HABILIDADE GERENCIAL E PERDAS DO VALOR RECUPERÁVEL DO GOODWILL:

ANÁLISE EM COMPANHIAS ABERTAS LISTADAS NA B3

  • Geovanne Dias de Moura Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ http://orcid.org/0000-0003-0900-5249
  • Denise Rose Bracht Fank Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
  • Sady Mazzioni Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
  • Rodrigo Angonese Universidade de Passo Fundo (UPF)
  • Givanildo Silva Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
Palavras-chave: Habilidade gerencial, Perdas do valor recuperável do goodwill, Companhias abertas

Resumo

Objetivo: O estudo analisa a relação entre habilidade gerencial e perdas do valor recuperável de goodwill. Método: Pesquisa descritiva, documental e quantitativa, com dados coletados no banco de dados economática, relatórios da administração e notas explicativas. A amostra foi composta por 148 companhias, sendo analisadas as informações do período de 2012 a 2016. Resultados: Do total de companhias que possuíam goodwill, 10,81% contabilizaram perdas, sendo que o setor de “petróleo, gás e biocombustíveis” possuía o maior número de companhias com perdas contabilizadas. Quanto à magnitude das perdas, verificou-se que o setor de “materiais básicos” apresentou o maior valor médio, seguido dos setores “tecnologia da informação” e “petróleo, gás e biocombustíveis”. Os gestores das empresas do setor de “saúde” apresentaram maiores indicadores de habilidade gerencial, seguidos pelos gestores das empresas dos setores de “consumo cíclico” e “consumo não cíclico”. Constatou-se também que os gestores mais habilidosos podem reduzir, mas não evitar as perdas do goodwill. Contribuições: O estudo analisa um fator que pode influenciar nas perdas do goodwill, mas que ainda não foi investigado no cenário brasileiro, a habilidade gerencial. Assim, contribui para a literatura fornecendo mais evidências sobre os fatores determinantes da redução do valor recuperável do goodwill.

Biografia do Autor

Geovanne Dias de Moura, Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
Doutor em Ciências Contábeis e Administração pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau (FURB). Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis e Administração da Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
Denise Rose Bracht Fank, Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
Mestre em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
Sady Mazzioni, Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau – FURB Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis e Administração da Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
Rodrigo Angonese, Universidade de Passo Fundo (UPF)
Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau – FURB Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração das Universidade de Passo Fundo (UPF)
Givanildo Silva, Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau – FURB Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis e Administração da Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ

Referências

AbuGhazaleh, N. M., Al‐Hares, O. M., & Roberts, C. (2011). Accounting discretion in goodwill impairments: UK evidence. Journal of International Financial Management & Accounting, 22(3), 165-204.
Amaro, H. D., Bachmann, R. K. B., da Fonseca, M. W., & Espejo, M. M. D. S. B. (2015). Impairment e Alisanmento de Resultados: um Estudo em Companhias do Setor de Energia Elétrica Listadas na BM&FBovespa. Revista Mineira de Contabilidade, 16(1), 18-26.
Avallone, F., & Quagli, A. (2015). Insight into the variables used to manage the goodwill impairment test under IAS 36. Advances in accounting, 31(1), 107-114.
Bertrand, M., & Schoar, A. (2003). Managing with style: The effect of managers on firm policies. The Quarterly Journal of Economics, 118(4), 1169-1208.
Calôba, G. M. (2006) Discussão e Determinação e Alvos para Cálculo de
Eficiência de Concessionárias de Distribuição de Gás Natural. Rio de Janeiro: UFRJ,
2006. Tese (Doutorado em Engenharia) Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Charnes, A., Cooper, W. W., Lewin, A. Y. & Seiford, L. M. (1994) Data envelopment
analysis. 2 ed. Boston: Kap.
Chen, Y., Podolski, E. J., & Veeraraghavan, M. (2015). Does managerial ability facilitate corporate innovative success?. Journal of empirical finance, 34, 313-326.
Chen, L., & Zhao, X. (2004) Understanding the Role of the Market-to-Book Ratio in Corporate Financing Decisions. Working Paper.
CPC – Comitê De Pronunciamentos Contábeis. (2010) Pronunciamento Técnico CPC 01: Redução ao Valor recuperável de Ativos. Disponível em: http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-Emitidos/Pronunciamentos/Pronunciamento?Id=2
Acesso em: 15 fev. 2017.
Demerjian, P., Lev, B., & McVay, S. (2012). Quantifying managerial ability: A new measure and validity tests. Management science, 58(7), 1229-1248.
Demerjian, P. R., Lev, B., Lewis, M. F., & McVay, S. E. (2012). Managerial ability and earnings quality. The Accounting Review, 88(2), 463-498.
Demerjian, P., Lewis-Western, M., & McVay, S. (2017). How does intentional earnings smoothing vary with managerial ability?. Journal of Accounting, Auditing & Finance, 0148558X17748405.
FASB - Financial Accounting Standards Board. (1985) Statement of Financial Accounting Standards (SFAS). Elements of financial statements, n. 6. FASB. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2017.
FASB - Financial Accounting Standards Board. (2001) Statements of Financial Accounting Standards nº 144: accounting for the impairment or disposal of long-lived assets. Norwalk, CT: FASB.
Garriosn, R. H., Noreen, E. W., & Brewer P. C. (2013) Contabilidade gerencial. 14ª ed. Porto alegre: AMGH.
Hair, Jr. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2005) Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.
Hayes, R. M., & Schaefer, S. (1999). How much are differences in managerial ability worth?. Journal of Accounting and Economics, 27(2), 125-148.
Hirschey, M., & Richardson, V. J. (2002). Information content of accounting goodwill numbers. Journal of Accounting and Public Policy, 21(3), 173-191.
Huang, X. S., & Sun, L. (2017). Managerial ability and real earnings management. Advances in accounting, 39, 91-104.
IASB - International Accounting Standards Board. IAS 36 Impairment of Assets. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017.
Jiraporn, P., Leelalai, V., & Tong, S. (2016). The effect of managerial ability on dividend policy: how do talented managers view dividend payouts?. Applied Economics Letters, 23(12), 857-862.
Jordan, C. E., & Clark, S. J. (2015). Do Canadian Companies Employ Big Bath Accounting When Recording Goodwill Impairment?. International journal of economics and finance, 7(9), 159.
Kabir, H., & Rahman, A. (2016). The role of corporate governance in accounting discretion under IFRS: Goodwill impairment in Australia. Journal of Contemporary Accounting & Economics, 12(3), 290-308.
KASSAI, S. (2002). Utilização da Análise por Envoltória de dados (DEA) na Análise de
Demonstrações Contábeis. São Paulo: USP. Tese (Doutorado em Economia)
Universidade de São Paulo.
Koester, A., Shevlin, T., & Wangerin, D. (2016). The role of managerial ability in corporate tax avoidance. Management Science, 63(10), 3285-3310.
Krishnan, G. V., & Wang, C. (2015). The relation between managerial ability and audit fees and going concern opinions. Auditing: A Journal of Practice & Theory, 34(3), 139-160.
Li, Z., Shroff, P. K., Venkataraman, R., & Zhang, I. X. (2011). Causes and consequences of goodwill impairment losses. Review of Accounting Studies, 16(4), 745-778.
Majid, J. A. (2015). Reporting incentives, ownership concentration by the largest outside shareholder, and reported goodwill impairment losses. Journal of Contemporary Accounting & Economics, 11(3), 199-214.
Riedl, E. J. (2004). An examination of long-lived asset impairments. The Accounting Review, 79(3), 823-852.
Santos, P. S. A., Dani, A. C., & Klann, R. C. (2015). Concentração de propriedade e o impairment loss sobre o Goodwill: Investigação empírica no contexto das companhias abertas brasileiras. Revista Facultad de Ciencias Económicas: Investigación y Reflexión, 23(1), 175-188.
Sapkauskienė, A., & Leitonienė, Š. (2014). The analysis of factors influencing the write-off of goodwill. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 156, 643-647.
Souza, M. M., Borba, J. A., & Zandonai, F. (2011). Evidenciação da perda no valor recuperável de ativos nas demonstrações contábeis: uma verificação nas empresas de capital aberto brasileiras. Contabilidade Vista & Revista, 22(2), 67-91.
Stein, J. C. (1996). Rational capital budgeting in an irrational world. In: National Bureau of Economic Research. (N. w5496), Cambridge.
Sun, L. (2016). Managerial ability and goodwill impairment. Advances in accounting, 32, 42-51.
Vogt, M., Pletsch, C. S., Morás, V. R., & Klann, R. C. (2016). Determinantes do Reconhecimento das Perdas por Impairment do Goodwill. Revista Contabilidade & Finanças, 27(72), 349-362.
Wen, H., & Moehrle, S. R. (2016). Accounting for goodwill: An academic literature review and analysis to inform the debate. Research in Accounting Regulation, 28(1), 11-21.
Wrubel, F., Marassi, R. B., & Klann, R. C. (2015). Determinantes do reconhecimento de perdas por impairment em empresas brasileiras. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 6(1).
Zhang, I., & Zhang, Y. (2007). Accounting discretion and purchase price allocation after acquisitions. Working Paper.
Zang, Y. (2008). Discretionary behavior with respect to the adoption of SFAS no. 142 and the behavior of security prices. Review of accounting and Finance, 7(1), 38-68.
Publicado
24-06-2019
Como Citar
Moura, G. D. de, Fank, D. R. B., Mazzioni, S., Angonese, R., & Silva, G. (2019). HABILIDADE GERENCIAL E PERDAS DO VALOR RECUPERÁVEL DO GOODWILL:. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 13(2). https://doi.org/10.17524/repec.v13i2.2002
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##