A relevância da estrutura de capital no desempenho das firmas: uma análise multivariada das empresas brasileiras de capital aberto

  • Luiz Kennedy Cruz Machado Universidade Federal de Lavras - UFLA
  • José Willer do Prado Universidade Federal de Lavras - UFLA
  • Kelly Carvalho Vieira Professora da Universidade Federal de Viçosa - UFV
  • Luiz Marcelo Antonialli Professor da Universidade Federal de Lavras
  • Antônio Carlos dos Santos Professor da Universidade Federal de Lavras
Palavras-chave: Estrutura de capital, Teorias financeiras, Desempenho das firmas.

Resumo

As mudanças econômicas ocorridas nos últimos anos tornaram a dinâmica do mercado brasileiro mais complexo, o que impacta diretamente na administração de grandes organizações, principalmente em tarefas de cunho gerencial, como é o caso das decisões referentes à definição da estrutura de capital. Contudo, a literatura desse campo teórico está polarizada em dois trabalhos seminais: o primeiro, de Durand (1952, 1959), aborda a existência de uma estrutura ótima de capital que maximiza o valor da firma; e, no outro extremo, o trabalho de Modigliani e Miller (1958, 1963) considera que o modo como as firmas se financiam é irrelevante. Nesse sentido, o objetivo foi verificar a efetiva interferência da estrutura de capital no desempenho das firmas brasileiras listadas na BM&FBOVESPA. A amostra se constituiu em dados de corte transversal (cross section) e foram selecionados dos últimos balanços de todas as empresas listadas na BM&FBOVESPA, disponíveis na base de dados Economática®. As técnicas utilizadas foram a análise de variância (ANOVA) e a análise discriminante. Entre os indicadores utilizados, observou-se que apenas a liquidez geral, o grau de imobilização, a Q de Tobin, e a oportunidade de crescimento, foram significativas a 1%. Os resultados encontrados indicam que a estrutura de capital não está diretamente relacionada com o desempenho das firmas brasileiras listadas na BM&FBOVESPA. Nesse ínterim, os resultados apontam para a consolidação das teorias financeiras expostas por Modigliani e Miller (1958, 1963) em oposição à corrente tradicionalista iniciada nos estudos de Durand (1952).

Biografia do Autor

Luiz Kennedy Cruz Machado, Universidade Federal de Lavras - UFLA
Mestrando em Administração pela Universidade Federal de Lavras – UFLA
José Willer do Prado, Universidade Federal de Lavras - UFLA
Mestrando em Administração pela Universidade Federal de Lavras – UFLA
Kelly Carvalho Vieira, Professora da Universidade Federal de Viçosa - UFV
Mestre em Administração pela Universidade Federal de Lavras – UFLA
Luiz Marcelo Antonialli, Professor da Universidade Federal de Lavras
Doutor em Administração pela Universidade de São Paulo – USP
Antônio Carlos dos Santos, Professor da Universidade Federal de Lavras
Doutor em Administração pela Universidade de São Paulo – USP

Referências

Abhijit, D. (2013). Lemon Problem and Pecking Order theory: An Investigation on Indian Corporate sector. Vilakshan: The XIMB Journal of Management, 10(2), pp. 73-82.

Albanez, T. (2012). Efeitos do market timing sobre a estrutura de capital de companhias abertas brasileiras.Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Almeida, M. A. (2014). Estrutura de capital e divulgação voluntária de informações de responsabilidade social corporativa das empresas brasileiras. Tese de doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Andersen, T. J. (2005). Risk management, capital structure, and performance: a real options perspective. Global Business & Economics Anthology, 24(2), pp. 1-19.

Angonese, R., dos Santos, P. S. A., & Lavarda, C. E. F. (2011). Valor Econômico Agregado (VEA) e estrutura de capital em empresas do IBRX 100. ConTexto, 11(20), pp. 7-17.

Assaf Neto, A. (2009). Finanças corporativas e valor (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Atiyet, B. A. (2012). The Pecking Order Theory and the Static Trade Off Theory: Comparison of the Alternative Explanatory Power in French Firms. Journal of Business Studies Quarterly, 4(1), pp. 1-14.

Baker, M., & Wurgler, J. (2002). Market timing and capital structure. Journal of Finance, 57(1), pp. 1-32. doi: 10.1111/1540-6261.00414

Bartholdy, J., Mateus, C., & Olson, D. (2015). Do Portuguese private firms follow pecking order financing? European Journal of Finance, 21(10/11), pp. 848-866. doi: 10.1080/1351847X.2012.706815

Bastos, D. D.; Nakamura, W. T. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas no Brasil, México e Chile no período 2001-2006. Revista Contabilidade & Finanças-USP, 20(50), pp. 75-94.

Bezerra, F. A., & Corrar, L. J. (2006). Utilização da análise fatorial na identificação dos principais indicadores para avaliação do desempenho financeiro: uma aplicação nas empresas de seguros. Revista de Contabilidade e Finanças–USP, (42), pp. 50-62.

Bonacim, C. A. G., Ambrozini, M. A., & Nagano, M. S. (2006). Estudo de causalidade entre alavancagem financeira e eficiência operacional das empresas brasileiras de capital aberto no período de 1996 a 2004-2006. FIPECAFI Pesquisa Contábil e Desenvolvimento Econômico Social, pp. 1-16.

Braga, R., Nossa, V., & Marques, J. A. V. D. C. (2004). Uma proposta para a análise integrada da liquidez e rentabilidade das empresas. Revista Contabilidade & Finanças, 15(SPE), pp. 51-64.

Bressan, V. G. F., Bressan, A. A., Lima, J. E. D., & Braga, M. J. (2008). Análise da alavancagem das empresas de capital aberto do agronegócio brasileiro: uma abordagem usando Logit Multinomial. Revista de Economia e Agronegócio (REA), 6(1), pp. 51-80.

Brusov, P., Filatova, T., Orehova, N., & Brusova, N. (2011). Weighted average cost of capital in the theory of Modigliani-Miller, modified for a finite lifetime company. Applied Financial Economics, 21(11), pp. 815-824. doi: 10.1080/09603107.2010.537635

Canarella, G., Nourayi, M., & Sullivan, M. J. (2014). An alternative test of the trade-off theory of capital structure. Contemporary Economics, 8(4), pp. 365-386. doi: 10.5709/ce.1897-9254.151

Casey, C. (2012). Capital Structure Analysis and the Trade-Off Theory - Theoretical Considerations and Empirical Findings from the German DAX 30 Companies. Betriebswirtschaftliche Forschung und Praxis, 64(2), pp. 163-189.

Chen, D. H., Chen, C. D., Chen, J. G., & Huang, Y. F. (2013). Panel data analyses of the pecking order theory and the market timing theory of capital structure in Taiwan. International Review of Economics & Finance, 27, pp. 1-13. doi: 10.1016/j.iref.2012.09.011

Corrar, L. J., Paulo, E., & Dias Filho, J. M. (2007). Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas.

Correa, C. A., Cruz Basso, L. F., & Nakamura, W. T. (2013). The capital structure of largest brazilian firms: an empirical analysis of the pecking order and trade-off theories, using panel data. RAM-Revista de Administracao Mackenzie, 14(4), pp. 106-133.

Cruz, A. P. C. D., Mendes, R. D. C., Espejo, M. M. D. S. B., & Dameda, A. D. N. (2008). A estrutura de capital de empresas do sul brasileiro como um condicionante à rentabilidade – Um estudo empírico à luz de teorias financeiras. Sinergia, 12(2), pp. 9-20.

Daher, C. E. (2004). Testes empíricos de teorias alternativas sobre a determinação da estrutura de capital das empresas brasileiras. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Damodaran, A. (2004). Finanças corporativas: teoria e prática (2ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Donaldson, G. (1961). Corporate debt capacity: A study of corporate debt policy and the determination of corporate debt capacity. Boston: Harvard Graduate School of Business Administration.

Durand, D. (1952). Costs of debt and equity funds for business: trends and problems of measurement. Paper presented at the Conference on research in business finance. NBER. pp. 215-262.

Durand, D. (1959). The Cost of Capital, Corporation Finance, and the Theory of Investment: Comment. American Economic Review, 49(4), pp. 639-655.

Ferreira, L. D. S., & Brasil, H. (1997). Estrutura de capital: um teste preliminar da “pecking order hypothesis”. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 21.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatistica usando o SPSS (2ª ed.). Bookman.

Forte, D. (2007). Estudo sobre a estrutura de capital das empresas brasileiras no período pós-Plano Real (1995-2005). Tese de Doutorado, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP, Brasil.

Futema, M. S., Basso, L. F. C., & Kayo, E. K. (2009). Estrutura de capital, dividendos e juros sobre o capital próprio: testes no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças. 20(49), pp. 44-62.

Ghazouani, T. (2013). The Capital Structure Through the Trade-Off Theory: Evidence from Tunisian Firm. International Journal of Economics and Financial Issues, 3(3), pp. 625-636.

Gomes, G. L. (1999). Determinantes da estrutura de capitais das empresas brasileiras com ações negociadas em bolsas de valores. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Groppelli, A. A., & Nikbakht, E. (2002). Administração financeira (2a ed.). São Paulo: Saraiva.

Grzebieluckasa, C., Marconb, R., Albertonc, A., & Bandeira-de-Mellod, R. (2008). A estrutura de capital e a performance das firmas: uma análise empírica em companhias abertas no Brasil. Revista Brasileira de Estratégia, 1(1), pp. 73-88.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman.

Hovakimian, A., Kayhan, A., & Titman, S. (2012). Are Corporate Default Probabilities Consistent with the Static Trade-off Theory? Review of Financial Studies, 25(2), pp. 315-340. doi: 10.1093/rfs/hhr101

Islam, S. Z., & Khandaker, S. (2015). Firm leverage decisions: Does industry matter? North American Journal of Economics & Finance, 31, 94-107. doi: 10.1016/j.najef.2014.10.005

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), pp. 305-360. doi: 10.1016/0304-405X(76)90026-X

Mangafić, J., & Martinović, D. (2015). The firm-specific determinants of the target capital structure: Evidence from Bosnia and Herzegovina panel data. Mediterranean Journal of Social Sciences, 6(2S5), pp. 188-198. doi: 10.5901/mjss.2015.v6n2s5p188

Martins, A. I., & Famá, R. (2012). O que revelam os estudos realizados no Brasil sobre política de dividendos? Rae-Revista De Administracao De Empresas, 52(1), pp. 24-39.

Matarazzo, D. C. (2007). Analise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Modigliani, F., & Miller, H. M. (1958). The cost of capital, corporation finance and the theory of investment. The American Economic Review, 48(3), pp. 261-297. doi: 10.2307/1809766

Modigliani, F., & Miller, H. M. (1959). The cost of capital, corporation finance, and the theory of investment: reply. The American Economic Review, 55(3), pp. 524-527. doi: 10.2307/1814566

Modigliani, F., & Miller, H. M. (1963). Corporate Income Taxes and the Cost of Capital: A Correction. The American Economic Review, 53(3), pp. 433-443. doi: 10.2307/1809167

Mukherjee, S., & Mahakud, J. (2012). Are Trade-off and Pecking Order Theories of Capital Structure Mutually Exclusive? Journal of Management Research (09725814), 12(1), pp. 41-55.

Myers, S. C. (1984). The capital structure puzzle. Journal of Finance, 39(3), pp. 575-592. doi: 10.2307/2327916

Myers, S. C. (2001). Capital structure. Journal of Economic Perspectives, 15(2), pp. 81-102. doi: 10.1257/jep.15.2.81

Myers, S. C., & Majluf, N. S. (1984). Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, 13(2), pp. 187-221. doi: 10.1016/0304-405X(84)90023-0

Nisiyama, E. K., & Nakamura, W. T. (2014). Pesquisas Internacionais Recentes Em Estrutura De Capital. Anais do Seminário em Administração, SEMEAD, São Paulo, SP, Brasil. 17.

Oliveira, L., & Antonialli, L. M. (2004). Uso da estrutura de capital por empresas agroindustriais. Organizações Rurais & Agroindustriais, 6(2), pp. 134-148.

Padoveze, C. L. (2003). Controladoria estratégica e operacional: conceitos, estrutura, aplicação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Perobelli, F. F. C., & Famá, R. (2002). Determinantes da estrutura de capital: aplicação a empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 37(3), pp. 33-46.

Pessanha, G. R. G., Calegario, C. L. L., Safadi, T., & De Azara, L. N. (2012). Impactos das estratégias de fusão e aquisição na rentabilidade dos bancos adquirentes: uma aplicação dos modelos de intervenção no setor bancário brasileiro. RAM, REV. ADM. Mackenzie, 13(5), pp. 101-134.

Pirtea, M., Nicolescu, C., & Boţoc, C. (2014). Do romanian companies follow pecking order financing? Economic Computation & Economic Cybernetics Studies & Research, 48(1), pp. 1-15.

Pohlmann, M. C., Aguiar, A. B. D., Bertolucci, A., & Martins, E. (2004). Impacto da especificidade de ativos nos custos de transação, na estrutura de capital e no valor da empresa. Revista Contabilidade & Finanças, 15(SPE), pp. 24-40.

Rajan, R. G. (2012). Presidential Address: The Corporation in Finance (Vol. 67, pp. 1173-1217): Wiley-Blackwell. doi: 10.1111/j.1540-6261.2012.01745.x

Rajan, R. G., & Zingales, L. (1995). What Do We Know about Capital Structure? Some Evidence from International Data. Journal of Finance, 50(5), pp. 1421-1460. doi: 10.1111/j.1540-6261.1995.tb05184.x

Ross, S. A. (1977). The determination of financial structure: the incentive-signalling approach. The bell journal of economics, pp. 23-40. doi: 10.2307/3003485

Ross, S. A., Westerfield, R. W., & Jaffe, J. F. (2007). Administração Financeira (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Serrasqueiro, Z., & Caetano, A. (2015). Trade-Off Theory versus Pecking Order Theory: capital structure decisions in a peripheral region of Portugal. Journal of Business Economics and Management, 16(2), pp. 445-466. doi: 10.3846/16111699.2012.744344

Silva Junior, F. P. D. (2012). A estrutura do capital das PME'S e das grandes empresas: uma análise comparativa. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Portugal. Recuperado de https://eg.sib.uc.pt/handle/10316/20000

Silva, S. S. F. P. J. (2013) A estrutura de financiamento das empresas não financeiras do PSI 20. Dissertações de mestrado, Escola Superior de Ciências Empresariais, IPS - Instituto Politécnico de Setúbal, Portugal. Recuperado de http://hdl.handle.net/10400.26/6197

Sirihal, A. B., & Melo, A. A. (1999). Estrutura de capital: benefícios e contra-benefícios fiscais do endividamento. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 23.

Terra, P. R. S. (2002). An empirical investigation on the determinants of capital structure in Latin America. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 26.

Titman, S., & Wessels, R. (1988). The determinants of capital structure choice. The journal of Finance, 43(1), pp. 1-19. doi: 10.1111/j.1540-6261.1988.tb02585.x

Virgillito, S. B., & Famá, R. (2008). Estatística multivariada na construção de modelos para análise do risco de crédito e previsão de insolvência de empresas. Revista Integração, 53(13), pp. 105-118.

Zou, H., & Xiao, J. Z. (2006). The financing behaviour of listed Chinese firms. British Accounting Review, 38(3), pp. 239-258. doi: 10.1016/j.bar.2006.04.008

Publicado
26-01-2016
Como Citar
Machado, L. K., do Prado, J., Vieira, K., Antonialli, L., & dos Santos, A. (2016). A relevância da estrutura de capital no desempenho das firmas: uma análise multivariada das empresas brasileiras de capital aberto. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 9(4). https://doi.org/10.17524/repec.v9i4.1313
Seção
Artigos