Análise das opiniões emitidas nas cartas comentários sobre o termo prudence

  • Victor Ranieri Bomfim Sampaio de Araújo
  • Ana karla de Lucena Gomes
  • Wenner Glaucio Lopes Lucena Professor da Universidade Federal da Paraíba – UFPB
  • Edilson Paulo Professor da Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Palavras-chave: Estrutura Conceitual, Prudência, Informação Contábil, Cartas-Comentários.

Resumo

Desde 2001, o International Accounting Standards Board (IASB) tem feito esforços para a revisão da Conceptual Framework ou Estrutura Conceitual (EC). Para tanto, emitiu os Discussion Papers (DP), objetivando coletar opiniões dos interessados em Contabilidade sobre diversos aspectos da EC. Dentre os pontos discutidos tem-se a inclusão ou não da prudência na EC. Portanto, este estudo objetiva analisar as opiniões emitidas nas cartas comentários em resposta aos DPs de 2006 e 2013 acerca da exclusão do termo prudência da EC. A pesquisa foi realizada pela análise de conteúdo de 420 cartas comentários (comment letters) encaminhadas ao IASB, sendo identificadas 176 que contém os termos prudence/conservatism, em que 117 dessas são a favor da inclusão do termo. Entre aqueles contrários à inserção, a justificativa prevalecente é a existência do conflito entre prudência e neutralidade. As opiniões dos respondentes também foram segregadas por localidade e grupos de interesses, constatando que os respondentes europeus são mais favoráveis à inclusão do termo, enquanto que a América Anglo-Saxônica é o que menos defende. No que diz respeito aos grupos de interesses, o que mais se mostrou a favor da inserção do termo foram os Preparadores, enquanto que as Instituições Financeiras foram os agentes mais desfavoráveis. Utilizando a Análise Kappa, observou-se que o grau de concordância de opinião entre os respondentes indica uma concordância fraca ao total das amostras, sugerindo que é preciso maior debate e reflexão sobre o tema.

Biografia do Autor

Victor Ranieri Bomfim Sampaio de Araújo
Bacharel em Ciências Contábeis pela UFAL Mestrando no Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis UnB/UFPB/UFRN
Ana karla de Lucena Gomes
Bacharela em Ciências Contábeis pela UFPB Mestrando no Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis UnB/UFPB/UFRN
Wenner Glaucio Lopes Lucena, Professor da Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Doutor em Ciências Contábeis pela UnB/UFPB/UFRN
Edilson Paulo, Professor da Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Doutor em Ciências Contábeis pela USP

Referências

Accounting Principles Board (1970). Basic Concepts and Accounting Principles Underlying Financial Statements of Business Enterprises. New York: The American Institute of Certified Public Accountants.

Andrade, A. P. de. (2009) Princípios e Normas Contábeis. In: Ribeiro Filho, J. F, Lopes, J, & Pederneiras, M. (Orgs.). Estudando Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Barth, M. E., Landsman, W. R. & Lang, M. H. (2008). International Accounting Standards and Accounting Quality. Journal of Accounting Research. 46(3), pp. 467-498. doi: 10.1111/j.1475-679X.2008.00287.x

Barth, M. E., Landsman, W. R., Lang, M. H. & Williams, C. (2012) Are IFRS-based and USGAAP-based accounting amounts comparable? Journal of Accounting and Economics. 54, pp. 68–93. doi:10.1016/j.jacceco.2012.03.001

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2011). Pronunciamento Conceitual Básico (R1): Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro. Brasília.

Deegan, C & Unerman, J. Financial Accounting Theory. 2ª. ed. London: McGraw-Hill, 2011.

Financial Accounting Standards Board [FASB] (1980). Statement of Financial Accounting Concepts N.º. 2: Qualitative Characteristics of Accounting Information. Norwalk: Financial Accounting Foundation.

Gebhardt, G, Mora, A, & Wagenhofer, A. (2014). Revisiting the Fundamental Concepts of IFRS. Abacus: A Journal of Accounting, Finance and Business Studies, Sydney, 50(1), pp. 107-116. doi: 10.1111/abac.12024

Giner, B., & Arce, M. (2012). Lobbying on accounting standards: evidence from IFRS 2 on share-based payments. European Accounting Review, 21(4), pp. 655-691. doi:10.1080/09638180.2012.701796

Godfrey, J, Hodgson, A, Holmes, S, & Tarca, A. (2010). Accounting theory. 7ª.ed New York: Wiley.

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M. F. (1999) Teoria da Contabilidade. trad. Antônio Zoratto Sanvicente. São Paulo: Atlas. Tradução de: Accounting theory.

International Accounting Standard Board [IASB] 2012. International Financial Reporting Standards IFRS (Red Book). London: IFRS Foundation.

International Accounting Standards Board [IASB] (2006). Preliminary Views on an improved Conceptual Framework for Financial Reporting: The Objective of Financial Reporting and Qualitative Characteristics of Decision-useful Financial Reporting Information DP/2006. London: IFRS Foundation.

International Accounting Standards Board [IASB] (2013). A review of the conceptual framework for financial reporting DP/2013/1. London: IFRS Foundation.

International Accounting Standards Board [IASB] (2015). Conceptual Framework. London: IFRS Foundation.

Landis, J. & Koch, G. (1977). The Measurement of Observer Agreement for Categorical Data. Biometrics, 33(1), pp. 159-174.

Larson, R. K, & Herz, P. J. (2013). A multi-issue/multi-period analysis of the geographic diversity of IASB comment letter participation. Accounting in Europe, 10(1), pp. 99-151. doi: 10.1080/17449480.2013.772716

Niyama, J. K, & Silva, C. A. T. (2011) Teoria da contabilidade. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

Paulo, E. (2002) Comparação da Estrutura Conceitual da Contabilidade Financeira: Experiência Brasileira, Norte-americana e Internacional. João Pessoa. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Programa Multiinstitucional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Unb/UFPB/UFPE/UFRN.

Saemann, G. (1999). An examination of comment letters filed in the U.S. financial accounting standard setting process by institutional interest groups. Abacus, 35(1), pp.1-28. doi: 10.1111/1467-6281.00032

Tavares, M. F. N., Anjos, L. C. M., Paulo, E., & Carter, D. (2013). Contribuições ao exposure draft revenue from contracts with costumers: análise das opiniões das firmas sobre a obrigação de desempenho onerosa. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ (Online), 18(2), pp. 81-99.

Teixeira, A. J. C, Costa, F. M. da, & Galdi, F. C. (2009) Princípios e Normas Contábeis. In: Ribeiro Filho, J. F, Lopes, J, & Pederneiras, M. (Org.). Estudando Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Watts, R. L. (2003) Conservatism in Accounting Part I: Explanations and Implications. Accounting Horizons, 17(3), pp. 207-221. doi: 10.2308/acch.2003.17.3.207

Zeff, S. A. (1999) The Evolution of The Conceptual Framework for Business Enterprises in The United States. Accounting Historians Journal, 26(2), pp. 89-131.

Zeff, S. A., & John B. (2000) Canning: A View of His Academic Career. Abacus: A Journal of Accounting, Finance and Business Studies, Sydney, 36(1), pp. 4-39. doi: 10.1111/1467-6281.00052

Publicado
29-06-2015
Como Citar
Araújo, V. R. B. S. de, de Lucena Gomes, A. karla, Lucena, W. G. L., & Paulo, E. (2015). Análise das opiniões emitidas nas cartas comentários sobre o termo prudence. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 9(2). https://doi.org/10.17524/repec.v9i2.1231
Seção
Artigos