Adoção das IFRS no Brasil: Efeitos no Conservadorismo Contábil

  • Erivelto Fioresi de Sousa Professor no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes – Campus Cariacica
  • Anderson Fioresi de Sousa Professor no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes – Campus Centro Serrano
  • Gladyson Brommonschenkel Demonier Professor no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes – Campus Viana
Palavras-chave: Conservadorismo condicional, Qualidade da Informação Contábil, Convergência a Normas Contábeis Internacionais.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo investigar o efeito da adoção das International Financial Reports Standards – IFRS no grau de conservadorismo contábil nos demonstrativos contábeis das empresas listadas na BM&FBOVESPA. Considerando que o processo de convergência as normas internacionais busca a padronização da divulgação da informação contábil e incremento em sua qualidade, buscou-se investigar os padrões de qualidade da informação contábil das empresas brasileiras após a adoção das IFRS nas fases caracterizadas pelo período de 2008, com a adoção dos pronunciamentos contábeis-CPC de 1 a 14 e a partir de 2010 com a adoção obrigatória do fullIFRS. Para tal, utilizou-se uma amostra dos demonstrativos financeiros de 320 empresas listadas na BM&FBOVESPA no período de 2000 a 2012. Como proxy de qualidade da informação, foi utilizado o atributo, conservadorismo, conforme proposto por Basu (1997) e Ball e Shivakumar (2005). Os resultados não evidenciaram alteração no grau de conservadorismo nos demonstrativos analisados.O estudo tem como objetivo investigar o efeito da adoção das International Financial Reports Standards(IFRS) no grau de conservadorismo condicional nos demonstrativos contábeis das empresas listadas na BM&FBOVESPA. Considerando que o processo de convergência às normas internacionais busca a padronização da divulgação da informação contábil e o incremento em sua qualidade, buscou-se investigar os padrões de qualidade da informação contábil das empresas brasileiras após a adoção das IFRS nas fases caracterizadas pelo período de 2008, com a adoção dos pronunciamentos contábeis (CPC) de 1 a 14, e a partir de 2010, com a adoção obrigatória do fullIFRS. Para tal, utilizou-se amostra dos demonstrativos financeiros de 320 empresas listadas na BM&FBOVESPA no período de 2000 a 2012. Como proxy de qualidade da informação, foi utilizado o atributo Conservadorismo, conforme proposto por Basu(1997) e Ball e Shivakumar(2005). Os resultados não evidenciaram alteração no grau de conservadorismo nos demonstrativos analisados.

Biografia do Autor

Erivelto Fioresi de Sousa, Professor no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes – Campus Cariacica
Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape Business School
Anderson Fioresi de Sousa, Professor no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes – Campus Centro Serrano
Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape Business School
Gladyson Brommonschenkel Demonier, Professor no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes – Campus Viana
Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes

Referências

Antunes, G. A.; Galdi, F. C.; Azevedo, F. B. & Mendonça, M. (2008). Instrumentos contábeis de proteção aos recursos públicos investidos nas sociedades de economia mista: uma investigação empírica. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo-SP, Brasil, 8º.

Antunes, G. A. & Mendonça, M. M. de (2008). Impacto da adesão aos níveis de governança da BOVESPA na qualidade da informação contábil: uma investigação acerca da oportunidade, relevância e do conservadorismo contábil utilizando dados em painel. Anais dp Encontro Nacional da Associação Nacional dos programs de Pós-graduação em Ciências Contábeis, Salvador-BA, Brasil, 2º.

Ball, R. & Shivakumar, L. (2005). Earnings quality in UK private firms: comparative loss recognition timeliness. Journal of accounting and economics, 39(1), pp. 83-128. doi:110.1016/j.jacceco.2004.1004.1001.

Barth, M. E.; Landsman, W. R. & Lang, M. H. (2008). International accounting standards and accounting quality. Journal of accounting research, 46(3), pp. 467-498. doi: 410.1111/j.1475-1679X.2008.00287.x.

Basu, S. (1997). The conservatism principle and the asymmetric timeliness of earnings. Journal of accounting and economics, 24(1), pp. 3-37. doi:10.1016/S0165-4101(1097)00014-00011.

Christensen, H. B.; Lee, E.; Walker, M. & Zeng, C. (2015). Incentives or Standards: What Determine Accounting Quality Changes Around IFRS Adoption? European Accounting Review, 24(1), pp. 31-61. doi: 10.1080/09638180.09632015.01009144.

Costa, F. M. da; Lopes, A. B. & Costa, A. C. D. O. (2006). Conservadorismo em cinco países da América do Sul. R. Cont. Fin.–USP, São Paulo, 17(41), pp. 7-20. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772006000200002

Daske, H.; Hail, L.; Leuz, C. & Verdi, R. (2008). Mandatory IFRS reporting around the world: Early evidence on the economic consequences. Journal of accounting research, 46(5), pp. 1085-1142. 1010.1111/j.1475-1679X.2008.00306.x.

Dechow, P.; Ge, W. & Schrand, C. (2010). Understanding earnings quality: A review of the proxies, their determinants and their consequences. Journal of Accounting and Economics, 50(2), pp. 344-401. doi:310.1016/j.jacceco.2010.1009.1001.

Feltham, G. A. & Ohlson, J. A. (1995). Valuation and clean surplus accounting for operating and financial activities*. Contemporary accounting research, 11(2), pp. 689-731. doi: 610.1111/j.1911-3846.1995.tb00462.x.

Grecco, M. C. P.; Geron, C. M. S. & Formigoni, H. (2009). O impacto das mudanças nas práticas contábeis no nível de conservadorismo das companhias abertas brasileiras. Anais do Congresso Brasileiro de Custos. Fortaleza-CE, Brasil. 16.

Hellman, N. (2011). Soft adoption and reporting incentives: A study of the impact of IFRS on financial statements in Sweden. Journal of International accounting research, 10(1), p.p.61-83. http://dx.doi.org/10.2308/jiar.2011.2310.2301.2361.

Hendriksen, E. S. & Van Breda, M. (1999). Teoria da contabilidade. tradução de Antônio Zoratto. 5ª ed., São Paulo, Atlas.

LaPorta, R.; López-de-Silanes, F.; Shleifer, A. & Vishny, R. W. (1998). Law and finance. Journal of Political Economy, 106(6), pp. 1113-1155. http://dx.doi.org/1110.1086/250042.

Lei n. 6.404, de 15 de dezembro de 1976. (1976). Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Brasilia, DF. Recuperado em 18 outubro, 2013, de <http://www.planalto.gov.br/cciviL_03/leis/L6404compilada.htm>

Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. (2007). Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeira. Brasilia, DF. Recuperado em 18 outubro, 2013, de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11638.htm>

Lei n. 11.941, de 27 de maio de 2009. (2009). Altera a legislação tributária federal relativa ao parcelamento ordinário de débitos tributários; concede remissão nos casos em que especifica; institui regime tributário de transição, alterando o Decreto no 70.235, de 6 de março de 1972, as Leis nos 8.212, de 24 de julho de 1991, 8.213, de 24 de julho de 1991, 8.218, de 29 de agosto de 1991, 9.249, de 26 de dezembro de 1995, 9.430, de 27 de dezembro de 1996, 9.469, de 10 de julho de 1997, 9.532, de 10 de dezembro de 1997, 10.426, de 24 de abril de 2002, 10.480, de 2 de julho de 2002, 10.522, de 19 de julho de 2002, 10.887, de 18 de junho de 2004, e 6.404, de 15 de dezembro de 1976, o Decreto-Lei no 1.598, de 26 de dezembro de 1977, e as Leis nos8.981, de 20 de janeiro de 1995, 10.925, de 23 de julho de 2004, 10.637, de 30 de dezembro de 2002, 10.833, de 29 de dezembro de 2003, 11.116, de 18 de maio de 2005, 11.732, de 30 de junho de 2008, 10.260, de 12 de julho de 2001, 9.873, de 23 de novembro de 1999, 11.171, de 2 de setembro de 2005, 11.345, de 14 de setembro de 2006; prorroga a vigência da Lei no 8.989, de 24 de fevereiro de 1995; revoga dispositivos das Leis nos 8.383, de 30 de dezembro de 1991, e 8.620, de 5 de janeiro de 1993, do Decreto-Lei no 73, de 21 de novembro de 1966, das Leis nos 10.190, de 14 de fevereiro de 2001, 9.718, de 27 de novembro de 1998, e 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.964, de 10 de abril de 2000, e, a partir da instalação do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, os Decretos nos 83.304, de 28 de março de 1979, e 89.892, de 2 de julho de 1984, e o art. 112 da Lei no 11.196, de 21 de novembro de 2005; e dá outras providências. Brasilia, DF. Recuperado em 18 outubro, 2013, de <http://www.planalto.gov.br/cciviL_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11941.htm#art37>

Liu, J., & Liu, C. (2007). Value relevance of accounting information in different stock market segments: the case of Chinese A-, B-, and H-shares. Journal of International accounting research, 6(2), pp. 55-81. http://dx.doi.org/10.2308/jiar.2007.2306.2302.2355

Mendonça, M. M. de; Costa, F. M. da; Galdi, F. C. & Funchal, B. (2010). O impacto da Lei Sarbanes-Oxley (SOX) na qualidade do lucro das empresas brasileiras que emitiram ADRs. Revista Contabilidade & Finanças, 21(52).

Oliveira, V. A. de & Lemes, S. (2008). Estudo do Nível de Convergência dos Princípios Contábeis Brasileiros e Norte-Americanos às Normas do IASB. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo-SP, Brasil, 8º.

Paananen, M. & Lin, H. (2009). The development of accounting quality of IAS and IFRS over time: The case of Germany. Journal of International accounting research, 8(1),pp. 31-55. http://dx.doi.org/10.2308/jiar.2009.2308.2301.2331.

Paulo, E.; Antunes, M. T. P. & Formigoni, H. (2006). Estudo sobre o conservadorismo nas companhias abertas e fechadas brasileiras. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. salvador-BA, Brasil, 30.

Penman, H. & Zhang, X. (2002). Accounting conservantism, the quality of earning, and stock returns. The Accounting Review, 77(2), pp. 237-264. http://dx.doi.org/210.2308/accr.2002.2377.2302.2237

Saiki, T. G. & Antunes, M. T. P. (2010). Reconhecimento de ativos intangíveis em situação de business combinations: um exemplo prático da aplicação dos CPC 04 e CPC 15. Boletim IOB – Temática Contábil e Balanços(46).

Santos, L. S. R. dos & Costa, F. M. da (2008). Conservadorismo contábil e timeliness: evidências empíricas nas demonstrações contábeis de empresas Brasileiras com ADRs negociados na bolsa de nova iorque. R. Cont. Fin.• USP• São Paulo, 19(48), pp. 27-36. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772008000300003

Santos, E. S. & Sales e Cia, J. N. d. (2009). Impactos esperados da harmonização internacional no lucro das empresas brasileiras, na proxy dos ajustes BRGAAP/USGAAP reportados pelas emissoras de ADRs na NYSE. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(6), pp. 57-80.

Santos, E. S. (2010). Análise dos impactos dos CPCs da primeira fase de transição para o IFRS nas empresas abertas: um exame censitário dos ajustes ao resultado nas DFPs de 2008. Anais do Encontro Da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro-RJ, Brasil, 34.

Santos, L. P. G. dos: Lima, G. A. S. F. de: Freitas, S. C. de& Lima, I. S. (2011). Efeito da Lei 11.638/07 sobre o conservadorismo condicional das empresas listadas BM&FBOVESPA. Revista Contabilidade & Finanças-USP, 22(56), pp. 174-188. http://dx.doi.org/110.1590/S1519-70772011000200004.

Soderstrom, N. S. & Sun, K. J. (2007). IFRS adoption and accounting quality: a review. European Accounting Review, 16(4), pp. 675-702. doi: 610.1080/09638180701706732.

Watts, R. L. (2003a). Conservatism in accounting part I: Explanations and implications. Accounting horizons, 17(3), pp. 207-221. http://dx.doi.org/210.2308/acch.2003.2317.2303.2207.

Watts, R. L. (2003b). Conservatism in accounting part II: Evidence and research opportunities. Accounting horizons, 17(4), pp. 287-301. http://dx.doi.org/210.2308/acch.2003.2317.2304.2287.

Publicado
12-06-2016
Como Citar
Sousa, E., Sousa, A., & Demonier, G. (2016). Adoção das IFRS no Brasil: Efeitos no Conservadorismo Contábil. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 10(2). https://doi.org/10.17524/repec.v10i2.1290
Seção
Artigos