INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO ACADÊMICO NA PERCEPÇÃO DE JUSTIÇA NO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM

  • Karla Luisa Costa Sabino Universidade Federal de Alfenas
  • Jacqueline Veneroso Alves da Cunha Universidade Federal de Minas Gerais
  • Romualdo Douglas Colauto Universidade Federal do Paraná
  • José Roberto de Souza Francisco Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Justiça no Ambiente de Aprendizagem., Ciências Contábeis., Universidades Federais.

Resumo

Objetivo: Buscar evidências que permitam identificar a relação existente entre o desempenho acadêmico de alunos de graduação em ciências contábeis e sua percepção de justiça acadêmica, segregadas nas dimensões distributiva, procedimental e interacional.

Método: Consiste em uma abordagem qualitativa e quantitativa, que teve como amostra 534 alunos de graduação de Ciências Contábeis de nove universidades federais mineiras. Para abordagem quantitativa foram aplicados questionários que buscaram captar a percepção de justiça em suas três dimensões (variáveis dependentes), o desempenho acadêmico (variável explicativa) e oito variáveis de controle. Para abordagem qualitativa foram realizadas entrevistas.

Resultados: As análises quantitativas indicam que das nove variáveis testadas, apenas três variáveis se mostraram estatisticamente significativa: a variável gênero para a justiça procedimental, a variável turno para justiças procedimental e interacional e a variável reprovação para todas as três dimensões de justiça. Em termos qualitativos, os achados mostram que os alunos associam a justiça no ambiente de aprendizagem, de maneira geral, principalmente à figura do professor.

Contribuições: O estudo contribui para a literatura no sentido de identificar como se dá o ambiente acadêmico pela ótica dos alunos, no que tange sua percepção de justiça, concluindo, que o relacionamento com o professor, influencia na sua percepção de justiça.

Biografia do Autor

Karla Luisa Costa Sabino, Universidade Federal de Alfenas
Mestra em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Minas Gerais (2017), possui pós-graduação (Lato sensu) em Finanças e Controladoria pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014) e graduação em Ciências Contábeis pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2013). Atua principalmente nas seguintes áreas: contabilidade financeira, contabilidade ambiental, divulgação da informação contábil, educação e pesquisa em contabilidade. Atualmente é professora assistente na Universidade Federal de Alfenas.

Referências

Adams, J. S. (1965). Inequity in social exchange. Em L. Berkowitz (Org.), Advances in experimental social psychology (Vol. 2, pp. 267-299). New York:Academic Press.
https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0065260108601082
Assmar, E. M. L., Ferreira, M. C., eSouto, S. D. O. (2005). Justiça organizacional: uma revisão crítica da literatura. Psicologia: reflexão e crítica, 18(3), 443-453.
http://www.redalyc.org/html/188/18818319/
Apostolou, B., Dorminey, J. W., Hassell, J. M. e . Rebele, J.(2017) Analysis of trends in the accounting education literature (1997–2016). Journal of Accouting Education, 41, 1-14.
https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0748575117301781
Barzotto, L. F. (2003). Justiça Social-Gênese, estrutura e aplicação de um conceito. Revista Jurídica da Presidência, 5(48).
http://www.amprs.org.br/arquivos/revista_artigo/arquivo_1274204714.pdf
Bies, R. J., e Moag, J. S. (1986). Interactional justice: Communication criteria of fairness. Research on negotiation in organizations, 1(1), 43-55.
Bies, R. J. e Shapiro, D. L. (1987). Interactional fairness judgments: The influence on procedural fairness judgments. Social Justice Research, 2, 199-218.
https://link.springer.com/article/10.1007/BF01048016
Bies, R. J. (2001). Interactional (in) justice: The sacred and the profane. Advances in organizational justice, 89118.
https://books.google.com.br/books?hl=pt-PTelr=eid=KQU_nqwIJv4Ceoi=fndepg=PA89edq=+Bies,+R.+J.+(2001).+Interactional+(in)+justice:+The+sacred+and+the+profane.+Advances+in+organizational+justice,+89118.eots=v71QzKqxKkesig=PkTjYgW4qFrme0aCp7NxAO8m0AE#v=onepageeqef=false
Chory-Assad, R. M. (2002) Classroom Justice: Perceptions of Fairness as a Predictor of Student Motivation, Learning, and Aggression. Communication Quarterly, v. 50, n. 1, p. 58–77.
https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01463370209385646
Chory, R. M. (2007). Enhancing Student Perceptions of Fairness: The Relationship Between Instructor Credibility and Classroom Justice. Communication Education, v. 56, n. 1, p. 89–105.
https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/03634520600994300
Chory-Assad, R. M.; Paulsel, M. L. (2004) Antisocial Classroom Communication: Instructor Influence and Interactional Justice as Predictors of Student Aggression. Communication Quarterly, v. 52, n. 2, p. 98–114.
https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01463370409370184

Costa, K.L.C e; Cunha, J.V.A. da.; Francisco, J.R.de S.; Colauto, R.D. (2017) ; Influência do Desempenho Acadêmico na Percepção de Justiça no Ambiente de Aprendizagem: um estudo com alunos do curso de ciências contábeis em universidades federais mineiras. Anais do Seminário em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 20.
http://login.semead.com.br/20semead/arquivos/2190.pdf
Cropanzano, R. e Greenberg, J. (1997). Progress in organizational justice: Tunelling through the maze: Em C. L. Cooper e I. T. Robertson (Orgs.), International Review of Industrial and Organizational Psychology: 1997 (pp. 317-372). New York: Wiley e Sons.
De Jesus, R. G., e Rowe, D. E. O. (2014). Justiça Organizacional Percebida por Professores do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. Revista de Administração Mackenzie, 15(6).
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1678-69712014000600172escript=sci_arttext
Deutsch, M. (1985). Distributive justice: A social-psychological perspective. New Haven: Yale University Press.
https://philpapers.org/rec/DEUDJA
Flick, U. (2008). Introdução à pesquisa qualitativa. Artmed Editora, Porto Alegre: RS.
Homans, G. C. (1961, 1974). Social Behavior: Its Elementary Forms. New York: Harcourt Brace Jovanovich.
http://psycnet.apa.org/record/1974-20800-000
Kovačević, I., Zunić, P., e Mihailović, D. (2013). Concept of Organizational Justice in the Context of Academic Achievement. Journal of Sustainable Business and Management Solutions in Emerging Economies, (1820-0222), (69).
http://management-stari.fon.bg.ac.rs/management/e_management_69_english_04.pdf
Leventhal, G. S. (1980). What should be done with equity theory?. In Social exchange (pp. 27-55). Springer US.
https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-1-4613-3087-5_2
Lind, E. A., Tyler, T. R., e Huo, Y. J. (1997). Procedural context and culture: Variation in the antecedents of procedural justice judgments. Journal of Personality and Social Psychology, 73(4), 767.
http://psycnet.apa.org/fulltext/1997-06133-010.html
Ministério da Educação (2017). Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados. Recuperado em 14 de dezembro de 2017, de http://emec.mec.gov.br/.
Pereira, M. G. (2004). Percepções de justiça na adolescência: A escola e a legitimação das autoridades institucionais. Tese de Doutorado. Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, Lisboa, Portugal.
http://repositorio.ispa.pt/handle/10400.12/1672
Pereira, M. E. K., Lizote, S. A., e Verdinelli, M. A. (2015). Desempenho Docente No Curso De Ciências Contábeis: Uma Avaliação Integradora Com Variáveis Pessoais. XV Colóquio Internacional de Gestão Universitária, 258, Mar Del Plata, Argentina.
https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/136214
Peter, F., Kloeckner, N., Dalbert, C., e Radant, M. (2012). Belief in a just world, teacher justice and student achievement: a multilevel study. Learning and Individual Differences, 22, 55-63.
https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1041608011001191

Rego, A. (2000). Justiça e comportamentos de cidadania nas organizações: Uma abordagem sem tabus. Lisboa: Edições Sílabo.
Rego, A. (2001). Percepções de justiça: estudos de dimensionalização com professores do ensino superior. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 17(2), 119-131.
http://www.scielo.br/pdf/ptp/v17n2/7872
Siqueira, M. M. M., e Padovam, V. A. R. (2008). Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: teoria e pesquisa, 24(2), 201-209.
http://www.scielo.br/pdf/ptp/v24n2/09
Thibaut, J.W.eWalker, L.(1975). Procedural justice:Apsychological analysis. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates.
Tyler, T. R., e Blader, S. L. (2000). Cooperation in groups: Procedural justice, social identity, and behavioral engagement. Psychology Press.
https://www.taylorfrancis.com/books/9781134948222
Walster, E., Berscheid, E., eWalster, G. W. (1973). New directions in equity research. Journal of personality and social psychology, 25(2), 151.
http://psycnet.apa.org/record/1973-20995-001
Wubbels, T. e Brekelmans, M. (2005). Two Decades of Research on Teacher-Student Relationships in Class. International Journal of Educational Research, v. 43, n. 1-2, p. 6-24.
https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0883035506000127
Publicado
20-12-2019
Como Citar
Sabino, K. L. C., Veneroso Alves da Cunha, J., Colauto, R. D., & de Souza Francisco, J. R. (2019). INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO ACADÊMICO NA PERCEPÇÃO DE JUSTIÇA NO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 13(4). https://doi.org/10.17524/repec.v13i4.2382