Gerações Y e Z no Stricto Sensu em Contabilidade e seus Valores Relativos ao Trabalho

Autores

  • RAYANE CAMILA DA SILVA SOUSA UFPR
  • ROMUALDO DOUGLAS COLAUTO UFPR

DOI:

https://doi.org/10.17524/repec.v15i4.2975

Palavras-chave:

Valores Relativos ao Trabalho, Gerações Y e Z, Stricto Sensu, Contabilidade

Resumo

Objetivo: O estudo tem por objetivo verificar as diferenças de valores relativos ao trabalho de estudantes do stricto sensu em contabilidade das gerações Y e Z considerando as características sociodemográficas.

Método: Participaram da pesquisa 337 estudantes que em 2019 estavam matriculados em cursos de pós-graduação stricto sensu na área de Contabilidade. O estudo utiliza a Escala Revisada de Valores Relativos ao Trabalho, Análise Fatorial Exploratória, testes não paramétricos e de comparação emparelhada.

Resultados: Estudantes do gênero feminino atribuíram maior importância aos valores relacionados à estabilidade no trabalho e independência financeira, quando comparados aos estudantes do gênero masculino. Igualmente, foram encontradas diferenças significativas entre os grupos que compuseram as variáveis “responsabilidade financeira em casa”, “experiência docente”, “nível de escolaridade da figura materna” e “auxílio financeiro durante a pós-graduação”.

Contribuições: O estudo viabiliza uma melhor compreensão das prioridades das gerações Y e Z no ambiente de trabalho. A compreensão desses valores, possibilita discussões entre os próprios indivíduos sobre suas escolhas, carreiras, motivações e interesses. Esses aspectos são de grande importância para promover a satisfação do indivíduo no ambiente de trabalho e consequentemente o desempenho da instituição em que trabalham.

Referências

Almeida, J. E. F. (2020). Revolução tecnológica no mundo dos negócios e algumas oportunidades e desafios na área contábil. Revista De Contabilidade E Organizações, 14, e165516. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2020.165516

Almeida, G. T. de, & Silva, C. A. R. da. (2018). Os desafios dos gestores na carreira contábil: A perspectiva das gerações Baby Boomer, X, Y e Z. Enfoque: Reflexão Contábil, 37(4), 105-120. DOI: https://doi.org/10.4025/enfoque.v37i4.37052

Ambiel, R. A., Ferraz, A., Pereira, E., Simões, N., & Silva, J. (2019). Predição da definição da escolha vocacional a partir de variáveis familiares. Avances en psicología latinoamericana, 37(1), 89-101. DOI: https://dx.doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/apl/a.6193

Blanch, J.M. (2007). Psicología Social del Trabajo. En M. Aguilar y A. Reid (Coords.). Tratado de Psicología Social. Perspectivas Socioculturales (pp. 210-238). México; Barcelona: Anthropos; UAM.

Berings, D., De Fruyt, F., & Bouwen, R. (2004). Work values and personality traits as predictors of enterprising and social vocational interests. Personality and Individual Differences, 36(2), 349-364.

Cammarosano, M., Santos, F. C. A., & Rojas, F. A. (2014). Valores relativos ao trabalho de pesquisadores em uma organização brasileira. RAE-Revista de Administração de Empresas, 54(4), 445-457. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-759020140409

Cavazotte, F. D. S. C. N., Lemos, A. H. C., & Viana, M. D. A., (2012). Novas gerações no mercado de trabalho: expectativas renovadas ou antigos ideais? CADERNOS EBAPE. BR, 10(1), 162-180. DOI: https://doi.org/10.1590/S1679-39512012000100011

Cennamo, L., & Gardner, D. (2008). Generational differences in work values, outcomes and person-organisation values fit. Journal of Managerial Psychology, 23(8), 891-906. DOI: https://doi.org/10.1108/02683940810904385

Comazzetto, L. R., Perrone, C. M., Vasconcellos, S. J. L., & Gonçalves, J. (2016). A geração Y no mercado de trabalho: um estudo comparativo entre gerações. Psicologia Ciência e Profissão, 36(1), 145-157. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-3703001352014

Cordeiro, H. T. D. (2012). Perfis de carreira da geração Y. Master's Dissertation, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, University of São Paulo, São Paulo. doi:10.11606/D.12.2012.tde-07112012-201941. Retrieved 2020-05-11, from www.teses.usp.br

Dose, J. J. (1997). Work values: An integrative framework and illustrative application to organizational socialization. Journal of occupational and organizational psychology, 70(3), 219-240. DOI: https://doi-org.ez22.periodicos.capes.gov.br/10.1111/j.20448325.1997.tb00645.x

Elizur, D. (1984). Facets of work values: A structural analysis of work outcomes. Journal of Applied Psychology, 69(3), 379–389. DOI: https://doi-org.ez22.periodicos.capes.gov.br/10.1037/0021-9010.69.3.379.

Estivalete, V. D. F. B., Löbler, M. L., de Andrade, T., & Visentini, M. S. (2011). As implicações de gênero na hierarquia dos valores relativos ao trabalho. Revista Alcance, 18(3), 271-286. DOI: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=4777/477748595004

Faber, J. (2011). A Geração Z e a evolução das revistas científicas. Dental Press J Orthod, 16(4), 7.

Forbes. (2019). The ABCs Of Generations X, Y And Z. Retrieved August 10, 2019, from https://www.forbes.com/sites/forbeshumanresourcescouncil/2019/04/02/the-abcs-of-generations-x-y-and-z/#6475f2a1672b

Furucho, N. Y., Oswaldo, Y. C., Graziano, G. O., & Elias Spers, V. R. (2015). Valores e Características Geracionais: Um Estudo em uma Instituição de Ensino Superior. Revista Brasileira de Marketing, 14(4), 492-501.

Grubb, V. M. (2016). Clash of the generations: Managing the new workplace reality. John Wiley & Sons.

Hajdu, G., & Sik, E. (2018). Age, Period, and Cohort Differences in Work Centrality and Work Values. Societies, 8(1), 11. DOI: http://dx.doi.org/10.3390/soc8010011

Hair Jr, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman

Holt, T. , Burke-Smalley, LA e Jones, C. (2017), "An Empirical Investigation of Student Career Interests in Auditing Using the Big Five Model of Personality", Advances in Accounting Education: Teaching and Curriculum Innovations ( Advances in Accounting Education, Vol. 20 ), Emerald Publishing Limited, pp. 1-31. DOI: https://doi.org/10.1108/S1085-462220170000020002

Kowske, B. J., Rasch, R., & Wiley, J. (2010). Millennials’ (lack of) attitude problem: An empirical examination of generational effects on work attitudes. Journal of Business and Psychology, 25(2), 265-279. DOI: https://doi.org/10.1007/s10869-010-9171-8

Lévy-Leboyer, C. (1994). A crise das motivações. Ed. Atlas

Mannheim, K., (1993). El problema de las generaciones. Reis, (62), 193-242. DOI: 10.2307/40183643

Moreira, S. A. S., & de Araújo, B. F. V. B. (2018). Homens e Mulheres da Geração Y e suas Âncoras de Carreira. Desenvolvimento em Questão, 16(42), 621-650.

MOW International Research Team. (1987). The meaning of working. Academic Pr.

Ozkan, M., & Solmaz, B. (2015). The changing face of the employees–generation Z and their perceptions of work (a study applied to university students). Procedia Economics and Finance, 26, 476-483. DOI: https://doi.org/10.1016/S2212-5671(15)00876-X

Parry, E., & Urwin, P. (2011). Generational differences in work values: A review of theory and evidence. International journal of management reviews, 13(1), 79-96. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1468-2370.2010.00285. x

Porto, J. B., & Tamayo, A. (2003). Escala de valores relativos ao trabalho: EVT. Psicologia: teoria e pesquisa, 19(2), 145-152. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722003000200006

Porto, J. B, & Tamayo, A. (2008). Valores do trabalho. In: M. M. M. Siqueira (Org.). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed.

Porto, J. B., & Pilati, R. (2010). Escala Revisada de Valores Relativos ao Trabalho--EVT-R. Psicologia: Reflexão e Critica, 23(1), 73-82. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-79722010000100010

Potrich, A. C. G., Vieira, K. M., Estivalete, V. D. F. B., & Andrade, T. D (2015). Valores relativos ao trabalho: testando a invariância e as diferenças de média entre os gêneros. Revista de Administração FACES Journal, 14(4), 44-64. DOI: https://doi.org/10.21714/1984-6975FACES2015V14N4ART2647

Revista Exame. (2017) A Geração Z e a conexão 24 horas por dia. Retrieved August 10, 2019, from https://exame.abril.com.br/tecnologia/a-geracao-z-e-a-conexao-24-horas-por-dia/

Revista Exame. (2018). Saiba como gerenciar profissionais da geração Z. Retrieved August 10, 2019, from https://exame.abril.com.br/negocios/saiba-como-gerenciar-profissionais-da-geracao-z/

Roe, R. A., & Ester, P. (1999). Values and work: Empirical findings and theoretical perspective. Applied psychology, 48(1), 1-21.

Ros, M., Schwartz, S. H., & Surkiss, S. (1999). Basic individual values, work values, and the meaning of work. Applied psychology, 48(1), 49-71.

Santos Neto, E. D, & Franco, E. S. (2010). Os professores e os desafios pedagógicos diante das novas gerações: considerações sobre o presente e o futuro. Revista de Educação do COGEIME, 19(36), 9-25. DOI: http://dx.doi.org/10.15599/0104-4834/cogeime.v19n36p9-25

Schwartz, S. H. (2006). Basic human values: An overview. Recuperado de http://www. yourmorals. org/schwartz.

Silva, M. R. M. S., Mendonça, H., & Zanini, D. S. (2010). Diferenças de gênero e valores relativos ao trabalho. Paidéia (Ribeirão Preto), 20(45), 39-45. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2010000100006

Smola, K.W., & Sutton, C. D. (2002). Generational differences: Revisiting generational work values for the new millennium. Journal of Organizational Behavior: The International Journal of Industrial, Occupational and Organizational Psychology and Behavior, 23(4), 363-382. DOI: https://doi.org/10.1002/job.147

Twenge, J. M., & Campbell, S. M. (2008). Generational differences in psychological traits and their impact on the workplace. Journal of managerial psychology, 23(8), 862-877. DOI: https://doi.org/10.1108/02683940810904367

Twenge, J. M., Campbell, S. M., Hoffman, B. J., & Lance, C. E. (2010). Generational differences in work values: Leisure and extrinsic values increasing, social and intrinsic values decreasing. Journal of management, 36(5), 1117-1142. DOI: https://doi.org/10.1177/0149206309352246

Twenge, J. M., Campbell, W. K., & Freeman, E. C. (2012). Generational differences in young adults' life goals, concern for others, and civic orientation, 1966–2009. Journal of personality and social psychology, 102(5), 1045-1062. DOI: https://doi.org/10.1037/a0027408

Weller, W. (2010). A atualidade do conceito de gerações de Karl Mannheim. Sociedade e Estado, 25(2), 205-224. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69922010000200004

Zanelli, J. C., Borges-Andrade, J. E., & Bastos, A. V. B. (2014). Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil-2. AMGH editora.

Publicado

2021-12-28

Como Citar

SOUSA, R. C. D. S., & COLAUTO, R. D. . (2021). Gerações Y e Z no Stricto Sensu em Contabilidade e seus Valores Relativos ao Trabalho. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 15(4). https://doi.org/10.17524/repec.v15i4.2975