presencial. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância., São Paulo, 12.

Simons, P. R. J., & Beukhof, G. (1987). The regulation of learning. Regulation of learning, 3-11.

Smith, P. A. (2001). Understanding self-regulated learning and its implications for accounting educators and researchers. Issues in Accounting Education,16(4), pp. 663-700. doi: http://sci-hub.cc/10.2308/iace.2001.16.4.663

Testa, M. G., & Luciano, E. M. (2010). A influência da autorregulação dos recursos de aprendizagem na efetividade dos cursos desenvolvidos em ambientes virtuais de prendizagem na internet. REAd-Revista Eletrônica de Administração, 16(2), pp. 481-513.

Valle, A., Núñez, J. C., Cabanach, R. G., González-Pienda, J. A., Rodríguez, S., Rosário, P., & Muñoz-Cadavid, M. A. (2008). Self-regulated profiles and academic achievement. Psicothema, 20(4), pp. 724-731.

Wang, C. H., Shannon, D. M., & Ross, M. E. (2013). Students’ characteristics, self-regulated learning, technology self-efficacy, and course outcomes in online learning. Distance Education, 34(3), pp. 302-323. doi: 10.1080/01587919.2013.835779

Xu, M., Benson, S. N. K., Mudrey-Camino, R., & Steiner, R. P. (2010). The relationship between parental involvement, self-regulated learning, and reading achievement of fifth graders: A path analysis using the ECLS-K database. Social Psychology of Education, 13(2), pp. 237-269. doi: 10.1007/s11218-009-9104-4

Zhao, H., Chen, L., & Panda, S. (2014). Self‐regulated learning ability of Chinese distance learners. British Journal of Educational Technology, 45(5), pp. 941-958. doi: 10.1111/bjet.12118

Zimmerman, B. J., & Pons, M. M. (1986). Development of a structured interview for assessing student use of self-regulated learning strategies.American educational research journal, 23(4), pp. 614-628. doi: 10.1037/10213-000

______________. (2000). Self-efficacy: An essential motive to learn. Contemporary educational psychology, 25(1), 82-91. doi:10.1006/ceps.1999.1016

______________, & Schunk, D. H. (Eds.). (2001). Self-regulated learning and academic achievement: Theoretical perspectives. Routledge..

______________, & Schunk, D. H. (Eds.). (2011). Handbook of self-regulation of learning and performance. Taylor & Francis.

______________, & Schunk, D. H. (Eds.). (2012). Self-regulated learning and academic achievement: Theory, research, and practice. Springer Science & Business Media.




DOI: http://dx.doi.org/10.17524/repec.v11i1.1412

Creative Commons License
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.


ISSN 1981-8610

DOI 10.17524/repec

Indexação da REPeC: Indexadores e Diretórios


Endereço postal

Academia Brasileira de Ciências Contábeis (ABRACICON)

SAS Quadra 5, Bloco J, Edifício do CFC

CEP 70.070-920 - Brasília/DF - Brasil