ANÁLISE DEMOGRÁFICA E ACADÊMICA DA AUTORREGULAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE ESTUDANTES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE IES EM SALVADOR

  • José Hilton Santos Aguiar Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Palavras-chave: Autorregulação na aprendizagem. fatores acadêmicos. fatores demográficos. Aprendizagem.

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo analisar se fatores demográficos e acadêmicos influenciam na aprendizagem autorregulada. Para isso foi realizado um estudo junto a discentes de Ciências Contábeis no município de Salvador-Bahia. Buscou-se evidenciar as estratégias autorreguladas utilizada pelos discentes, verificar as dimensões associadas as estratégias e compreender se as variáveis demográficas e acadêmicas podem explicar o uso das estratégias de autorregulação pelos alunos. A amostra da pesquisa abrangeu um total de 713 discentes em Contabilidade de três Instituições de Ensino Superior (IES). Os dados do estudo foram coletados por meio de questionário e para a análise estatística, foram utilizados métodos estatísticos descritivos, análises inferenciais por meio da aplicação de Análise Fatorial e Regressão Múltipla. Os resultados encontrados apresentaram significância para o gênero, tempo de estudo, escolaridade do pai, idade e estágio no curso de Contabilidade. Assim, estudantes do gênero feminino, jovens, que alocam mais horas aos estudos, em estágio inicial do curso e que tenha pai com baixa escolaridade tende a possuir um comportamento mais autorregulado na aprendizagem. Conclui-se de que a autorregulação da aprendizagem no indivíduo pode ser influenciado por fatores sociodemográfico, e assim, pode promovida à medida que é estimulada por fatores externos sociais.

Biografia do Autor

José Hilton Santos Aguiar, Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Referências

Aecc. (1990) - Accounting Education Change Commission. Position statement no. one: objectives of education for accountants. Issues In Accounting Education, 5, pp.307-312.

Aguiar, J.H.S; Silva, A.C.R. (2015). da. Análise de Características Sociais e Acadêmicas no Aprendizado Autorregulado de Discentes em Contabilidade. In: Anais... VI Congresso Nacional de Administração e Contabilidade – AdCont, Rio de Janeiro, RJ.

Aguiar, J.H.S; Silva, A.C.R. (2017). Aprendizado autorregulado em contabilidade: uma análise comparativa entre discentes de modalidade presencial e a distância. Revista Catarinense da Ciência Contábil, Florianópolis, SC, v. 16, n. 48, p. 7-23, maio/ago.

Aicpa. (2000) - American Institute of Certified Public Accountants. The AICPA core competency framework for entry into the accounting profession.

Ames, C. (1992). Classrooms: Goals, structures, and student motivation. Journal of Educational Psychology, 84(3), 261-271.

Bandura, A. A. (2008). Teoria social cognitiva na perspectiva da agência”. In: Bandura, A.; Azzi, R.; Polydoro, S. A. J. (orgs.). Teoria Social Cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre, Artmed, pp. 69-96.

______. (2006). Adolescent development from an agentic perspective. In F. Pajares & T. C. Urdan (Ed.), Self-Efficacy Beliefs of Adolescents (pp.1-43). Greenwich, CT: Information Age Publishing, 2006.

______. (1991). Self-regulation of motivation through anticipatory and self- reactive mechanisms. In: Dienstbier, R.A. (Ed.) Perspectives on motivation: Nebraska symposium on motivation. Lincoln, University of Nebraska Press, vol. 38, pp. 69-164, 1991.

______ . (2001). Social Cognitive Theory: An agentic perspective. Annual Reviews Psychologie, 52, 1-26, 2001.

Bandura, A. (1986). Social foundations of thought and action. A social cognitive theory. New Jersey: Prentice-Hall, Inc, 1986.

Bandura, A.; Caprara G.V; Barbaranelli, C., Gerbino M; Pastorelli, C. (2003). Role of affective self-regulatory efficacy in diverse spheres of psychosocial functioning. Child Dev. May-Jun;74(3):769-82.

Boekaerts, M. (1999) Self-regulated learning: Where we are today. International Journal of Educational Research, 31, 445 e 457.

Boekaerts, M., & Cascallar. E. (2006). How far have we moved toward the integration of theory and practice in self-regulation?Educational Psychology Review, 18(3), 199-210, 2006.

Borkowski, J. G. (1996) Metacognition: Theory or chapter heading? Learning and Individual Differences, 8(4), 391e402.

Butler, D. L.; Winne, P. H. (1995). Feedback and self-regulated learning: A theoretical synthesis. Review of Educational Research, 65(3), 245 e 281.

Castro, M. (2007). Processos de auto-regulação da aprendizagem: Impacto de variáveis académicas e sociais. Dissertação de mestrado, Instituto de Educação e Psicologia – Universidade do Minho, Portugal.

Cooper, J. (1990). What is Cooperative Learning? Cooperative Learning and College Teaching, 1, p. 2.

Corno, L. (2001). Volitional aspects of self-regulated learning. In B.J. Zimmerman & D.H. Schunk (Eds.), Self-regulated learning and academic achievement: Theoretical perspectives (2nd edn., pp. 191–226). Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum.

Efklides, A. (2011). Interactions of metacognition with motivation and affect in self-regulated learning: the MASRL model. Educational Psychologist, 46, 6-25.

Fischer, T.; Davel, E.; Vergara, S. (2006). Razão e sensibilidade no ensino de administração: a literatura como recurso estético. In: Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, nº 30, 2006, Salvador. Anais... Salvador: Anpad.

Freire, P. (2009). Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 16ª ed.

Frison, L.M.B. (2016). Monitoria: uma modalidade de ensino que potencializa aaprendizagem colaborativa e autorregulada. Pro-Posições, v. 27, n. 1 (79), p. 133-153, jan./abr.

Gil, A. C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Hair, J., Black, W., Babin, B., Anderson, R., & Tatham, R. (2006). Multivariate data analysis (6th ed.). Uppersaddle River, N.J.: Pearson Prentice Hall.

Herndon, J. S.; Bembenutty, H. (2017). Self-regulation of learning and performance among students enrolled in a disciplinary alternative school. Personality and Individual Differences. pág. 104 266–271, 2017.

Hoffmann, R (2006). Análise de regressão: uma introdução à econometria. HUCITEC: São Paulo.

Krauss, J.A.; Silva, T.B.J.; Zonatto, V.C.S (2017). Evidências dos efeitos das estratégias metacognitivas de aprendizagem autorregulada na formação de inconsciente coletivo no conhecimento de contabilidade de custos. Anais...XI Congresso Anpcont, Belo Horizonte, jun.

Pintrich, P. R. (2000). The role of goal orientation in self-regulated learning. In M. Boekaerts, P. R. Pintrich, & M. Zeidner (Eds.), Handbook of self-regulation (pp. 451e502), 2000. San Diego: Academic Press.

Polydoro, S. A. J.; Rosário, P. S. L. F (2012). Autorregulação da aprendizagem e a procrastinação acadêmica em estudantes universitários. Cadernos de Educação | FaE/PPGE/UFPel. Pelotas.

Polydoro, S. A.J.; Azzi, R. G. (2008). “Autorregulação: aspectos introdutórios”. In: Bandura, A.; Azzi, R.; Polydoro, S. A. J. (orgs.). Teoria Social Cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre, Editora Artmed, pp. 149-164

Puustinen, M.; Pulkkinen, L. (2011). Models of self-regulated learning: A review. Scandinavian Journal of Educational Research, 45(3), 269e286.

Ribeiro, C (2003). Metacognição: um apoio ao processo de aprendizagem. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(1), 109-116.

Rosário, P. (2002) (Des)venturas do TESTAS. Estórias sobre o estudar, histórias para estudar. Narrativas auto-regulatórias na sala de aula. Porto: Porto Editora.

______. (2001). Diferenças processuais na aprendizagem: Avaliação alternativa das estratégias de auto-regulação da aprendizagem. Psicologia, Educação e Cultura, V (1), 87-102.

______. (2004). Estudar o estudar: As (Des)venturas do Testas. Porto: Porto Editora,2004

Rosário, P.; Mourão, S.S.R; Chaleta, L.G.E. (2005). Trabalho de casa, tarefas escolares, auto-regulação e envolvimento parental. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 3, p. 343-351, set./dez, 2005

Sampaio, R., Polydoro, S.; Rosário, P (2012). Autorregulação da aprendizagem e a procrastinação acadêmica em estudantes universitários. Cadernos de Educação, (42), 119-142.

Schunk, D. H.; Ertmer, P. A. (2000). Self-regulation and academic learning, self-eficacy enhancing interventions. In: BOEKAERTS, M.; PINTRICH. P.;. ZEIDNER, M. (Eds.). Handbook of self-regulation. San Diego, NY: Academic Press, 2000, p. 631-649.

Schunk, D. H; Zimmerman, B. (1997). Social origins of self-regulatory competence. Educational Psychologist Review, 32(4), 195-208.

Shuell, T. (1986). Cognitive Conceptions of Learning. Review of Educational Research, 56(4), 411-436.

Silva Júnior, S. D; Costa, F. J. (2014). Mensuração e Escalas de Verificação: uma Análise Comparativa das Escalas de Likert e Phrase Completion. PMKT – Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia, São Paulo, Brasil, V. 15, p. 1-16, outubro.

Silva, J.; Veiga Simão, A. M. (2016). Entrevista com tarefa na identificação de processos na aprendizagem autorregulada. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, SP, v. 20, n. 1, p. 89-100.

Souza, C.H.M.; Boechat, J.C.S.; Manhães, F.C.; Istoe, R.S.C; Castelano, K.L (2014). Autorregulação do aprendizado no contexto do ambiente arquitetônico universitário. Revista Digital. Buenos Aires, Ano 18, Nº 189, Fev.

Winne, P.H.; A.F. Hadwin. (1998). Studying as self-regulated engagement in learning D. Hacker, J. Dunlosky, A. Graesser (Eds.), Metacognition in educational theory and practice, Lawrence Erlbaum, Mahwah, NJ, pp. 277-304.

Zimmerman, B. (1989). Social cognitive view of self-regulated academic learning. Journal of Educational Psychology, 81(3), 329-339.

______. (2002). Becoming a self-regulated learner: An overview. Theory into Practice. 41(2), 64-70.

______. (2000). Attaining self-regulation. A social cognitive perspective. In: BOEKAERTS, M.; PINTRICH, P.; ZEIDNER, M. (Eds.). Hanbook of self-regulation. New York, San Diego: Academic Press, p. 13-39.

Zimmerman, B. J., & Cleary, T. J. (2006). Adolescents’ development of personal agency: The role of selfefficacy beliefs and self-regulatory skill. In F. Pajres, & T. Urdan (Eds.), Self-efficacy beliefs of adolescence (pp. 45 – 69). Mahwah, NJ7 Information Age Publishing

Zimmerman, B. J. (2000). Attaining self-regulation: A social-cognitive perspective. In: M. Boekaerts, M.; Pintrich, P.; Zeidner, M. (eds.). Self-regulation: Theory, research, and applications. Orlando, FL7 Academic Press, pp.13-39.

Zimmerman, B. J.; Martinez-Pons, M. (1986). Development of a Structured Interview for Assessing Student Use of Self-Regulated Learning Strategies. American Educational Research Journal, Winter, Washington, v. 23, n. 4, p. 614-628.

Publicado
26-06-2019
Como Citar
Aguiar, J. H. S. (2019). ANÁLISE DEMOGRÁFICA E ACADÊMICA DA AUTORREGULAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE ESTUDANTES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE IES EM SALVADOR. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 13(2). https://doi.org/10.17524/repec.v13i2.1938
Seção
Artigos