A Relação entre a estrutura de propriedade e o custo da dívida captada via emissão de debêntures no Brasil

  • Jonatan Marlon Konraht Universidade Federal do Paraná - UFPR e Instituto Federal do Rio Grande do Sul
  • Silvia Consoni Universidade Federal do Paraná - UFPR
  • Marcos Wagner da Fonseca Universidade Federal do Paraná - UFPR
Palavras-chave: Custo da dívida, Custos da Emissão de Debêntures, Custos de Agência, Estrutura de Propriedade, Concentração Acionária

Resumo

Objetivo: Esta pesquisa teve como objetivo identificar a relação entre a estrutura de propriedade/controle das empresas e o custo da captação de dívida via emissão de debêntures.

Método: Foram examinadas as características de concentração de controle, concentração de propriedade e diferença entre controle e propriedade, em relação à taxa de juros (spread) paga pelas companhias de capital aberto na emissão de debêntures entre 2011 e 2018. Os dados foram analisados por meio de regressões lineares e quadráticas.

Resultados: Os resultados encontrados sugerem que, dentre as características de estrutura de propriedade/controle analisadas, somente a concentração de controle é relevante para os debenturistas no momento da precificação dos títulos.

Contribuições: A pesquisa contribui à literatura ao evidenciar que a relação entre concentração de controle e spread é quadrática. Assim, até certo ponto, o aumento da concentração de controle se reflete no aumento do custo da dívida; porém, quando essa concentração se torna muito elevada, os credores a interpretam como algo benéfico, reduzindo o custo da dívida. Tais resultados sugerem tanto os efeitos positivos e negativos decorrentes da concentração de controle estão presentes na captação de dívida; porém, os benefícios tendem a se manifestar apenas quando a concentração de controle se torna elevada.

Biografia do Autor

Jonatan Marlon Konraht, Universidade Federal do Paraná - UFPR e Instituto Federal do Rio Grande do Sul

Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Mestre em Contabilidade pela Universidade de Santa Catarina (UFSC). Doutorando em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor de Finanças do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul.

Silvia Consoni, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Professora do Departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Paraná. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da UFPR. Possui mestrado em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (2014). Graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Santa Catarina (2011) e graduação em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (2007).

Marcos Wagner da Fonseca, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo (1993), Mestre em Teoria Econômica pela Universidade Estadual de Maringá (2002) e Doutor em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Paraná (2008). Atualmente é professor adjunto do Departamento de Administração Geral e Aplicada da Universidade Federal do Paraná, atuando no ensino de graduação e pós-graduação. Atua como Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da UFPR.

Referências

Aldrighi, D. M. & Mazzer Neto, R. (2007). Evidências sobre as estruturas de propriedade de capital e de voto das empresas de capital aberto no Brasil. Revista Brasileira de Economia, 61(2), pp. 129-152. doi: 10.1590/S0034-71402007000200001.
Anderson, R. C., Mansi, S. A., & Reeb, D. M. (2003). Founding family ownership and the agency cost of debt. Journal of Financial economics, 68(2), pp. 263-285. doi: 10.1016/S0304-405X(03)00067-9.
Ashbaugh-Skaife, H., Collins, D. W., & LaFond, R. (2006). The effects of corporate governance on firms’ credit ratings. Journal of Accounting and Economics, 42(1–2), pp. 203–243. doi: 10.1016/j.jacceco.2006.02.003.
Aslan, H. & Kumar, P. (2012). Strategic ownership structure and the cost of debt. The Review of Financial Studies. 25(7), pp. 2257-2299. doi: 10.1093/rfs/hhs062.
Bebchuk, L., Kraakman, R., Triantis, G., 2000. Stock pyramids, cross ownership, dual-class equity: The creation and agency costs of separating control from cash flow rights. In: Morck, R.K. (Ed.), Concentrated corporate ownership. University of Chicago Press, Chicago, pp. 295–318. doi: 10.3386/w6951.
Bharath, S. T., Sunder, J., & Sunder, S. V. (2008). Accounting Quality and Debt Contracting. The Accounting Review, 83(1), pp. 1–28. doi: 10.2308/accr.2008.83.1.1
Boubakri, N. & Ghouma, H. (2010). Control/ownership structure, creditor rights protection, and the cost of debt financing: International evidence. Journal of Banking and Finance, 34(10), pp. 2481-2499. doi: 10.1016/j.jbankfin.2010.04.006.
Bozec, Y., Laurin, C., & Meier, I. (2014). The relation between excess control and cost of capital. International Journal of Managerial Finance, 10(1), pp. 93–114. doi: 10.1108/IJMF-12-2010-0095.
Byun, H.-Y., Choi, S., Hwang, L.-S. S., & Kim, R. G. (2013). Business group affiliation, ownership structure, and the cost of debt. Journal of Corporate Finance, 23, pp. 311–331. doi: 10.1016/j.jcorpfin.2013.09.003.
Caixe, D. F., & Krauter, E. (2013). A Influência da Estrutura de Propriedade e Controle sobre o Valor de Mercado Corporativo no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 24, pp. 142–153. doi: 10.1590/S1519-70772013000200005.
Claessens, S., Djankov, S., Fan, J. P. H., & Lang, L. H. P. (2002). Disentangling the Incentive and Entrenchment Effects of Large Shareholdings. The Journal of Finance, 57(6), pp. 2741–2771. doi: 10.1111/1540-6261.00511.
Cronqvist, H., & Nilsson, M. (2003). Agency costs of controlling minority shareholders. The Journal of Financial and Quantitative Analysis, 38(4), pp. 695–719. doi: 10.2307/4126740.
Guedhami, O., & Mishra, D. (2009). Excess Control, Corporate Governance and Implied Cost of Equity: International Evidence. The Financial Review, 44(4), pp. 489–524. doi: 10.1111/j.1540-6288.2009.00227.x
Jensen, M. C. (1986). Agency costs of free cash flow, corporate finance, and takeovers. The American Economic Review, 76(2), pp. 323-329. doi: 10.2139/ssrn.99580
Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), pp. 305–360. doi: 10.1016/0304-405X(76)90026-X.
Jiraporn, P., Chintrakarn, P., Kim, J. C., & Liu, Y. (2013). Exploring the Agency Cost of Debt: Evidence from the ISS Governance Standards. Journal of Financial Services Research, 44(2), pp. 205–227. doi: 10.1007/s10693-012-0142-2.
Klock, M., Mansi, S., & Maxwell, W. (2005). Does corporate governance matter to bondholders. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 40, pp. 693–720. doi: 10.1017/S0022109000001940.
Konraht, J. M. (2017). Determinantes da utilização dos covenants contábeis nas debêntures emitidas pelas empresas listadas na BM&FBOVESPA (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/178713/347921.pdf?sequence=1&isAllowed=y
Konraht, J. M., Camargo, R. V. W. & Vicente, E. F. R. (2016). Excesso de controle acionário: um estudo do seu reflexo sobre o custo da dívida das empresas brasileiras de capital aberto. Enfoque: Reflexão Contábil, 35(2), pp. 105–121. doi: 10.4025/enfoque.v35i2.31371.
Lin, C., Ma, Y., Malatesta, P., & Xuan, Y. (2011). Ownership structure and the cost of corporate borrowing. Journal of Financial Economics, 100(1), pp. 1–23. doi: 10.1016/j.jfineco.2010.10.012.
Lugo, S. (2019). Insider ownership and the cost of debt capital: Evidence from bank loans. International Review of Financial Analysis, 63(5), pp. 357-368. doi: 10.1016/j.irfa.2016.12.007.
Myers, S. C. (1977). Determinants of corporate borrowing. Journal of Financial Economics, 5(2), pp. 147–175. doi: 10.1016/0304-405X(77)90015-0.
Okimura, R. T., Silveira, A. D. M., & Rocha, K. C. (2007). Estrutura de Propriedade e Desempenho Corporativo no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 1(1), pp. 119–135.
Sheng, H. H., & Saito, R. (2005). Determinantes de spread das debêntures no mercado brasileiro. Revista de Administração, 40(2), pp. 193–205.
Shleifer, A. & Vishny, R. (1997). A survey of corporate governance. Journal of Finance, 52, pp. 737– 783. doi: 10.1111/j.1540-6261.1997.tb04820.x
Silveira, A. M., Barros, L. A. B. & Famá, R. (2008). Atributos corporativos e concentração acionária no Brasil. Revista de Administração de Empresas, 48(2), pp. 51-66. doi: 10.1590/S0034-75902008000200005.
Steijvers, T., Voordeckers, W. (2009). Private Family Ownership and the Agency Costs of Debt. Family Business Review, 22(4), pp. 333–346. doi: 10.1177/0894486509338291.
Publicado
28-06-2020
Como Citar
Konraht, J. M., Consoni, S., & Fonseca, M. W. da. (2020). A Relação entre a estrutura de propriedade e o custo da dívida captada via emissão de debêntures no Brasil. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 14(2). https://doi.org/10.17524/repec.v14i2.2533
Seção
Artigos