Compromissos dos contratos psicológicos e Uso Diagnóstico dos Sistemas de Controle Gerencial

Palavras-chave: Sistema de Controle, Parâmetros Comportamentais, Compromissos, Contrato Psicológico, Normas.

Resumo

Ao investigar os compromissos assumidos pelos Agentes de Fiscalização da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) em seus contratos psicológicos e o uso diagnóstico do sistema de controle gerencial dessa entidade, este trabalho testou a hipótese de que os indivíduos tendem a se compromissarem mais com os assuntos aos quais são cobrados dentro das organizações. Trata-se de um trabalho teórico-empírico que assumiu que os compromissos compõem a parte da crença que os indivíduos desenvolvem sobre as relações recíprocas de trocas entre si e seus contratantes, conforme o modelo de Rousseau (1989; 1995). Também assumiu que a medida com que assuntos são cobrados dos membros de uma organização corresponde à sua percepção ao uso diagnóstico dos sistemas de controle formais e informais. Metodologicamente, a pesquisa se desenvolveu em duas fases, sendo a primeira qualitativa, com análise documental e análise de conteúdo dos documentos da organização; e a segunda, quantitativa, com a aplicação de questionários respondidos pelos indivíduos que ocupam a posição individual referenciada na organização, os quais avaliaram parâmetros comportamentais que agem sobre si e que foram identificados na primeira fase. Os dados obtidos apontaram que os 42 respondentes tendem a manter altos níveis de compromisso para com as regras e normas que são propostas para seu cargo. Os resultados estatísticos também sugerem que existe uma correlação positiva significante entre os compromissos assumidos e a percepção do uso diagnóstico dos sistemas de controle para os agentes de fiscalização que responderam ao questionário.

Biografia do Autor

Ivan Canan, Pesquisador e professor na Universidade do Estado de Mato Grosso
Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo
Gilberto de Andrade Martins, Professor Titular da Universidade de São Paulo
Professor Livre-docente em Administração pela FEA/USP
Patrícia Oda, Professora-auxiliar do Insper
Mestre em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP

Referências

Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) (2012). Relatório Anual 2012. Recuperado em 2 de abril, 2016, de http://www.anatel.gov.br/Portal/verificaDocumentos/documento.asp?numeroPublicacao=297390&pub=original&filtro=1&documentoPath=297390.pdf

Anthony, R. N. & Govindarajan, V. (2008). 12ª ed. Sistemas de controle gerencial. São Paulo: McGraw-Hill.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Bauer, L. (2007). Estimação do Coeficiente de Correlação de Spearman Ponderado. Dissertação de Mestrado em Epidemiologia. Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Bunchaft, G. & Kellner, S. R. O. (1999). Estatística sem mistérios. 2ª ed. Petrópolis: Vozes.,

Burney, L & Widener, S.K. (2013). Behavioral Work Outcomes of a Strategic Performance Measurement System-Based Incentive Plan. Behavioral Research in Accounting 25(2), pp. 115-143. http://dx.doi.org/10.2308/bria-50501

Carenys, J. (2010) Management control systems : a historical perspective. International Bulletin of Business Administration. 7, pp. 37-54.

Conway, N. & Briner, R. B. (2009) Understanding psychological contracts at work: a critical evaluation of theory and research. New York: Oxford University Press.

Coyle-Shapiro, J. & Parzefall, M. (2008). Psychological Contracts. Cooper, C. L. & Barling, J. (Eds.) (2008). The SAGE handbook of organizational behavior. London, UK: SAGE Publications, pp. 17-34

Ferreira, A. & Otley, D. (2009) The design and use of performance management systems: an extended framework for analysis. Management Accounting Research. Elsevier, 1(4), pp. 263-282. doi: 10.1016/j.mar.2009.07.003

Flamholtz, E. G.; Das T. K. & Tsui, A. S. (1985). Toward an integrative framework of organizational control. Accounting, Organizations and Society. Amsterdam: Elsevier, 10(1), pp. 35-50. doi: 10.1016/0361-3682(85)90030-3

Freese, C. & Schalk, R. (2010). How to measure the psychological contract? A critical criteria-based review of measures. South African Journal of Psychology. 38(2), pp. 269-286. doi: 10.1177/008124630803800202

George, C. (2009). The psychological contract: managing and developing professional groups. New York: McGraw-Hill.

Georgiou, G. (2004). Corporate lobbying on accounting standards: methods, timing and perceived effectiveness. ABACUS. 40(2), pp. 219-237. doi: 10.1111/j.1467-6281.2004.00152.x

Guest, David. (2004). The psychology of the employment relationship: an analysis based on the psychological contract. Applied Psychology: An International Review. Oxford: Blackwell Publishing, 53(4), pp. 541-555. doi: 10.1111/j.1464-0597.2004.00187.x

Hoque, Z. (2006). The human relation theory. Hoque, Z. (Org). Methodological issues in accounting research. Theories and methods. London: Spiramus.

Lei 9.472 de 16 de julho de 1997. (1997). Dispõe sobre a organização dos serviços de telecomunicações, a criação e funcionamento de um órgão regulador e outros aspectos institucionais, nos termos da Emenda Constitucional nº 8, de 1995. Recuperado em 2 de abril, 2016 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9472.htm

Lei n. 10.871, de 20 de maio de 2004. (2004). Dispõe sobre a criação de carreiras e organização de cargos efetivos das autarquias especiais denominadas Agências Reguladoras, e dá outras providências. Recuperado em 2 de abril, 2016 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.871.htm

Lei n. 8.112 de 11 de dezembro de 1990. (1990). Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Recuperado em 2 de abril, 2016 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8112compilado.htm

Lira, S. A. & Chaves Neto, A. (2006). Coeficientes de correlação para variáveis ordinais e dicotômicas derivados do coeficiente linear de Pearson. Revista Ciência & Engenharia, 15(1/2), pp. 45-53.

Malmi, T. & Brown, D. A. (2008). Management control systems as a package: opportunities, challenges and research directions. Management Accounting Research. [S.l.]. Elsevier, 19(4), pp. 287-300. doi: 10.1016/j.mar.2008.09.003

Merchant, K & Van Der Stede, W. (2007). Management control systems: performance measurement, evaluation and incentives. New Jersey: Prentice Hall.

Mintzberg, H & Westley, F. (2001). Decision making: it’s not what you think. MIT Sloan Management Review. ABI/INFORM Global, 3(42), pp. 89-93

Mintzberg, H. (1989) Mintzberg on management. New York: The Free Press.

Mintzberg, H. (2004) Ascensão e queda do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Mintzberg, H. (2006) Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. (2ª ed). São Paulo: Atlas, 2006.

Otley, D. (1987). Accounting Control and Organizational Behaviour. Oxford, Heinemann Professional Publishing.

Resolução n.º 270, de 19 de julho de 2001. (2001). Aprova o Regimento Interno da Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel. Recuperado em 2de abril, 2016 de: http://legislacao.anatel.gov.br/resolucoes/2001/4-resolucao-270

Robinson, Sandra et al. (1994). Changing obligations and the psychological contract: a longitudinal study. Academy of Management Journal. 37(1), pp. 137-152. doi: 10.2307/256773

Rousseau, D. M. (1989) Psychological and implicit contracts in organizations. Employee Responsibilities and Rights Journal. 2(2), pp. 121-139. doi: 10.1007/BF01384942

Rousseau, D. M. (1995). Psychological contracts in organizations: understanding written and unwritten agreements. London: Sage.

Rousseau, D. M. (2000). The psychological contract inventory. Technical report. CCER, Heinz School of Public Policy, Carnegie-Mellon University, Pittsburgh, PA.

Rousseau, D. M. (2001) Schema, promise and mutuality: the building blocks of the psychological contracts. Journal of Occupational and Organizational Psychology. 74, pp. 511-541.

Simons, R. (1995). Levers of control: how managers use innovative control systems to drive strategic renewal. Boston: Harvard Business School Press.

Tayler, W. B. & Bloomfield, R. J. (2011). Norms, conformity, and controls. Journal of Accounting Research. Chicago: Chicago Both, 49(3), pp. 753-790. http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.1010167

Publicado
12-06-2016
Como Citar
Canan, I., Martins, G. de A., & Oda, P. (2016). Compromissos dos contratos psicológicos e Uso Diagnóstico dos Sistemas de Controle Gerencial. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 10(2). https://doi.org/10.17524/repec.v10i2.1321
Seção
Artigos