EXTERNALIZAÇÃO: A ACADEMIA RESPONDE AS DÚVIDAS DA SOCIEDADE?

  • Gabriel Gruber Bandeira
  • Luiz Henrique Figueira Marquezan Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Carlos Alberto Diehl Professor Titular do PPG em Ciências Contábeis - UNISINOS
  • Maicon Manoel Benin
Palavras-chave: externalização, outsourcing, estudo bibliográfico

Resumo

Embasado no cenário brasileiro que debate os potenciais impactos da externalização das atividades organizacionais, o objetivo deste estudo é abordar as atuais discussões sobre externalização, por meio dos resultados de estudos empíricos acadêmicos. Para isso foi realizado o levantamento e a análise dos artigos publicados em revistas brasileiras de administração e ciências contábeis no período de 2011 a junho de 2015. Os 44 artigos analisados foram coletados das revistas com Qualis A1, A2 e B1, pelas palavras: outsourcing, externalização e terceirização. Após, estabelecidos os assuntos mais frequentes nas discussões sobre o tema no Brasil, tomando por base as abordagens da mídia, realizou-se uma análise sob a ótica da Teoria dos Stakeholders. Os resultados mostram que há uma produção acadêmica bastante significativa referente aos assuntos abordados e que as evidências reforçam mais o ponto de vista contrário à externalização do que os defensores da prática. O estudo contribui para a discussão sobre o tema diante da emergência do assunto para a sociedade brasileira, consolidando diversas evidências empíricas que contrapõem a decisão política atual.

Biografia do Autor

Gabriel Gruber Bandeira
Mestre em Ciências Contábeis - UNISINOS
Luiz Henrique Figueira Marquezan, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Professor de Ciências Contábeis Graduado em Ciências Contábeis Especialista em Controladoria e Finanças Mestre em Ciências Contábeis Doutorando em Ciências Contábeis
Carlos Alberto Diehl, Professor Titular do PPG em Ciências Contábeis - UNISINOS
Doutor em Engenharia de Produção(UFSC/HEC) Mestre em Engenharia de Produção (UFRGS)
Maicon Manoel Benin
Mestre em Ciências Contábeis - UNISINOS

Referências

Alexander, M. & Young, D. (1996). Outsourcing: where’s the value? Long Range Planning, 29(5), pp. 728-730. https://doi.org/10.1016/0024-6301(96)00069-6

Almeida, F. S. e S. de, Morrone, L. C., & Ribeiro, K. B. (2014). Tendências na incidência e mortalidade por acidentes de trabalho no Brasil, 1998 a 2008. Cadernos de Saúde Pública, 30(9), pp. 1957-1964. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00009213

Antelava, N. (2015). Made in America: are outsourced jobs really coming back? Recuperado em 15 fevereiro, 2015, de http://www.bbc.com/news/world-us-canada-31447904

Assunção, A. A., & Camara, G. R. (2011). A precarização do trabalho e a produção de acidentes na colheita de árvores. Caderno CRH, 24(62), pp. 385-396. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792011000200010

Baron J. N. & Kreps D. M. (1999). Strategic human resources: frameworks for general managers. New York: Wiley.

Barrucho, L. G. (2015). Câmara vota projeto que regulamenta terceirização. Recuperado em 21 junho, 2015, de http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/04/150402_projeto_lei_

terceirizacao_ms_lgb

Belcourt, M. (2006). Outsourcing - the benefits and the risks. Human resource management review, 16(2), pp. 269-279. https://doi.org/10.1016/j.hrmr.2006.03.011

Besanko, D., Dravone. D., Shanley M. & Schaefer, S. (2007). A economia da estratégia. Porto Alegre: Bookman Companhia Editora.

Bielski, L. (2006). Outsourcing success: it's all in the governance: making deals work daily takes a long-term view. ABA Banking Journal, 98, pp. 38-42.

Bower, D. J. & Keogh, W. (1997). Conflict and cooperation in technology based alliances. International Journal of Innovation Management, 1(4), pp. 387-409. https://doi.org/10.1142/S136391969700019X

Calderón, A. I., & Lourenço, H. da S. (2011). Ensino superior privado: expansão das cooperativas de mão de obra docente. Cadernos de Pesquisa, 41(143), pp. 642-659. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742011000200015

Carnevalli, J. A., Miguel, P. A. C., & Salerno, M. S. (2013). Aplicação da modularidade na indústria automobilística: análise a partir de um levantamento tipo survey. Production, 23(2), pp. 329-344. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132012005000040

Cavallini, M. (2015). Entenda o projeto de lei da terceirização aprovado na Câmara. Recuperado em 21 junho, 2015, de http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2015/04/entenda-o-projeto-de-lei-da-terceirizacao-que-sera-votado.html

Cervo, A. L & Bervian, P. A. (2002). Metodologia científica (5a ed.). São Paulo: Prentice Hall.

Donaldson, T. & Preston, L. (1995). The stakeholder theory of the corporation: concepts, evidence and implications. Academy of Management Review, 20(1), pp. 65-91. https://doi.org/10.2307/258887

Earl, M. (1996). The risks of outsourcing IT. MIT Sloan Management Review, pp. 26-32. Recuperado em 23 junho, 2015, de http://sloanreview.mit.edu/article/the-risks-of-outsourcing-it/

Freeman, R, & McVea, J. (2000). A stakeholder approach to strategic management. In: Hitt, M.; Freeman, R. & Harrison, J. Handbook of Strategic Management. Oxford: Blackwell Publishing, pp. 189-207.

Freytag, P. V., Clarke H. A. & Evald, M. R. (2012). Reconsidering outsourcing solutions. European Management Journal, 30(2), pp. 99-110.

Furtado, R. A., Carrieri, A. de P., & Bretas, P. F. F. (2014). Humor na internet: trabalhadores utilizam nova estratégia para protestar contra demissões e terceirizações. Revista de Administração, 49(1), p. 33-44. http://dx.doi.org/10.5700/rausp1129

Gilley, K. M., Greer, C. R. & Rasheed, A. A. (2004). Human resource outsourcing and organizational performance in manufacturing firms. Journal of Business Research, 57(3), pp. 232-240. https://doi.org/10.1016/S0148-2963(02)00304-1

Guimarães, C. M., & Carvalho, J. C. de. (2012). Terceirização em cuidados continuados–uma abordagem de gestão de risco. Ciência & Saúde Coletiva. 17(5), p. 1179-1190. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000500012

Hamel, G. (1991). Competition for competence and interpartner learning within international strategic alliances. Strategic Management Journal, 12, pp. 83-103.

Hirata, H. (2011). Tendências recentes da precarização social e do trabalho: Brasil, França, Japão. Caderno CRH, 24(1), pp. 15-22. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792011000400002

Hoecht, A. & Trott, P. (2006). Innovation risks of strategic outsourcing. Technovation, 26(5-6), pp. 672-681. https://doi.org/10.1016/j.technovation.2005.02.004

Jennings, D. (1997). Strategic guidelines for outsourcing decisions. Journal of Strategic Change, 6, pp. 85-96. https://doi.org/10.1002/(SICI)1099-1697(199703)6:2%3C85::AID-JSC260%3E3.0.CO;2-U

Kakabadse, A. & Kakabadse, N. (2002). Trends in outsourcing: contrasting USA and Europe. European Management Journal, 20(2), pp. 189-198. https://doi.org/10.1016/S0263-2373(02)00029-4

Lacity, M. & Hirschheim, R. (1993a). The information systems outsourcing bandwagon. Sloan Management Review, pp. 73-86.

______. (1993b). Information systems outsourcing. Wiley: New York.

Lacorte, L. E. C., Vilela, R. A. G., Silva, R. de C., Chiesa, A. M., Tulio, E. S., Franco, R. R., & Bravo, E. S. (2013). Os nós da rede para erradicação do trabalho infanto-juvenil na produção de joias e bijuterias em Limeira – SP. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 38(128), pp. 199-215. http://dx.doi.org/10.1590/S0303-76572013000200009

Lei 13.429, de 31 de março de 2017 (2017). Altera dispositivos da Lei no 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe sobre as relações de trabalho na empresa de prestação de serviços a terceiros. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Presidência da República.

Li, G., Huang, F. F., Cheng, T. C. E., Zheng, Q.; & Ji, P. (2014). Make-or-buy service capacity decision in a supply chain providing after-sales service. European Journal of Operational Research, 239(2), pp. 377-388. https://doi.org/10.1016/j.ejor.2014.05.035

Magalhães, Y. T., Carvalho Neto, A., & Saraiva, L. A. S. (2011). Práticas gerenciais relacionadas à qualificação de trabalhadores terceirizados: um estudo de caso no setor de mineiração. Organizações & Sociedade. 18(57), pp. 227-244.

Martins, R. S., & Xavier, W. S. (2011). Atributos do serviço de transporte no relacionamento indústria-varejo. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 13(39), pp. 193-204.

Marsiglia, R. M. G. (2011). Perfil dos trabalhadores da atenção básica em saúde no município de São Paulo: região norte e central da cidade. Saúde e Sociedade, 20(4), pp. 900-911. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000400008

Oliveira Neto, C. de, Contador, J. C., Shibao, F. Y., & Vendrametto, O. F. (2013). Método para hierarquizar os critérios e indicadores de desempenho para contratação de operador logístico: estudo de caso no ramo metalúrgico. Exacta, 11(3), pp. 259-283. http://dx.doi.org/10.5585/ExactaEP.v11n3.4266

Osterne, M. do S. F., & Miranda, F. da S. (2014). Análise dos modelos de gestão adotados no Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira II (IPPOO-II) na gestão compartilhada e pelo estado do Ceará. Revista Meta: Avaliação, 6(16), pp. 1-28.

Padilha, V. (2014). Nojo, humilhação e controle na limpeza de shopping centers no Brasil e no Canadá. Caderno CRH, 27(71), pp. 329-346. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792014000200008

Pessanha, E. G. da F., & Artur, K. (2013). Direitos trabalhistas e organização dos trabalhadores num contexto de mudanças no mundo do trabalho: efeitos sobre os trabalhadores da saúde. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 18(6), pp. 1569-1580. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000600009

Prado, E. P. V., & Cristofoli, F. (2012). Resultados da terceirização da tecnologia da informação em organizações brasileiras. Gestão & Regionalidade, 28(84), pp. 77-88.

Projeto de Lei 4.330, de 20 de outubro de 2004 (2004). Dispõe sobre os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles decorrentes. Recuperado em 01 maio, 2015, de http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=267841

Quelin, B. & Duhamel F. (2003). Bringing together strategic outsourcing and corporate strategy: outsourcing motives and risks. European Management Journal, 2(5), pp. 647-661. https://doi.org/10.1016/S0263-2373(0)00113-0

Quinn, J. & Hilmer, F. (1994). Strategic outsourcing. Sloan Management Review. Summer, pp. 43-55.

Reich, R. (2015). How the New Flexible Economy is Making Workers’ Lives Hell. Recuperado em 21 junho, 2015, de http://robertreich.org/post/116924386855

Santos, M. A. B. dos, Moraes, R. M. de, & Passos, S. R. L. (2012). Indicadores de desempenho e decisão sobre terceirização em rede pública de laboratórios. Revista de Saúde Pública, 46(3), pp. 456-465. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012005000028

Schneider, L. C., Diehl C. A. & Hansen, P. B. (2011). Análise da cadeia de valor em duas empresas do setor calçadista. Revista Gestão Industrial. 7(3), pp. 179-198. https://doir.org/10.3895/S1808-04482011000300011

Shahani, R. (2007). Good outsourcing requires good governance. Supply Chain Management Review. 11, pp. 15-16.

Skaf, P. & Freitas, V. (2015). O Projeto que amplia a terceirização traz benefícios? Recuperado em 21 junho, 2015, de http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,o-projeto-que-amplia-a-terceirizacao-traz-beneficios-imp-,1670701

Souza, M. C., Bacic, J. M. & Rabelo, F. M. (1995). Flexibilidade, exploração de inter-relações e aprendizado organizacional: referências para a gestão estratégica de custos. Anais do II Congresso Brasileiro de Custos, Campinas, SP, Brasil.

Terceirizado (2015). Terceirizado ‘trabalha 3 horas a mais, ganha 25% a menos e fica 3,1 anos a menos no emprego’. Recuperado em 23 junho, 2015, de http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/terceirizado-trabalha-3-horas-a-mais-ganha-25-a-menos-e-fica-31-anos-a-menos-no-emprego/

Vanalle, R. M. (2011). Relacionamento cliente-fornecedor: evidências de estudos sobre a indústria automobilística. Exacta, 9(1), pp. 13-28.

Veltri, N. F., Saunders, C. S. & Kavan, C. B. (2008). Information systems backsourcing: Correcting problems and responding to opportunities. California Management Review, 51(1), pp. 50-76. https://doi.org/10.2307%2F41166468

Whitten, D. & Leidner, D. (2006). Bringing IT back: an analysis of the decision to backsource or switch vendors. Decision Sciences. 37(4), pp. 605-621. https://doi.org/10.1111/j.1540-5414.2006.00140.x

Publicado
26-11-2018
Como Citar
Bandeira, G., Marquezan, L., Diehl, C., & Benin, M. (2018). EXTERNALIZAÇÃO: A ACADEMIA RESPONDE AS DÚVIDAS DA SOCIEDADE?. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 12(4). https://doi.org/10.17524/repec.v12i4.1598
Seção
Artigos