Presença do Gênero Feminino entre os Discentes dos Programas de Pós-Graduação de Ciências Contábeis no Brasil

Daniele Cristina Bernd, Marcielle Anzilago, Ilse Maria Beuren

Resumo


Objetivo: apesar de existirem movimentos em direção à igualdade de gêneros quanto ao acesso à educação e às oportunidades no mercado de trabalho, a escassa presença da mulher em profissões que no passado eram, predominantemente, masculinas ainda pode persistir. Assim, este estudo objetiva verificar a presença do gênero feminino entre os discentes dos programas de pós-graduação em Ciências Contábeis do Brasil, no período de 2010 a 2016.

Método: na Plataforma Sucupira, foram selecionados os 26 cursos de mestrado acadêmico, os 5 de mestrado profissional e os 13 de doutorado em Ciências Contábeis credenciados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), e com dados disponíveis para a pesquisa até 2016. Nesses, identificou-se um total de 3.013 discentes ingressantes, 2.058 de mestrado acadêmico, 530 de mestrado profissional e 451 de doutorado.

Resultados: os resultados da pesquisa indicam que o número de discentes do gênero feminino ingressantes nos programas de pós-graduação em Ciências Contábeis no Brasil são inferiores ao de discentes do gênero masculino, no período analisado, com visíveis diferenças regionais.

Contribuições: conclui-se que a presença do gênero feminino entre os discentes dos programas pesquisados tem evoluído, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido para alcançar a igualdade de gêneros, o que é especialmente relevante se for considerado que isso pode se refletir em posteriores oportunidades de trabalho, uma lacuna de pesquisa a ser investigada.

Palavras-chave


Gênero feminino; Programas de Pós-Graduação; Ciências Contábeis

Texto completo:

PORTUGUÊS ENGLISH (English)

Referências


Alvez, B. M., & Pitanguy, J. (1985). O que é feminismo (5. ed.). São Paulo: Brasiliense.

American Institute of Certified Public Accountants (AICPA). 2015. Trends: In the supply of accounting graduates and the demand for public accounting recruits. American Institute of CPAs. Recuperado em 01 ago. 2017, de: https://www.aicpa.org/InterestAreas/AccountingEducation/NewsAndPublications/DownloadableDocuments/2015-TrendsReport.pdf

Andrade, L. F. S., Macedo, A. S., & Oliveira, M. L. S. (2014). A produção científica em gênero no Brasil: um panorama dos grupos de pesquisa de administração. Revista de Administração Mackenzie, 15(6, ed. espec.), pp. 48-75. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712014/administracao.v15n6p48-75

Andrade, L. F. S., Macedo, A. S., & Oliveira, M. L. S. (2014). A produção científica em gênero no Brasil: um panorama dos grupos de pesquisa de administração [Edição Especial]. Revista de Administração Mackenzie, 15(6), pp. 48-75. http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712014/administracao.v15n6p48-75

Araújo, M. F. D. (2005). Diferença e igualdade nas relações de gênero: revisitando o debate. Psicologia Clínica, 17(2), pp. 41-52. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-56652005000200004

Backlund, F. (2017). A project perspective on doctoral studies – a student point of view. International Journal of Educational Management, 31(7), pp. 908-921. DOI: http://dx.doi.org/10.1108/IJEM-04-2016-0075

Bagilhole, B., & White, K. (2011). Introduction: Building a Feminist Research Network. In: Bagilhole, B., & White, K. (Orgs.). Gender, power and management: A cross cultural analysis of higher education. Basingstoke: Palgrave Macmillan. pp. 1-19. DOI: http://dx.doi.org/10.1057/9780230305953

Borges, S. H. (2008). A importância do ensino de pós-graduação na formação de recursos humanos para o estudo da biodiversidade no Brasil: um estudo de caso na ornitologia. Biota Neotropica, 8(1), pp. 21-27. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1676-06032008000100002

Brandão, A. A., & Teixeira, M. P. (2003). Censo étnico-racial da Universidade Federal Fluminense e da Universidade Federal do Mato Grosso. Niteroi: EdUFF.

Buck, G. A, Clark, V. L. P, Leslie-Pelecky, D., Lu, Y., & Cerda-Lizarraga, P. (2008). Examining the cognitive processes used by adolescent girls and women scientists in identifying science role models: a feminist approach. Science Education, 92(4), pp. 688-707. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/sce.20257

Caplan, P. J., & Caplan, J. N. (1994). Thinking critically about research on sex and gender. New York: Harper Collins.

Casa Nova, S. P. C. (2012). Impactos de mestrados especiais em Contabilidade na trajetória de seus egressos: um olhar especial para gênero. Revista de Contabilidade e Controladoria, 4(3), pp. 37-62. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rcc.v4i3.29952

Casa Nova, S. P. C. (2014). Contabilidade das mulheres na universidade brasileira: lucros, e perdas, ingresso e permanência. Tese de livre-docência, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Conselho Federal de Contabilidade (CFC). (2016). Profissionais e escritórios registrados e ativos existem no território nacional. Recuperado em 02 fevereiro, 2016, de http://www3.cfc.org.br/spw/crcs/ConsultaPorRegiao.aspx?Tipo=0

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2004). Plano Nacional de Pós-Graduação 2005-2010. Brasília: MEC/CAPES. Recuperado em: 12 julho, 2017, de https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/PNPG_2005_2010.pdf

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2013). Resultados da avaliação da Capes revelam que pós-graduação teve crescimento de 23% no triênio. Recuperado em 10 fevereiro, 2016, de http://www.capes.gov.br/36-noticias/6689-resultados-da-avaliacao-da-capes-revelam-que-pos-graduacao-teve-crescimento-de-23-no-trienio

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2014). Plataforma Sucupira. Recuperado em: 12 julho, 2017, de: http://www.capes.gov.br/avaliacao/plataforma-sucupira

Cunha, J. V. A., Cornachione Jr., E. B., & Martins, G. A. (2008). Pós-graduação: o curso de doutorado em ciências contábeis da FEA/USP. Revista Contabilidade & Finanças, 19(48), pp. 6-26. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772008000300002

Drucker, P. F. (1999). Management challenges for the 21st century. New York, Harper.

Durso, S. O., Cunha, J. V. A., Neves, P. A, & Teixeira, J. D. V. (2016). Fatores motivacionais para o mestrado acadêmico: Uma comparação entre alunos de Ciências Contábeis e Ciências Econômicas à luz da Teoria da Autodeterminação. Revista Contabilidade & Finanças, 27(71), pp. 243-258. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1808-057x201602080

Flynn, C. B, Feild, H. S., & Bedeian, A. G. (2011). “Life could be a dream” What US-based management PhD students desire in an initial academic appointment? Career Development International,16(4), pp. 316-341. DOI: https://doi.org/10.1108/13620431111158760

Fogarty, J. T., & Goldwater, M. P. (2010). Beyond just desserts: The gendered nature of the connection between effort and achievement for accounting students. Journal of Accounting Education, 28(1), pp. 1-12. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jaccedu.2010.09.001

Franke, A., & Arvidsson, B. (2011). 'Research supervisors' different ways of experiencing supervision of doctoral students. Studies in Higher Education, 36(1), pp. 7-19. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/03075070903402151

Godinho, T., Ristoff, D., Fontes, A., Xavier, I. M., Sampaio, C. E. M. (2005). Trajetória da mulher na educação Brasileira. Brasília: INEP.

Gomes, A. F. (2005). O outro no trabalho: mulher e gestão. Revista de Gestão USP, 12(3), pp.1-9. DOI: http://dx.doi.org/10.5700/issn.2177-8736.rege.2005.36522

Gomes, C. A. S, Corrêa, D. M. M. C, & Domingos, S. R. M. (2010). Participação feminina na produção científica em contabilidade publicada nos Anais dos Eventos EnANPAD, Congresso USP de Controladoria e Contabilidade e Congresso ANPCONT. Anais Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

Granovetter, M. (1978). Threshold models of collective behavior. American Journal of Sociology, 83(6), pp. 1420-1443.

Haynes, K. (2008). Moving the gender agenda or stirring chicken's entrails? Where next for feminist methodologies in accounting? Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(4), pp. 539-555. DOI: http://dx.doi.org/10.1108/09513570810872914

Haynes, K. (2017). Accounting as gendering and gendered: A review of 25 years of critical accounting research on gender. Critical Perspective on Accounting, 43, pp. 110-124. DOI: 10.1016/j.cpa.2016.06.004

Husu, L. (2001). On metaphors on the position of women in academia and science. NORA, Nordic Journal of Feminist and Gender Research, 9(3), pp. 172-181.

Jurkus, A. F., Park, J. C., & Woodard, L. S. (2011). Women in top management and agency. Journal of Business Research, 64(2), pp. 180-186. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jbusres.2009.12.010

Louro, G. L. (1996). Nas redes do conceito de gênero. In: Lopes, M. J. M., Meyer, D. E., & Waldow, V. R. (Orgs). Gênero e saúde. Porto Alegre: Artes Médicas.

Madalozzo, R. (2011). CEOs e composição do Conselho de Administração: a falta de identificação pode ser motivo para existência de teto de vidro para mulheres no Brasil? RAC. Revista de Administração Contemporânea, 15(1), pp. 126-137. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552011000100008

Melo, H. P., Lastres, H. M. M., & Marques, T. C. N. (2004). Gênero no sistema da Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Revista Gênero, 4(2), pp. 73-94. DOI: http://dx.doi.org/10.22409/rg.v4i2.247

Meyers-Levy, J., & Loken, B. (2014). Revisiting gender differences: What we know and What lies ahead. Journal of Consumer Psychology, 25(1), pp.129-149. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jcps.2014.06.003

Morley, L., & Crossouard, B. (2015) Gender in the neoliberalised global academy: the affective economy of women and leadership in South Asia. British Journal of Sociology of Education, 37(1), pp. 149-168. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/01425692.2015.1100529

Mota, E. R. C. F., & Souza, M. A. (2013). A evolução da mulher na Contabilidade: os desafios da profissão. Anais do Congresso Convibra, São Paulo, SP, Brasil.

Nascimento, S., & Beuren, I. M. (2011). Redes sociais na produção científica dos Programas de Pós-Graduação de Ciências Contábeis do Brasil. RAC Eletrônica, 15(1), pp. 47-66. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552011000100004

Nascimento, V. M. S., & Alves, F. J. (2014). Gênero e carreira: Um estudo de caso das percepções de Contadores Públicos. Anais Congresso USP de Controladoria de Contabilidade, São Paulo, São Paulo, SP, Brasil, 14.

Pinto, G. (2007). Gênero, raça e pós-graduação: um estudo sobre a presença de mulheres negras nos cursos de mestrado da Universidade Federal Fluminense. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil.

Plataforma Sucupira. (2016). Coleta CAPES. Recuperado em: 12 julho, 2017, de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/

Ott, E.M. (1989). Effects of the male-female ratio at work: Police women and male nurses. Psychology of Women Quarterly, 13(1), pp.41-57. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1471-6402.1989.tb00984.x

Reina, D., Reina, D. R. M, Silva, H. A. S., & Ensslin, S. R. (2012). Pós-Graduação em Contabilidade: Um estudo comparativo em cinco países. Gestão & Regionalidade, 28(82), pp. 49-63. DOI: http://dx.doi.org/10.13037/gr.vol28n82.1399

Rothwell, S. (1985). Is management a masculine role? Management Education and Development, 16(2), pp. 79-98.

Saffioti, Saffiotti H. I. B. (1997). Violência de gênero: lugar da práxis na construção da subjetividade, Lutas Sociais, 2(1), pp. 59-79.

Santana, A. R., Nganga, C. S. N., & Leal, E. A. (2014). Perfil e produção científica dos docentes nos Cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Contábeis. Anais do Congresso UFSC de Controladoria e Finanças e Iniciação Cientifica em Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 14.

Scott, J. W. (1995). Gender: A usefull category of historical analysis. Educação & Realidade. 20(2), pp. 71-99. DOI: http://dx.doi.org/10.2307/1864376

Silva, C. N., Anzilago, M., & Lucas, A. C. (2015). A mulher contabilista nas publicações acadêmicas brasileiras. Anais Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, São Paulo, SP, Brasil, 15.

Silva, S. M. C. (2016). Tetos de vitrais: gênero e raça na contabilidade no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Souza, M. A., Machado, D. G., & Bianchi, M. (2011). Um perfil dos programas brasileiros de pós-graduação stricto sensu em Contabilidade. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 5(2), pp. 67-95. DOI: http://dx.doi.org/10.17524/repec.v5i2.344

Tabak, F. (2002). O laboratório de Pandora: estudos sobre a ciência no feminino. Rio de Janeiro: Gramond.

Tavares, H. M. F. (2000). Pesquisa brasileira precisa de um novo perfil. Revista Pesquisa Fapesp, n. 56. Recuperado em 02 fevereiro, 2016, de http://revistapesquisa.fapesp.br/

Tedeschi, L. A. (2007). Gênero: uma palavra para desconstruir e construir usos políticos. Revista Artemis, 6(1), pp. 106-113.

Tilly, L. A. (1994). Gênero, história das mulheres e História social. Cadernos Pagu, 2(3), pp. 29-62.

Unmüßig, B. (2007). Política de gênero faz a diferença: o futuro da política feminista e da democracia de gênero na Fundação Heinrich Böll. Berlim: Heinrich Böll Stiftung – A Fundação da Politica Verde. Recuperado em 13 Janeiro, 2016, de http://br.boell.org/downloads/Politica_de_genero_faz_a_diferenca_-_hbs_position_paper(2).pdf

Velloso, J., & Velho, L. (2001). Mestrandos e doutorandos do país: trajetórias de formação. Brasilia: Capes. Recuperado em 10 julho, 2016, de http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=24681

Weyer, B. (2007). Twenty years later: explaining the persistence of the glass ceiling for women leaders. Women in Management Review, 22(6), pp. 482-496. DOI: http://dx.doi.org/10.1108/09649420710778718




DOI: http://dx.doi.org/10.17524/repec.v11i4.1487

Creative Commons License
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.


ISSN 1981-8610

DOI 10.17524/repec

Indexação da REPeC: Indexadores e Diretórios


Endereço postal

Academia Brasileira de Ciências Contábeis (ABRACICON)

SAS Quadra 5, Bloco J, Edifício do CFC

CEP 70.070-920 - Brasília/DF - Brasil