A relação entre conselho de administração, desempenho, valor e risco no mercado brasileiro de ações

  • José Fernando Martins de Paiva Mestrando em Administração na Faculdade de Gestão e Negócios – FAGEN/ Universidade Federal de Uberlândia – UFU
  • Nelize Aparecida de Oliveira Mestranda em Administração na Universidade Federal de Uberlândia – Faculdade de Gestão e Negócios
  • Fernanda Maciel Peixoto Professora Adjunta na Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
Palavras-chave: Conselho de Administração, Valor, Desempenho, Risco, Índice de Governança Corporativa

Resumo

Dentre os mecanismos de Governança Corporativa, o Conselho de Administração é citado em estudos acadêmicos como fundamental no desempenho e no valor das empresas em diferentes países. O importante papel na defesa dos direitos dos acionistas, evitando que os gestores utilizem a empresa na defesa dos seus próprios interesses, torna este mecanismo relevante em pesquisas empíricas, ainda mais quando se analisa a sua relação com indicadores financeiros. Neste estudo, o objetivo principal foi de analisar a relação entre este mecanismo e o valor, o desempenho e o risco de empresas brasileiras nos anos de 2012 e 2013, por meio de regressão com dados em painel. Para isso, foi criado um índice de Conselho de Administração a partir de perguntas binárias adaptadas de Silva, Santos e Almeida (2011), para ser usado como variável independente nos modelos econométricos. Foi encontrada relação estatística positiva entre o índice proposto e a variável Volatilidade, contrariando o que era esperado. A pesquisa apontou também relações relevantes entre as variáveis dependentes e as de controle. Entre outros resultados, concluiu-se: pela relação positiva entre o tamanho da empresa e o seu desempenho; relação positiva entre o crescimento das vendas e o valor da empresa, a relação positiva entre as variáveis de risco beta e volatilidade; e o fato de que pertencer aos níveis diferenciados de GC da bolsa reduz a volatilidade das ações da firma.

Biografia do Autor

José Fernando Martins de Paiva, Mestrando em Administração na Faculdade de Gestão e Negócios – FAGEN/ Universidade Federal de Uberlândia – UFU
Graduação em Administração e MBA em Finanças pela FAGEN/UFU
Nelize Aparecida de Oliveira, Mestranda em Administração na Universidade Federal de Uberlândia – Faculdade de Gestão e Negócios
Graduação em Administração no Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM
Fernanda Maciel Peixoto, Professora Adjunta na Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
Doutora pela CEPEAD/UFMG

Referências

Alchian, A. A., & Demsetz, H. (1972). Production, information costs, and economic organization. The American Economic Review, 62(5), pp. 777-795. doi: 10 1257/era. 101.1.1

Andrade, L. P. D., Salazar, G. T., Calegário, C. L. L., & Silva, S. S. (2009). Corporate governance: an analysis of board of directors in relation with the value of market and performance of the Brazilian companies. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 10(4), pp. 4-31. doi: 10.1590/S 1678

Beiner, S., Drobetz, W., Schmid, M., & Zimmermann, H. (2004). An Integrated Framework of Corporate Governance and Firm Valuation – Evidence from Switzerland. ECGI - Finance Working Paper, 34.

Berle, A. A., & Means, G.C. (1932) The Modern Corporation and Private Property. Macmillan, New York.

Bhagat, S., & Bolton, B. J. (2009). Sarbanes-Oxley, governance and performance. Available at SSRN 1361815.

Carter, D. A., Simkins, B. J., & Simpson, W. G. (2003). Corporate governance, board diversity, and firm value. Financial Review, 38(1), pp. 33-53. doi: 10.1111/1540-6288.00034

Carvalhal da Silva, A. L. (2004). Governança corporativa, valor, alavancagem e política de dividendos das empresas brasileiras. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 39(4)

Carvalhal da Silva, A. L., & Leal, R. P. C. (2006). Ownership, control, valuation and performance of Brazilian corporations. Corporate Ownership & Control, 4(1), pp. 300-308.

Chung, K. H., & Pruitt, S. W. (1994). A simple approximation of Tobin's q. Financial management, 23(3), pp. 70-74. DOI: 10.2307/3665623

Coase, R. H. (1937). The nature of the firm. Economica, 4(16), pp. 386-405. DOI: 10.1111/j.1468-0335.1937.tb00002.x

Coles, J. L., Daniel, N. D., & Naveen, L. (2008). Boards: Does one size fit all? Journal of Financial Economics, 87(2), pp. 329-356. doi:10.1016/j.jfineco.2006.08.008

Fauver, L., & Fuerst, M. E. (2006). Does good corporate governance include employee representation? Evidence from German corporate boards. Journal of Financial Economics, 82(3), pp. 673-710. doi:10.1016/j.jfineco.2005.10.005

Fraga, J. B., & Silva; V. A. B. (2012) Diversidade no conselho de administração e desempenho da empresa: uma investigação empírica. BBR - Brazilian Business Review, (Edição Especial BBR Conference), pp. 58-80. DOI: http://dx.doi.org/10.15728/bbrconf.2012.3

Gondrige, E. O., Clemente, A., & Espejo, M. M. D. S. B. (2012). Estrutura do conselho de administração e valor das companhias brasileiras. BBR-Brazilian Business Review, 9(3), pp. 72-95. DOI:http://dx.doi.org/10.15728/bbr.2012.9.3.4.

Guimarães, T. M.; Marques, T.A.; & Peixoto, F. M. (2014, Julho) A Concentração Acionária no Brasil: Análise dos Impactos no Desempenho, Valor e Risco das Empresas. Encontro Brasileiro de Finanças, Recife, Pernambuco, Brasil, 14.

Hermalin, B. E., & Weisbach, M. S. (2001). Boards of directors as an endogenously determined institution: A survey of the economic literature. National Bureau of Economic Research, Working Paper 8161.

Holtz, L., Vargas, L. H. F., Macedo, M. A. S., & Bortolon, P. M. (2013). Análise do tamanho do conselho de administração: evidências no mercado brasileiro. Advances in Scientific and Applied Accounting, 6(3), pp. 321-347. Doi 10.14392/ASAA.2013060303

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa – IBGC. Retrieved on August 23rd, 2014 from www.ibgc.org.br

Jensen, M. C. & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs, and ownership structure. Journal of Financial Economics. (3)4, pp. 305-360. http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.94043

Joecks, J., Pull, K., & Vetter, K. (2013). Gender diversity in the boardroom and firm performance: What exactly constitutes a “critical mass?”. Journal of business ethics, 118(1), pp. 61-72, doi: 10.1007/s10551-012-1553-6.

Kumar, N., & Singh, J. P. (2012). Outside directors, corporate governance and firm performance: Empirical evidence from India. Asian Journal of Finance & Accounting, 4(2), pp. 39-55, doi: http://dx.doi.org/10.5296/ajfa.v4i2.1737

Lameira, V. J. (2007) Governança Corporativa, risco e desempenho das companhias abertas brasileiras – uma análise do relacionamento entre as práticas de Governança Corporativa, o risco e o desempenho das companhias abertas brasileiras. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Retrieved from http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/11174/11174_1.PDF

___________ (2012). As Relações entre Governança e Risco nas Companhias Abertas Brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 14(42), pp. 7-25. Doi:10.7819/rbgn.v14i42.871

Lameira, V. D. J., Júnior, W. L. N., da Silva, P. P., da Motta, L. F. J., & Klötzle, M. C. (2010). Governança, risco e desempenho das companhias abertas brasileiras. Revista de Economia e Administração, 9(1).

Lipton, M., & Lorsch, J. W. (1992). A modest proposal for improved corporate governance. The business lawyer, pp. 59-77. Doi: 10.12691/jfa-2-4-2

Peixoto, F. M. (2012). Governança corporativa, desempenho, valor e risco: estudo das mudanças em momentos de crise. 2012. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Retrieved from http://cepead.face.ufmg.br/btd/files/360/a360t2

Rodrigues, A. T. L. (2003, Agosto). Governança Corporativa: Quando a transparência passa a ser uma exigência global. Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul. Gramado, RS, Brasil, 9.

Santos, J. F. & Leal, R. P. C. (2007) Práticas de Governança Corporativa em empresas familiares não-listadas de capital aberto. Anais do Encontro Brasileiro de Finanças, São Paulo, SP, Brasil, 7.

Silva, E. S., Santos, J. F., & Almeida, M. A. (2011). Conselho de Administração: uma análise da influência nos níveis de endividamento. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 13(41), pp. 440-453, Retrieved from http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=94722337005. Doi: 10.7819/rbgn.v13i41.835

Silveira, A. D. M. (2002). Governança corporativa, desempenho e valor da empresa no Brasil, Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Retrieved from http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-04122002-102056/en.php

Silveira, A. D. M., Barros, L. A. B. C., & Famá, R. (2003). Estrutura de governança e valor das companhias abertas brasileiras. RAE-Revista de Administração de Empresas, 43(3), pp. 50-64. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902003000300005

Shakir, R. (2008). Board size, executive directors and property firm performance in Malaysia. Pacific Rim Property Research Journal, 14(1), pp. 66-68.

Shleifer, A., & Vishny, R. W. (1997). A survey of corporate governance. The journal of finance, 52(2), pp. 737-783. doi:10.1111/j.1540-6261.1997.tb04820.x

Velnampy, T. (2013). Corporate governance and firm performance: a study of Sri Lankan manufacturing companies. Journal of Economics and Sustainable Development, 4(3), pp. 228-235.

Williamson, O. E. (1985) The Economic Institution of Capitalism. New York: The Free Press.

Publicado
31-03-2015
Como Citar
Paiva, J. F. M. de, de Oliveira, N. A., & Peixoto, F. M. (2015). A relação entre conselho de administração, desempenho, valor e risco no mercado brasileiro de ações. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 9(1). https://doi.org/10.17524/repec.v9i1.1168
Seção
Artigos