Os benefícios pessoais da pós-graduação stricto sensu: uma análise na percepção de mestres em contabilidade

  • Tiago Guimarães Barth Técnico Administrativo em Educação na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS)
  • Sandra Rolim Ensslin Professora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
  • Altair Borgert Professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Palavras-chave: Pós-graduação, Teoria do Capital Humano, Economia da Educação.

Resumo

Níveis mais altos de instrução geram benefícios econômicos maiores, segundo a teoria do Capital Humano. Os benefícios pessoais, para o mestrado, são importantes, pois podem ser utilizados como evidências para tomada de decisão do candidato ao curso, do governo e do gestor do próprio curso. O objetivo geral é avaliar o benefício da pós-graduação stricto sensu, no âmbito pessoal, segundo a percepção de seus egressos. O levantamento, limitado a mestres egressos respondentes da Universidade Federal de Santa Catarina, avalia as situações de benefícios com auxílio de coeficientes de variação. Os benefícios financeiros variaram de 0,54 até 9,65 salários mínimos mensais, com média ponderada de 3,19 salários mínimos mensais. Houve variação significativa na renda após o curso para 43,48% dos mestres. O mestrado gerou benefício financeiro efetivo apenas em três circunstâncias: mestres que possuem também o doutorado; mestres com cargos públicos que remuneram mais por possuir títulos; e mestres que auferiam rendas baixas antes do mestrado e hoje atuam somente na docência.

Biografia do Autor

Tiago Guimarães Barth, Técnico Administrativo em Educação na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS)
Mestrado em Contabilidade pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Sandra Rolim Ensslin, Professora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Doutora pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Pós-Doutorado pela Universidade de Valência
Altair Borgert, Professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Doutor pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Referências

Barth, T. G., Ensslin, S. R., & Reina, D. R. M. (2012). Mestrado em contabilidade: uma investigação do perfil de pesquisador dos egressos. Registro Contábil - RECONT, 3(2), pp. 18-37.

Barth, T. G., Alberton, L., Camargo, R. C. C. P., & Ensslin, S.R. (2015). Riscos de investimento pessoal na pós-graduação: contribuição para mensuração do custo-benefício educacional. Registro Contábil - RECONT, 6(2), pp. 14-33.

Becker, G. (1964). Human Capital: A Theoretical Analysis with Special Reference to Education, New York: Columbia University Press.

Ben-Porath, Y. (1967). The production of human capital and the life-cycle of earnings. Journal of Political Economy, v. 75, pp. 352–6.

Blaug, M. (1976). The empirical status of human capital theory: a slightly jaundiced survey. Journal of Economic Literature, v. 14, pp. 827–55.

Bortoluzzi, S. C., Ensslin, S. R., Ensslin, L., & Valmorbida, S. M. I. (2011). Avaliação de Desempenho em Redes de Pequenas e Médias Empresas: Estado da arte para as delimitações postas pelo pesquisador. Revista Eletrônica Estratégia & Negócios, 4(2).

Brasil. Capes/MEC. Plano Nacional de Educação 2011 – 2020. Ministério da Educação. Brasília-DF, 2012. Recuperado em 14 julho, 2013 em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=16478&Itemid=1107.

Castro, C. de M. (1977). A prática da pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE. (2012). Mestres 2012: estudos da demografia da base técnico-científica brasileira. Brasília, p. 24. Recuperado em: http://www.cgee.org.br. Acesso em 03 maio de 2013.

Chapman, B., & Lounkaew, K. (2013). Introduction to the special issue on Economic Research for Education Policy. Economics of Education Review, v. 37, pp. 200–203.

Coates, H., & Edwards, D. (2011). The Graduate Pathways Survey: New Insights on Education and Employment Outcomes Five Years after Bachelor Degree Completion. Higher Education Quarterly, 65(1). 1, pp. 74-93.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitative, quantitative e misto. Tradução Magda Lopes. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, p. 296.

Cunha, J. V. A. (2007). Doutores em Ciências Contábeis da FEA/USP: análise sob a óptica da teoria do capital humano. .267 f. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Cunha, J. V. A. da; Cornachione JR, E. B., & Martins, G. de A. (2010). Doutores em Ciências Contábeis da FEA/USP: análise sob a óptica da teoria do capital humano. Revista de Administração Contemporânea, n 3, pp. 532-557.

Dallabona, L. F., Oliveira, A. F. de, & Rausch, R. B. (2013). Avanços pessoais e profissionais adquiridos por meio da titulação de mestre em ciências contábeis. Revista Contabilidade Vista & Revista, 24(2), pp. 39-62.

Dickson, M., & Harmon, C. (2011). Economic returns to education: What We Know, What We Don’t Know, and Where We Are Going: Some brief pointers. Economics of Education Review, 30(6), pp. 1118-1122.

Dickson, M. R., & Smith, S. (2011). What determines the return to education: An extra year or a hurdle cleared? Economics of Education Review, 30(6), pp. 1167–1176.

Ensslin, L., Ensslin, S. R., Lacerda, R. T. O. & Tasca, J. E. (2010). ProKnow-C, Knowledge Development Process - Constructivist. Processo técnico com patente de registro pendente junto ao INPI. Brasil.

Ensslin, L., Ensslin, S. R., & Pinto, H. de M.. (2013). Processo de investigação e Análise bibliométrica: Avaliação da Qualidade dos Serviços Bancários. RAC – Revista de Administração Contemporânea, 17(3), pp. 325-349.

Ensslin, S. R.; Ripoll-Feliu V. M., Ensslin, L., & Dutra, A. (2014). .Performance evaluation to Support the University Management Activity. Pense e Journal (Paris), 76(8), pp. 2-17.

Frigotto, G. (2003). Educação e crise do capitalismo real. 5ª.ed. São Paulo: Cortez.

Gil, Antonio Carlos. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª. ed. São Paulo: Atlas.

Lacerda, R. T. de O., Ensslin, L., & Ensslin, S. R.. Uma Análise Bibliométricada literatura sobre Estratégia e Avaliação de Desempenho. Gestão & Produção [online], 19(1), pp. 59-78, 2012. doi: 10.1007/s11142-006-9006-z.

Lima, R. (1980). Mercado de trabalho: o capital humano e a teoria da segmentação. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, 10(1), pp. 217-272.

Lordêlo, J. A., & Verhine, R. E. (2001). O retorno do investimento em mestrado e doutorado para professores universitários: uma avaliação econômica da educação pós-graduada. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 24, pp. 165-186.

Machin, S.; Stevens, M. (2004). The Assessment: Education. Oxford Review of Economic Policy, v. 20, n. 2, p. 157-172.

Machin, S. (2014). Economics of Education Research and Its Role in the Making of Education Policy. Fiscal Studies, 35(1), pp. 1–18.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2007). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Martins, O. S., & Monte, P. A. (2009a). Um Recorte da Produção Científica dos Egressos de um Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Contabilidade. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, n. 12, pp. 127-150. ISSN 1807-1821

Martins, O. S.; Monte, P. A. do. (2009b). Mestres em Ciências Contábeis: uma análise sob a ótica da teoria do capital humano. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 3(2), pp. 1-22. doi: http://dx.doi.org/10.17524/repec.v3i2.65

Martins, O. S., & Monte, P. A. do. (2010). Motivações, expectativas e influências relacionadas ao título de Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa UnB/UFPB/UFPE/UFRN. Contabilidade, Gestão e Governança, 13(1), pp. 16-31.

Menon, M. E., Pashourtidou N., Polycarpou, A., Pashardes, P. (2012). Students’ expectations about earnings and employment and the experience of recent university graduates: Evidence from Cyprus. International Journal of Educational Development, 32(6), pp. 805–813.

Mincer, J. (1958). Investment in human capital and personal income distribution. Journal of Political Economy, v. 66, pp. 281–302.

Oecd Iindicators. Education at a glance 2012. OECD Publishing. Recuperado em 2 julho, 2013, de http://dx.doi.org/10.1787/eag-2012-en.

Oreopoulos, P., & Salvanes, K. G. (2011). Priceless: The nonpecuniary benefits of schooling. Journal of Economic Perspectives, 25(1), pp. 159-184. doi:1 0.1080/00313831.2010.493344

Pozzebon, M. & Freitas, H. M. R. de. (1998). Modelagem de Casos: Uma Nova Abordagem em Análise Qualitativa de Dados? Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, v. 37, Foz do Iguaçu-PR, Brasil, 22.

Robeyns, I. (2006). Three models of education: rights, capabilities and human capital. Theory and Research in Education, 4(1), pp. 69-84. doi: 10.1177/1477878506060683

Salvato, M. A., Ferreira, P. C. G., & Duarte, A. J. M. (2010). O impacto da escolaridade sobre a distribuição de renda. Estudos Econômicos, São Paulo, 40(4), pp.753-791

Schultz, T. W. (1961). Investment in human capital. The American Economic Review, Cambridge, 51(1), pp. 1-17.

Semaan, G. S., Cruz, M. D., Brito, G. A. de M., & Ochi, L. S. (2012). Proposta de um Método de Classificação Baseado em Densidade para a Determinação do Número Ideal de Grupos em Problemas de Clusterização. Journal of the Brazilian Computational Intelligence Society, 10(4), pp. 242-262.

Silva, R. V., Ensslin, S. R., Ripoll-Feliu, V.M., & Soler, C. C. (2014). E-government and Public Accounting Information: Bibliometric and Systemic Analysis. International Research Journal of Finance and Economics, 1(122), pp.76-91, ISSN: 1450-2887

Tasca, J. E., Ensslin, L., Ensslin, S. R., & Alves; M. B. M. (2010). An approach for selecting a theoretical framework for the evaluation of training programs. Journal of European Industrial Training, 34(7), pp. 631-655.

Publicado
31-03-2016
Como Citar
Barth, T., Ensslin, S., & Borgert, A. (2016). Os benefícios pessoais da pós-graduação stricto sensu: uma análise na percepção de mestres em contabilidade. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 10(1). https://doi.org/10.17524/repec.v10i1.1326
Seção
Artigos